Prospecto do Draft 2019 – Nickeil Alexander-Walker

Por Gabriel Andrade

Nickeil Alexander-Walker

Idade: 20 anos
País: Canadá
Universidade: Virginia Tech
Experiência: sophomore
Posição: ala-armador
Altura: 6’5,5’’ (1.97 m)

Médias na temporada 2018-19: 16.2 pontos, 4.1 rebotes, 4.0 assistências, 1.9 roubada de bola, 0.5 toco, 2.9 desperdícios de bola, 47.4% de aproveitamento nos arremessos de quadra, 37.4% de aproveitamento nas bolas de três pontos, 77.8% de aproveitamento nos lances livres, 34.3 minutos em quadra

Pontos fortes

  • Muito alto e longo (2.07m de envergadura) para alguém projetado como combo guard no próximo nível. Utiliza seu comprimento para atacar as linhas de passe e estender finalizações ao redor do aro.

  • Bom chutador em todos os níveis em que jogou e que tem expandindo sua versatilidade, letal em situações catch-and-shoot, mas também capaz de arremessar após o drible quando a defesa passa por trás do corta-luzes, ou recebendo em movimento para chutar. Mecânica de arremesso rápida, alta e compacta.

  • Potencial como criador secundário de jogadas por conta de uma privilegiada visão de jogo e QI de basquete, possui arsenal de passes para o lado contrário e enxerga bons ângulos para acionar os companheiros.

  • Defensor esforçado e instintivo, que entende movimentações sem a bola e consegue fechar opções de passe por conta dos braços longos. Pode marcar até três posições no futuro, caso ganhe força.

  • No geral, toma boas decisões em quadra e se mostra muito inteligente em entrevistas. Família envolvida com basquete, como os primos Shai Gilgeous-Alexander e Ty-Shon Alexander mostram um pouco de seu bom background.

  • Possui conjunto de hesitações e mudanças de direção para bater oponentes após o drible, trata-se de um jogador polido e técnico. Ambidestro, chega até o aro e usa ambas as mãos com eficiência similar.

  • Parece ter noção de quais pontos precisa melhorar e, por conta disso, deu um salto significativo de um ano para o outro no College.

  • Por conta do QI de basquete, versatilidade ofensiva e defensiva, além do capacidade de chute e jogar em movimento, é um encaixe ótimo para a NBA moderna.

Pontos fracos

  • Muito franzino e pouco explosivo, ainda não tem um corpo preparado para lidar com os oponentes mais fortes do que ele na NBA. Sua agilidade lateral não é de elite, enfrenta desvantagem contra atletas mais explosivos e ágeis.

  • Depende mais da técnica do que do físico, foge de contato e não é particularmente agressivo usando seu corpo para proteger seus ataques à cesta. Também não possui explosão de elite, não leva vantagem no primeiro passo.

  • Não parece jogar com a máxima agressividade, parecendo passivo em certas situações em que seria exigido sua liderança e bola em mãos, sobretudo na fase mais decisiva do basquete universitário.

  • Caiu vertiginosamente de produção ao final da temporada e quando o calendário estava mais apertado, ao enfrentar adversários mais qualificados. O quanto sua eficiência pontuando será real na NBA?

  • Comete muitos desperdícios de bola para alguém que não era o criador primário de seu time.

  • Pouco vocal em quadra, não se enquadrou como um líder atuando por Virginia Tech.

Comparações: Gary Harris (Denver Nuggets), Malcolm Brogdon (Milwaukee Bucks), Rodrigue Beaubois (Anadolu Efes-TUR e ex-Dallas Mavericks) e Cory Higgins (CSKA Moscou-RUS e ex-Charlotte Bobcats)

Projeção: entre as escolhas 12 e 24

Confira alguns lances de Nickeil Alexander-Walker

Legenda: sophomore (segundo ano universitário)