Prospecto do Draft 2019 – Romeo Langford

Romeo Langford

Idade: 19 anos
País: Estados Unidos
Universidade: Indiana
Experiência: freshman
Posição: ala-armador
Altura: 6’6″ (1.98m)

Médias na última temporada: 34.1 minutos, 16.5 pontos, 5.4 rebotes, 2.3 assistências, 0.8 roubos de bola, 0.8 tocos, 2.1 erros de ataque, 44.8% de aproveitamento nos arremessos de quadra, 27.2% de acerto nos tiros de longa distância e 72.2% de conversão nos lances livres em cinco jogos disputados

Pontos fortes

– Langford possui perfil físico ideal para atuar nos perímetros da NBA: combina boa estatura e excelente envergadura (2.11m) em um corpo mais forte do que aparenta.

– É dono dos instintos e ímpeto ofensivos mais apurados do recrutamento. Foi um pontuador de elite em todos os níveis por onde passou e pode pressionar defesas com sua capacidade de arremessar, infiltrar e passar.

– Ótimo e criativo finalizador em torno do aro, ajudado pelos braços longos e um físico capaz de absorver contato. É coordenado e equilibrado ao atacar a cesta, além de já ter um floater bem desenvolvido.

– Tem capacidade comprovada de criar separação para defensores e pontuar saindo do drible. Desacelera e muda de direção com certa facilidade, sabe usar stepbacks e seus braços longos tornam seu arremesso difícil de contestar.  

– Bom reboteiro defensivo, inclusive enfrentando jogadores de garrafão, que mostra velocidade para “puxar” contra-ataques e iniciar o jogo de transição assim que pega o rebote.

– Seus mais de 70% de aproveitamento nos lances livres sugerem que pode ser um melhor arremessador do que aparentou na Indiana. Já mostrou bastante alcance no tiro e acertou 35% das tentativas de longa distância na carreira colegial.

– Trata-se de um passador em evolução e altruísta, que quer envolver os outros atletas. Exibe potencial, por reunir envergadura e capacidade de infiltração, para encontrar ângulos difíceis e passar em movimento.

– Langford é um defensor muito efetivo, comprometido e com uma compreensão clara da marcação na bola e coletiva. Possui fundamentos sólidos e bom senso de posicionamento, além de cobrir muito espaço.

– O perfil físico interessante permite que seja um marcador com versatilidade para lidar com diferentes tipos de alas – uma qualidade rara e crescentemente valiosa para times da liga.

– Em uma liga que explora qualquer fraqueza aparente de jogadores do oponente, Langford é um legítimo ala two-way – ou seja, com capacidade para ser eficiente dos dois lados da quadra. Isso não é tão comum de encontrar.

Pontos fracos

– Não se trata de um atleta de elite, explosivo ou rápido atravessando a quadra, mas sim de alguém que movimenta-se com fluidez, bem coordenado e com um subestimado trabalho de pernas.

– Tem a visível preferência de atacar e operar com a mão direita. Além disso, às vezes, passa a impressão de ter um controle de bola muito “frouxo” e deixar a bola longe demais do corpo.

– Ele não é um iniciador da ofensiva em potencial para situações de meia quadra. Embora seja um passador altruísta, a bola “para” em suas mãos por sua própria natureza como criador de arremessos.

– Criar arremessos para si mesmo, aliás, é uma das qualidades com transição mais incerta do basquete colegial e universitário para a NBA. Sem um controle de bola sólido e condição atlética, será que isso realmente vai se traduzir?

– A forma do arremesso de Langford é esquisita. A bola e o braço parecem bloquear seu campo de visão na hora de lançar em alguns momentos e falta-lhe um maior equilíbrio corporal (salta para frente e cai para os lados, constantemente).

– Não me parece que trate-se de um prospecto acostumado a fazer passes e tomar decisões com a rapidez que o basquete profissional exige. Gosta de ter a bola nas mãos e executar ao seu tempo.

– Pensando no jogo “espaçado” e adversários mais atléticos da NBA, sua capacidade defensiva pode ser menos influente pela falta de agilidade lateral. Não é um instintivo quebrador de linhas de passe.

– Há quem questione sua intensidade em quadra e paixão por competir. De fato, ele “desaparece” dos jogos em alguns momentos e pode deixar-se ficar marginalizado no time se não tiver sendo acionado ofensivamente.

– Langford pode ter problemas adaptando-se a um papel menor e ser coadjuvante entre os profissionais. Seu aproveitamento de arremesso na última temporada, por exemplo, foi melhor saindo do drible do que ao receber a bola posicionado.

Comparações: Evan Turner (Blazers) mais orientado para pontuação e Kentavious Caldwell-Pope (Lakers)

Projeção: Escolha de loteria (TOP 14)

Confira alguns lances de Romeo Langford

Legenda
freshman (primeiro ano universitário)

Ricardo Stabolito Jr.
Ricardo Stabolito Jr.
Jornalista de 27 anos. Natural de São Bernardo do Campo, mas vive em Salvador há mais de uma década.
  • Celso Cachali Jr

    É triste estes garotos…. este draft, tende a ser um dos piores.

    • Fora Abel PRAGA

      Eu nao consigo nem botar tanta fé no Zion.

      • Celso Cachali Jr

        No Ziom ate vejo e é o unico… mas depois dele nao vejo não Morant e Barret nao me inspiram confiança

        • felipe fernando Oliveira

          Morant é um BUST

          • Lucas Borges

            Previsão de draft tem que printar

  • Alex Alves

    Evan Turner é tenso demais rsrs.

    • Gustavo

      Já KCP é de boa… só que não.

  • Maicon Gomes

    Langford é bom, mas precisa desenvolver seu arremesso do perímetro, isso é essencial pra ele. Caso evolua nesse quesito, vai ser um jogador de bom nível na liga. É um cara que tem tudo pra virar um defensor muito bom, é bem ágil e atlético também.

    O meu sg favorito no draft é o Herro, depois do Culver, mas deve sair após a loteria. Vejo muito potencial ofensivo nele, fora que aparenta ser bom defensor também.