Prospecto do Draft 2020 – Abdoulaye N’Doye

Por Gabriel Andrade

Abdoulaye N’Doye

Idade: 22 anos
País: França
Time: Cholet Basket (França)
Posição: armador
Altura: 6’6,5” (1,99 m)
Envergadura: 7’2’’ (2,18 m)
Peso: 93 kg

Médias na última temporada: 10.2 pontos, 4.3 rebotes, 3.9 assistências, 1.2 roubo de bola, 0.4 toco, 2.1 desperdícios de bola, 52.2 % de aproveitamento nos arremessos de quadra, 42.9 % de aproveitamento nas bolas de três pontos, 75.0 % de aproveitamento nos lances livres, 30.8 minutos por jogo

Pontos fortes

– Medidas físicas impressionantes, com tamanho/envergadura de Kawhi Leonard, mas que joga como um armador. Desde que se tem histórico das medidas antropométricas de prospectos de Draft, é a maior envergadura já listada para um jogador da posição 1
– Forte, longo, alto e muito ágil, N’Doye já vem pronto fisicamente para o basquete da NBA. Seus atributos lhe concedem potencial para defender múltiplas posições no basquete profissional, de armadores até atletas de garrafão
– Causa impacto nas linhas de passe com seu comprimento, contesta chutes por trás, faz bom trabalho atravessando corta-luzes em pick and rolls e tem boa noção de como fazer a defesa Ice. Bastante desenvolvido defensivamente em diversos aspetos
– Boa noção de defesa de cobertura, capaz de entender os espaços na ajuda defensiva. Consegue contestar chutes em closeouts por conta de sua envergadura, além de mostrar agilidade lateral para manter o balanço quando obrigado a cobrir espaços muito longos
– Altruísta com a bola em mãos, entende seu papel como criador de jogadas e trabalha bem como playmaker, com destaque para a precisão de seus passes picados alimentando pivôs. Bom índice de assistências/turnovers, erra pouco.
– Vem dando bons passos em sua evolução ao longo de sua carreira, ficando melhor temporada atrás de temporada. Particularmente, sua evolução como arremessador é notável. Alguém que tinha médias na carreira abaixo 30% na linha de três pontos e 60% nos lances livres.
– Muito eficiente, não faz o que não sabe e entende seu papel, mentalidade de atleta de rotação que se doa para equipe e cumpre as ordens técnicas
– Titular de muitos minutos no basquete profissional, essencial para uma equipe de primeira divisão francesa. Já é um atleta experimentado em alto nível

Pontos fracos

– Trata-se de alguém bem rígido ofensivamente, que não possui um balanço natural em dribles, explosão do primeiro passo e flexibilidade como finalizador
– Seu jogo de arremessos após o drible é praticamente nulo, raramente arrisca arremessos de longa ou meia distância em pick and rolls ou saindo de bloqueios
– Falta refino para finalizações soft próximo ao aro, como floaters, bandejas no reverso ou em ângulos mais complicados. Depende um pouco da força para conseguir suas chances de pontuação
– Apesar da melhora nos aproveitamentos de chute, quase não arrisca (1.3 tentativas de 3 pontos em mais de 30 minutos por jogo), hesita mesma quando muito aberto, facilitando o trabalho da defesa e lhe fornecendo menos ângulos para infiltrações e passes
– Chamativo fisicamente, mas não em termos de explosão vertical, joga abaixo do aro em tráfego e não causa muito impacto como protetor de aro como último homem na defesa
– Altruísta ao ponto de lhe atrapalhar, poderia ser mais agressivo buscando o próprio arremesso
– Difícil projetá-lo como um armador principal na NBA com sua falta de criatividade e capacidade de pontuação, deverá atuar ao lado de jogadores mais agressivos e pontuadores ao seu lado
– Altruísta, mas não é um passador que enxerga as opções com muita antecedência e que manipula a defesa com maestria
– Seus limites técnicos e idade, como prospecto internacional automaticamente elegível, o tornam alguém mais projetado como jogador de rotação com menos potencial a ser explorado

Projeção: entre as escolhas 45 e 60

Comparações: Frank Ntilikina (New York Knicks) / Gary Payton II (Washington Wizards)

Confira alguns lances de Abdoulaye N’Doye