Prospecto do Draft 2018 – Wendell Carter

Wendell Carter

Idade: 19 anos
País: Estados Unidos
Universidade: Duke
Experiência: Freshman
Posição: pivô
Altura: 6’10’’ (2.08m)

Médias na última temporada: 13.5 pontos, 9.1 rebotes, 2.0 assistências, 0.8 roubo de bola, 2.1 tocos, 2.0 desperdícios de bola, 56.1% de aproveitamento nos arremessos de quadra, 41.3% de aproveitamento nas bolas de três pontos, 73.8% de aproveitamento nos lances livres, 26.8 minutos em quadra

Pontos fortes

– pivô móvel, com boa envergadura (2.24m) e força física adequada para encarar o basquete profissional
– versátil no ataque, capaz de pontuar tanto dentro quanto fora do garrafão
– sólido jogo ofensivo no post – estabelece posição na área pintada com facilidade, finaliza com ambas as mãos, tem um gancho eficiente
– alcance para chutar do perímetro, dotado de sólida mecânica de arremesso, o que é refletido no ótimo aproveitamento em bolas de três pontos e nos lances livres
– boa visão de quadra, passador seguro no high post, leitura rápida do jogo, sabe quando envolver os companheiros que estiverem livres para o arremesso do perímetro, um dos melhores pivôs passadores da classe deste ano
– grande reboteiro, com destaque na tábua ofensiva, não foge do jogo físico, facilidade para executar o box out
– sólido defensor, sabe quando dobrar na marcação, braços ativos para contestar os chutes do adversário, bom timing para bloquear arremessos
ética de trabalho elogiável, mostra sempre atitude positiva em quadra, incansável
– não possui uma grande lacuna em seu jogo, potencial para ser ao menos um jogador sólido na NBA

Pontos fracos

– não é muito explosivo, nem um grande saltador e não corre a quadra com tanta fluidez, é o menos ágil dos pivôs de elite deste ano
– trabalho de pés não compromete, mas precisa melhorar nesse aspecto para não encontrar dificuldades quando for marcado por grandes protetores de aro na NBA
– a falta de agilidade lateral pode comprometer o seu desempenho defensivo e ofensivo em uma liga que cada vez mais privilegia jogadores atléticos; se perde às vezes na defesa do pick-and-roll
– controle de bola mediano, se complica algumas vezes quando tenta bater bola para infiltrar ou efetuar um passe, o que reflete no alto índice de desperdícios de bola
– cai com facilidade em pump fakes, o que deve lhe causar problemas na NBA, quando enfrentar pivôs mais habilidosos
– arremesso pouco confiável após o drible; sente-se muito mais confortável na situação de catch and shoot

Comparação: Al Horford (Boston Celtics)

Projeção: entre as escolhas 6 e 10

Confira alguns lances de Wendell Carter

Legenda
– Freshman (primeiro ano universitário)