Prospecto do Draft 2019 – Dylan Windler

Dylan Windler

Idade: 22 anos
País: Estados Unidos
Universidade: Belmont
Experiência: senior
Posição: ala / ala-pivô
Altura: 6’7.5’’ (2.02m)

Médias na última temporada: 21.3 pontos, 10.8 rebotes, 2.5 assistências, 1.4 roubo de bola, 0.6 toco, 2.1 desperdícios de bola, 54.0% de aproveitamento nos arremessos de quadra, 42.9% de aproveitamento nas bolas de três pontos, 84.7% de aproveitamento nos lances livres, 33.2 minutos por jogo

Pontos fortes

combo forward canhoto dotado de muita habilidade, bom domínio de bola e alcance para chutar de qualquer lugar da quadra, tamanho adequado para jogar nas posições 3 e 4 (envergadura de 2.08m) e que corre a quadra com fluidez
– considerado um dos melhores arremessadores do College; mecânica de arremesso elogiável (a bola sai rapidamente de suas mãos, elevação, forma), letal no catch and shoot, utiliza muito bem os bloqueios feitos pelos companheiros para arremessar, um dos melhores chutadores no spot up (quando recebe a bola parado em uma região da quadra e arremessa) da classe deste ano
– ótimo na movimentação sem a bola; chama a atenção por ser um excelente cutter (jogador que se movimenta subitamente buscando uma melhor posição para finalizar)
– capaz de criar para si e para os companheiros; passador seguro, que tem um bom controle de bola e que mostra boas leituras no pick-and-roll, sabe explorar mismatches
– grande reboteiro; sabe fazer o box out, tem ótimo timing e briga sempre nas duas tábuas
– defensor esforçado; apesar das limitações físico-atléticas, não se perde na defesa do pick-and-roll e consegue ser eficiente na marcação um contra um e na defesa de ajuda
– incansável em quadra, atua sempre com muita disciplina, dedicação e em prol do time, jogador que todo técnico gostaria de comandar
– potencial role player que tem tudo para estabelecer uma carreira sólida na NBA; jogador que possui um chute consistente do perímetro e a habilidade de playmaker tem o seu lugar em uma liga que cada vez mais privilegia o espaçamento de quadra e a movimentação de bola

Pontos fracos

– limitações físico-atléticas; não tem explosão, não é dotado de uma grande impulsão, muito magro (89 quilos) para um jogador da posição
– a falta de agilidade lateral e de força física, e o trabalho de pés apenas mediano, poderão comprometer o seu desempenho como defensor no nível profissional, deverá ter dificuldades em marcar adversários mais velozes e fortes
– deixa a desejar quando tem que defender o adversário que não está com a bola nas mãos, facilmente “enganado” em vários momentos dos jogos por chutadores no spot up
– precisa ser mais eficiente nos chutes após o drible; mostra dificuldade em criar separação para os marcadores
– em determinados momentos reluta nas infiltrações no garrafão adversário, preferindo o passe ou o arremesso, não tem um floater eficiente, provavelmente terá problemas como finalizador no nível profissional, não consegue cavar muitas faltas devido à falta de agressividade no ataque à cesta
– atuou em uma conferência mais fraca (Ohio Valley), logo não enfrentou grandes adversários no College (apenas cinco duelos contra times que se classificaram para o March Madness), ele realmente é um bom prospecto ou se destacou pelo fato de ter jogado contra rivais de pouca qualidade?
– oferece pouco upside; completará 23 anos quando a próxima temporada começar

Comparações: Doug McDermott (Indiana Pacers) e Mike Dunleavy (ex-Indiana Pacers)

Projeção: entre as escolhas 24 e 40

Confira alguns lances de Dylan Windler

Legenda: senior (quarto ano universitário)

Gustavo Lima
Gustavo Lima
Jornalista graduado pela UFMG e pós-graduado em Produção em Mídias Digitais pela PUC-MG. Natural de Ipatinga e residente em BH. Editor do Jumper Brasil desde 2007. Acompanha a NBA desde 1993. Torcedor do Phoenix Suns, mas adepto da imparcialidade.
  • felipe fernando Oliveira

    Pra quem precisa de um gatilho de 3 vindo do banco, esta ai uma excelente escolha..

  • Lucas Henrique

    Eu sendo o okc eu pegava