Prospecto do Draft 2018 – Moritz Wagner

Moritz Wagner

Idade: 21 anos
País: Alemanha
Universidade: Michigan
Experiência: junior
Posição: ala-pivô / pivô
Altura: 6’11.5’’ (2.12m)

Médias na última temporada: 14.6 pontos, 7.1 rebotes, 0.8 assistência, 1.0 roubo de bola, 0.5 toco, 1.4 erros de ataque, 52.8% de aproveitamento nos arremessos de quadra, 39.4% de conversão nos tiros de longa distância, 69.4% de acerto nos lances livres em 27.6 minutos em quadra

Pontos fortes

– Wagner atuou majoritariamente como ala-pivô em Michigan, mas, pelas medições do Combine, possui dimensões aceitáveis para ser um pivô no próximo nível: 2.12m de altura e 2.13m de envergadura.

– Movimenta-se com incrível leveza e fluidez para um jogador de garrafão. Corre a quadra com vontade, mesmo que “gastando muito gás” eventualmente, e mostra capacidade de acompanhar contra-ataques.

– Trata-se de um finalizador capaz – e de crescente eficiência – próximo da cesta, exibindo calma operando de costas para a cesta e ótimo trabalho de pernas em espaço curto para superar defensores.

– Seu controle de bola é muito avançado para um pivô. Wagner, assim, possui a versatilidade para atacar closeouts e tentar infiltrações partindo do perímetro, explorando os marcadores mais lentos.

– Bom arremessador de média e longa distância, com a capacidade de chutar em movimento que poucos atletas de garrafão costumam ter. Converteu mais de 39% de acerto para três pontos nas últimas duas temporadas.

– Embora números brutos não evidenciem, Wagner mostrou uma melhora sensível acompanhada por um maior empenho em um dos pontos mais criticados do seu jogo: os rebotes defensivos.

– Dono de interessante potencial como passador, apesar da média de assistências não impressionar. Sua visão de quadra e habilidade de passe em movimento não são comuns em pivôs de 2.12m de altura.

– Wagner comete pouquíssimos erros de ataque para um atleta com seu volume e recursos ofensivos, produto direto de uma tomada de decisões segura e inteligente na maior parte do tempo.

– Tem uma sólida compreensão da dinâmica do jogo no lado defensivo da quadra: usa suas mãos rápidas para dificultar passes, apresenta boa noção de ajuda e sabe proteger o aro, dentro de suas limitações.

– É visto no basquete universitário como um atleta inteligente e de instintos muito apurados, com entendimento pleno de suas limitações em quadra e que melhora continuamente, ano após ano.  

Pontos fracos

– Não se trata de um atleta de elite, explosivo ou veloz, e precisará de um trabalho físico específico para atuar como pivô na NBA. Um dos cinco jogadores de garrafão com menos de 98 quilos pesados no Combine.

– Costuma ter seu tempo de quadra limitado por uma série de motivos diferentes – especialmente, o excesso de faltas e a fadiga. Wagner pode melhorar bastante em termos de condicionamento físico.

– Já apresentou sérias dificuldades no confronto com outros prospectos e atletas de elite dentro dos garrafões universitário: sofre para manter espaço perto da cesta e finalizar contra adversários mais longos.

– Apesar do bom arremesso de média e longa distância, sua mecânica de tiro é bem lenta e o aproveitamento abaixo dos 70% nos lances livres colocam dúvidas sobre sua eficiência no próximo nível.

– A proporção de 0.571 assistências para cada desperdício de bola é muito ruim, o que torna-se especialmente preocupante porque esse número costuma ser sólido indicativo da inteligência do jogador em quadra.

– Wagner é um reboteiro ofensivo dos mais inexpressivos. Suas limitações físicas e atléticas realmente comprometem um possível potencial atacando a tábua adversária e conseguindo segundas chances.

– No início de carreira, ele certamente será visto como um jogador a ser explorado por outros times: atletas profissionais mais fortes, pesados e com braços mais longos tendem a dominá-lo no post.

– É complicado não projetar Wagner como um pivô que vai ter muitas dificuldades para defender em espaço, sendo forçado a trocas no perímetro e obrigado a acompanhar armadores mais rápidos.   

– Suas limitações físico-atléticas, de condicionamento e defensivas tendem a fazer suas perspectivas de função em um time profissional diminuírem. Difícil imaginá-lo, hoje, como um futuro titular na NBA.

Comparações: Kelly Olynyk (Miami Heat) e Mike Muscala (Atlanta Hawks) mais versátil

Projeção: das escolhas 25 a 50 geral

Confira alguns lances de Moritz Wagner

Ricardo Stabolito Jr.
Ricardo Stabolito Jr.
Jornalista de 27 anos. Natural de São Bernardo do Campo, mas vive em Salvador há mais de uma década.
  • evandro de medeiros bacelar ba

    Acho bem difícil ele sair na segunda rodada

    • Lucas Henrique

      Defesa importa muito na NBA, e a defesa dele é quase nula, infelizmente

  • Luiz Henrique Moura Matos

    Vai sair nas últimas escolhas e vai virar uma estrela

  • Tulio Machado

    Como falam que o Mo Bamba é o encaixe perfeito pro Markkanen, eu digo que o Mo Wagner é o encaixe perfeito pro Jarret Allen do Nets

  • Gustavo

    Acho uma boa aposta pro Celtics. Com o retorno de Kyrie e Hayward, a segunda unidade seria Rozier, Smart, Ojeyle, Morris, Theiss (supondo que Smart renove e Baynes não). Um time muito forte na defesa, mas que carece de espaçamento e de um scorer versátil, coisas que o alemão pode oferecer.

    Quanto à defesa ruim, Stevens é mestre em esconder esse tipo de defeito.

    • Tulio Machado

      Um cara que transformou Isiah Thomas em craque, eu não duvido de nada! Mo Wagner DPOY kkkkkk

  • Nilton Bitencourt

    CELTICS

  • Tárcio

    pick 25. Lakers. ROY

    • Israel Pegado

      Mitou!

    • Francimarques Lakão

      Rapaz… Me fala os números da loteria.

    • Aquino L.A.

      Pqp!! kkkkkkk Acertou em cheio!!!

      • Tárcio

        Ainda falta a segunda parte.
        EU ACREDITO.

  • Thiago Legori

    Acredito que será escolhido no começo da segunda rodada.