Prospecto do Draft 2018 – Hamidou Diallo

Hamidou Diallo

Idade: 19 anos
País: Estados Unidos
Universidade: Kentucky
Experiência: Freshman
Posição: ala-armador / ala
Altura: 6’6’’ (1.98m)

Médias na última temporada: 10.0 pontos, 3.6 rebotes, 1.2 assistência, 0.8 roubo de bola, 0.4 toco, 1.4 erro de ataque, 42.8% de aproveitamento nos arremessos de quadra, 33.8% de conversão nos tiros de longa distância, 61.6% de acerto nos lances livres em 24.8 minutos em quadra

Pontos fortes

– Pode não impressionar com seus 1.98m de altura, mas a medição confirmada de 2.12m de envergadura faz com que Diallo tenha condições plenas de atuar como ala-armador e ala no próximo nível.

– Trata-se de um atleta de elite, extremamente ágil e explosivo, capaz de jogadas impressionantes em quadra aberta. É um possível concorrente para Concursos de Enterradas no futuro, sem dúvidas.

– Diallo realmente destaca-se operando em transição, usando seus recursos físico-atléticos para preencher linhas de passe em velocidade com a quadra aberta e até trazendo a bola, puxando contra-ataques.

– Muito bom finalizador, ele é capaz de fazer cestas atacando espaços tumultuados e absorver contato (5.5 lances livres por 40 minutos) – em especial, por conta de seu sensacional controle de corpo.

– Ganhou fama no basquete colegial como um grande criador de arremessos para si próprio. Isso já não se traduziu muito bem na NCAA, mas segue muito difícil de ser contestado pela combinação de impulsão e braços longos.

– É um reboteiro bem sólido na tábua defensiva e possui bastante potencial no lado ofensivo também, já que conta com grande envergadura e capacidade de atacar adversários no espaço aéreo.

– A tendência é que o espaçamento da NBA ajude tremendamente o jogo de ataque à cesta e infiltrações de Diallo, em oposição às quadras muito “afuniladas” comuns no basquete universitário.

– Possui um respeitável currículo com as seleções de base dos EUA em competições internacionais, incluindo a conquista de uma medalha de bronze na Copa do Mundo sub-19 do Egito (2017).

– Considerado um dos dez melhores jogadores da última classe colegial, Diallo é dono de um incrível upside para um prospecto que tem chances de ser escolhido apenas na segunda rodada do draft.

Pontos fracos

– Diallo foi uma grande decepção no basquete universitário, atuando por Kentucky, em especial por tratar-se de alguém que havia até se inscrito no draft passado e considerado seriamente profissionalizar-se.

– Seu físico ainda precisa desenvolver-se – o que já limita sua fisicalidade de forma notável na defesa, por exemplo – e “exige” um trabalho de fortalecimento especial para aguentar o jogo profissional.

– O controle de bola de Diallo carece de maior refinamento, pensando que depende dele para chegar à cesta e pontuar. Não passa, hoje, de um atacante “direto” com dificuldades em mudanças de direção.

– Tecnicamente, arremessos de média e longa distância são seu grande problema: sua mecânica de tiro é extremamente instável e os 61.6% de conversão nos lances livres não dão boas perspectivas sobre esse fundamento.

– Seleção de arremessos bastante questionável e que reflete, em uma análise mais ampla, pouca consciência sobre suas limitações em quadra. Gosta de arremessar desequilibrado, contestado em movimento.

– Não é um jogador egoísta em quadra e até tornou-se mais adepto a “rodar” a bola nos últimos tempos, mas sua criatividade e visão de quadra são quase nulas. Registrou só 0.86 assistências por erro de ataque na NCAA.

– Diallo é pouco consistente na defesa e possui momentos realmente desastrosos marcando fora da bola. Seu nível de esforço e atenção defensiva, nesse sentido, ainda são bem problemáticos.

– Para um jovem tão atlético e longo, ele é surpreendentemente pouco produtivo estatisticamente na defesa (roubos de bola e tocos) – o que costuma indicar que o prospecto não será tão bom marcador na NBA.

– Pequenos detalhes que costumam evidenciar primor técnico e inteligência de basquete faltam a Diallo, como, por exemplo, trabalho de pernas em espaço reduzido e noção avançada do uso de ângulos.

– A verdade é que ele simplesmente parece ser muito mais um atleta (que corre a quadra, salta alto) do que efetivamente um jogador de basquete (com técnica e instintos apurados em quadra) no momento.

Comparações: Corey Brewer (Oklahoma City Thunder) mais baixo

Projeção: da 25ª a 50ª escolha geral

Confira alguns lances de Hamidou Diallo

Ricardo Stabolito Jr.
Ricardo Stabolito Jr.
Jornalista de 27 anos. Natural de São Bernardo do Campo, mas vive em Salvador há mais de uma década.
  • Tulio Machado

    Era cotado como uma escolha de Loteria no inicio da temporada… Vi noticias que dizem que os Knicks estão interessados nele como escolha de segunda rodada. Ai ficaria Ntilikina, Diallo, Hardaway Jr, Porzings e Carter Jr. Uma base promissora e jovem, e logico né, se as coisas ocorrerem como os Knicks querem… mas como é o Knicks e tudo da errado, capaz de draftar Mikal Bridges e um pivô meia boca

  • ReggieMiller31

    Diallo foi uma grande decepção no basquete universitário, atuando por Kentucky, em especial por tratar-se de alguém que havia até se inscrito no draft passado e considerado seriamente profissionalizar-se.
    Essa parte do texto resume td. Para alguém q chegou a ser considerado escolha de 1º rodada draft passado e resolveu voltar pra se aprimorar a única palavra é decepção, mas realmente tem um bom potencial.