Xavier Tillman

 

Idade: 21 anos
País: Estados Unidos
Universidade: Michigan State
Experiência: junior (terceiro ano universitário)
Posições: pivô / ala-pivô
Altura: 6’8″ (2,03m)
Envergadura: 7’1″ (2,16m)
Peso: 111 kg

Médias na última temporada: 13.7 pontos, 10.3 rebotes, 3.0 assistências, 1.2 roubo de bola, 2.1 tocos, 2.0 desperdícios de bola, 55.0% de aproveitamento nos arremessos de quadra, 26.0% de aproveitamento nas bolas de três pontos, 66.7% de aproveitamento nos lances livres, 32.1 minutos por jogo

Pontos fortes

big man dotado de muita força física, com o corpo pronto para encarar o nível profissional
– grande finalizador ao redor da cesta (com ambas as mãos); não fogo do contato na área pintada, controle corporal elogiável, exibe um excelente trabalho de pés, destaque para sua eficiência nos spin moves, tem um ótimo toque para pontuar no low post (angariou um aproveitamento de 66% próximo à cesta)
– sólido cutter (jogador que se movimenta subitamente buscando uma melhor posição para finalizar)
– elevado QI de basquete nos dois lados da quadra; exibe leitura avançada das rotações defensivas (no perímetro e no garrafão), não força arremessos nem passes, sólido no pick-and-roll (seja como passador ou finalizador), tem um avançado senso de posicionamento, trabalha muito bem nos screens
– ótimo defensor; joga sempre com os braços (longos) elevados, destaca-se na defesa de ajuda e na marcação sem a bola, eficiente na antecipação das linhas de passe e exibe um ótimo timing para bloquear arremessos, eleito defensor do ano na Conferência Big Ten
– excelente passador; tem visão de jogo privilegiada e um bom controle de bola para um big man, tomada de decisões elogiável, sua habilidade como passador no short-roll chama a atenção, de longe, Tillman é o melhor pivô passador da classe deste ano
– reboteiro de elite; utiliza muito bem sua força física para brigar na área pintada e executa bem o box out, ativo nas duas tábuas
– mentalidade coletiva; grande competidor, atua sempre com muita disciplina, dedicação e em prol do time
– protótipo de role player; sabe atuar em um papel limitado, como ocorreu em Michigan State, em que não tinha muita participação ofensiva, mas que era fundamental para o sucesso coletivo do time, encaixe perfeito para um time recheado de bons arremessadores

Pontos fracos

– limitações atléticas; não é muito alto para um jogador da posição 5, não é muito móvel, ágil, para atuar como ala-pivô, não é explosivo e não se destaca como saltador
– não espaça tanto a quadra e não tem um arremesso de média e longa distância consistente (aproveitamento de apenas 21% nas situações de catch and shoot), precisa melhorar isso para garantir minutos na posição 4 na NBA atual, que cada vez mais prioriza espaçamento, arremessos do perímetro e formações baixas
– apenas mediano no post up
– problemas na mecânica de arremesso; a bola não sai rapidamente de suas mãos, a forma do arremesso é um pouco alongada e lenta
– tem dificuldades para defender no pick-and-roll por conta das limitações atléticas (agilidade lateral deixa a desejar, dificuldade na mudança de direções)
– oferece pouco upside

Comparações: Horace Grant (ex-Chicago Bulls) / Khem Birch (Orlando Magic)

Projeção: início de segunda rodada

Confira alguns lances de Xavier Tillman