Prospecto do Draft 2019 – Tyler Herro

Tyler Herro

Idade: 19 anos
País: Estados Unidos
Universidade: Kentucky
Experiência: freshman
Posição: ala-armador
Altura: 6’6″ (1.98m)

Médias na última temporada: 32.6 minutos, 14.0 pontos, 4.5 rebotes, 2.5 assistências, 1.1 roubos de bola, 0.3 tocos, 1.6 erros de ataque, 46.2% de aproveitamento nos arremessos de quadra, 35.5% de acerto nos tiros de longa distância e 93.5% de conversão nos lances livres em 37 jogos disputados

Pontos fortes

– Herro possui sólida estatura para um ala-armador profissional e, no cenário de formações mais móveis da NBA, pode até atuar como ala pontualmente.

– Inteligente finalizador próximo da cesta em nível universitário, ambidestro e que apresenta um floater já consideravelmente desenvolvido.

– Seu controle de bola é seguro, embora possa ser mais refinado, o que sugere um possível potencial como ballhandler secundário no próximo nível.

– Não para de movimentar-se sem a posse da bola, exibindo instintos apurados em termos de posicionamento em quadra para espaçar a quadra.

– Trata-se de um arremessador de elite, como indica seus mais de 93% de acerto nos lances livres. É dono de uma compacta e rápida mecânica de lançamento.

– Pode chutar em movimento, inclusive, criando o próprio arremesso a partir do drible e saindo de bloqueios. O side step tornou-se uma marca registrada pessoal.

– Herro é um reboteiro muito sólido e participativo para um ala-armador, que tem a capacidade de iniciar o ataque rapidamente assim que pega a bola.

– Marcador que supera limitações físico-atlética com um entendimento superior da defesa coletiva e timing especial para quebrar linhas de passe.

– É um jogador seguro, cuja tomada de decisão costuma ser muito boa: distribuiu quase duas assistências por erro de ataque na NCAA e comete poucas faltas.

– Parece ser um role player bastante flexível e adaptável, consciente do que pode fazer. Seu excelente arremesso confere-lhe um “piso” sólido na NBA.

– Combinação de inteligência em quadra, técnica, instintos e trabalho de pés dá a entender que Herro é um jogador de basquete natural, mais do que um atleta.

Pontos fracos

– Os atributos físico-atléticos de Herro deixam a desejar: sua condição atlética não passa do nível adequado, registra envergadura menor do que a altura (1.91m) e, às vezes, o deslocamento pela quadra não parece tão fluido assim.

– A falta desses recursos limita o potencial do prospecto como finalizador em torno do aro na NBA, prejudicado ainda pelo fato de não mostrar grande capacidade de absorver contato e cavar faltas.

– Por mais que seja um grande arremessador, ele ainda tem problemas em termos de regularidade e seus braços curtos fazem com que seu tiro seja potencialmente fácil de ser contestado por atletas profissionais.

– Herro desenvolveu a capacidade de criar o próprio arremesso em meia quadra na NCAA, mas esse é um recurso de difícil tradução para o basquete profissional e que times da NBA já não valorizam como antes.

– Deixa a frustração tomar conta de suas ações quando vive más atuações: acelera o ritmo do jogo em demasia, “força” arremessos questionáveis e piora sua seleção de passes. Precisa de mais autocontrole.

– Não é difícil projetar a abordagem das equipes da NBA para marcá-lo: vão tirar seu arremesso de longa distância, desafiando sua capacidade de finalizar contra protetores de aro de elite.

– Lento lateralmente, Herro corre sérios riscos de ser exposto no lado defensivo da quadra na NBA. Suas limitações físico-atléticas devem colocá-lo em uma situação desfavorável na quadra espaçada da NBA;

– É um prospecto de mais virtudes consolidadas (arremesso, inteligência, instintos) do que upside – pode até desenvolver-se, mas a sua carreira irá tão longe quanto sua pontaria nas tentativas de quadra permitir.

Comparações: J.J. Redick (Sixers) e Nik Stauskas (Cavaliers)

Projeção: entre 10ª e 25ª escolhas geral

Confira alguns lances de Tyler Herro

Legenda
freshman (primeiro ano universitário)

 

Ricardo Stabolito Jr.
Ricardo Stabolito Jr.
Jornalista de 27 anos. Natural de São Bernardo do Campo, mas vive em Salvador há mais de uma década.