Quem foi melhor: Allen Iverson ou Dwyane Wade?

“Quem é melhor?”

“Quem foi melhor?”

Essas frases já começaram muitas discussões sobre esportes. Não importa o momento histórico ou nível de jogadores, as comparações fazem parte do imaginário popular e são um dos exercícios mais fascinantes entre fãs e analistas. E, com a pausa da temporada da NBA, existe um melhor momento para retomarmos um de nossos quadros mais polêmicos? Retorna o “Quem é melhor?”!

Nessa primeira edição de retomada, vamos com uma comparação é entre dois dos melhores jogadores dos últimos anos: Allen Iverson e Dwyane Wade.

 

Allen Iverson

Posições: armador e ala-armador
Altura: 1,83
Peso: 74
Universidade: Georgetown
Draft: Philadelphia 76ers, primeira escolha em 1996
Temporadas: 15
All Star:
11

MVP: 1 (2000-01)
Finais: 1
Títulos: 0

Jogos  914
PPG 26.7 
RPG 3.7 
APG  6.2
SPG  2.2
BPG  0.2
TO PG  3.6
FG%  42.5
FT%  78.0
3P%  31.3

Allen Iverson foi um dos melhores jogadores que a NBA viu entre 1996 e 2010. Rapidamente, seu estilo de jogo agradou não só aos fãs do Philadelphia 76ers, mas também de boa parte da liga. Em quase 12 anos na primeira passagem pelo Sixers, Iverson foi cestinha da NBA em quatro oportunidades e foi o principal responsável por levar o time a uma final, em 2000-01, quando enfrentou o Los Angeles Lakers.

Naquela oportunidade, Iverson tinha ao seu lado o pivô Dikembe Mutombo como companheiro. Mutombo havia chegado em uma troca com o Atlanta Hawks e resolveu o problema da defesa no garrafão, mas Iverson precisava resolver, além da defesa do perímetro, boa parte do ataque. Nas finais, ele obteve médias de 35.6 pontos, 5.6 rebotes, 3.8 assistências e 1.8 roubada. No entanto, insuficientes para superar o time californiano de Shaquille O’Neal e Kobe Bryant.

Depois disso, o Sixers voltou aos playoffs algumas vezes, mas sem grande sucesso.

Em 2006-07, veio a troca para o Denver Nuggets. Lá, Iverson atuou ao lado de Carmelo Anthony, então um dos cestinhas da liga, Marcus Camby, um dos melhores defensores, além do brasileiro Nenê, que vivia boa fase na equipe do Colorado. Essa parceria com Anthony, entretanto, durou pouco. No início de 2008-09, ele foi negociado para o Detroit Pistons. Seu contrato expirou sem que o Pistons fizesse muita força para manter o atleta por lá e ele tornou-se agente livre. Fechou com o Memphis Grizzlies, mas teve problemas com o técnico Lionel Hollins, que via Mike Conley como titular na armação de um time que estava em reconstrução e, no futuro, virou um dos mais fortes no Oeste. Após três jogos, sempre na reserva, ele pediu para ser dispensado. Quinze dias depois, voltava ao Sixers para viver seus últimos momentos na NBA.

 

Dwyane Wade

Posições: armador e ala-armador
Altura: 1,93
Peso: 99
Universidade: Marquette
Draft: Miami Heat, quinta escolha em 1996
Temporadas: 16
All Star:
13

MVP das finais: 1 (2005-06)
Finais: 5
Títulos: 3

Jogos  1.054
PPG 22.0
RPG 4.7 
APG 5.4
SPG  1.5
BPG  0.8
TO PG  3.2
FG%  48.0
FT%  76.5
3P%  29.3

O draft de 2003 é considerado um dos melhores de todos os tempos da NBA. De uma vez só, LeBron James, Carmelo Anthony, Chris Bosh e Dwayne Wade, saíram naquele recrutamento. De cara, Wade foi alçado ao posto de um dos jogadores mais impactantes na liga. Campeão em seu terceiro ano na NBA, o camisa 3 foi protagonista do título contra o Dallas Mavericks, mesmo tendo ao seu lado o pivô Shaquille O’Neal, trocado pelo Los Angeles Lakers.

Em 2010, Wade foi o personagem central de uma “trama” para levar dois astros para o Miami Heat. Muito amigo de LeBron James, ele o convenceu a levar seus talentos para South Beach. Bosh deixou o Toronto Raptors e também foi para o Heat, formando um dos melhores trios da liga. Em quatro anos, a equipe foi para as finais em todos, vencendo dois títulos.

Em 2016-17, como agente livre, ele foi para o Chicago Bulls, para atuar na cidade onde nasceu. Em apenas uma temporada e sem grandes expectativas, ele pediu para ser dispensado em setembro de 2017. Na mesma semana, fechou com o Cleveland Cavaliers para atuar mais uma vez com James. Entretanto, sua permanência em Ohio foi curta e logo foi negociado para retornar ao Heat, onde encerrou a carreira em 2018-19.

 

Um contra um

Pontuação (20)*

Aqui Allen Iverson leva vantagem por ter sido o principal cestinha da liga em quatro oportunidades, contra uma de Dwyane Wade. Além disso, Iverson raramente teve alguém como companheiro de time para disputar a condição de cestinha. Wade jogou com Shaquille O’Neal, LeBron James e Chris Bosh.

Iverson passou boa parte da carreira como praticamente a única opção ofensiva do Philadelphia 76ers. Para se ter uma ideia, em seu primeiro ano, ele fez cinco jogos seguidos com pelo menos 40 pontos, atingindo 50 em uma oportunidade. Sua pontuação máxima foi 60, em 25 de fevereiro de 2005 diante do Orlando Magic. Wade atingiu 55. Nessa comparação, Iverson atingiu 50 pontos em 11 partidas, enquanto Wade o fez em três. Na média, Iverson teve 26.7 pontos. Wade, 22.0.

Resultado: Iverson, 20 a 17.

 

Rebotes (5)

Nenhum dos dois teve um grande histórico nos rebotes. Basta lembrar que ambos atuaram ao lado de grandes pivôs em suas carreiras e não “caçavam” estatísticas individuais. Mas Wade era melhor nesse quesito. Foram cinco temporadas com pelo menos cinco rebotes por jogo, incluindo uma de 6.4, em 2010-11. Iverson teve, em sua melhor campanha, 4.9 em 2008-09.

Resultado: Wade, 5 a 3.

 

Assistências (10)

Wade era o principal organizador de jogadas do Miami Heat antes da chegada de LeBron. Mas, mesmo antes, ele dividia essa responsabilidade com outros jogadores. Ele foi armador principal apenas em seu ano de estreia na liga e chegou a fazer 7.5 por jogo em duas temporadas, mesmo sendo ala-armador.

Já Iverson, sempre foi combo guard. Embora não fosse seu principal talento, ele foi superior, atingindo 7.0 passes decisivos ou mais em cinco anos. A melhor foi em 2004-05, com 7.9 por jogo.

Resultado: Iverson, 10 a 8.

 

Defesa (20)

Aqui Wade leva vantagem mais uma vez. O ex-jogador do Heat foi escolhido três vezes para o segundo time de defesa. Em suas nove primeiras temporadas, ele conseguiu manter média de pelo menos um toco por jogo em seis. Por mais que Iverson tenha obtido duas roubadas ou mais em 11 temporadas (Wade teve duas), seu defensive rating foi pior.

Resultado: Wade, 20 a 18.

 

Arremessos de três (10)

Lembre-se que naquela época, o arremesso de três era usado apenas como artifício e Iverson tinha um aproveitamento baixo, cerca de 31%, apesar do volume, mas Wade não foi nada melhor, com 29.3% e arremessando bem menos (1.874 contra 3.383 arremessos de longa distância de Iverson).

Claro que são outros tempos, que sem o arremesso de três, dificilmente um jogador de perímetro faz sucesso na liga. Mesmo não sendo muito eficiente, Iverson foi superior.

Resultado: Iverson, 10 a 9.

 

Cuidado com a bola (10)

Iverson cometia muitos erros por ser mais organizador de jogadas. Mas ambos chegaram a ter 4.4 erros de ataque em uma temporada. Vale ressaltar que Iverson teve, na carreira, 1.72 assistência para cada turnover, enquanto Wade fez 1.68. Por pouco, Iverson foi melhor.

Resultado: Iverson, 10 a 9.

 

Poder de decisão (15)

Estamos falando daquele último arremesso do jogo, que dá ao time a vitória. Aqui é um pouco mais complexo, pois jogos de playoffs são mais decisivos e, por isso, entram como parâmetro. Em temporada regular, Wade tem um número superior, mas na fase de mata-matas, poucos foram tão decisivos quanto Iverson.

Resultado: Iverson, 15 a 14.

 

Durabilidade (10)

Vamos ser sinceros: os dois desfalcaram seus times por curtos períodos em suas carreiras, mas Wade foi poupado em diversas ocasiões. Ambos exploraram ao máximo a parte física. Jogaram até onde conseguiram. Em algumas ocasiões, Iverson jogou com dedos fraturados, torções no tornozelo e no joelho. Chegou a sair de quadra para os vestiários, mas quase sempre retornava. Iverson deixou de atuar em 284 embates de possíveis 1.198, 76.3% de presença. Wade foi desfalque em 160 de possíveis 1.214, 86.8% das vezes em quadra.

Resutado: Wade, 10 a 8.

 

Final

Os números às vezes escondem detalhes importantes, como o impacto do jogador em uma determinada equipe, coisas que o box score não consegue avaliar. Wade foi campeão em três ocasiões, enquanto Iverson jamais obteve um título. Em geral, Wade teve companheiros bem melhores, mais importantes. Não que tenha sido “carregado”, mas não foi o principal nome dos dois títulos do Heat com James e Bosh.

Os dois tiveram carreiras diferentes, com caminhos diferentes. O estilo de jogo de um agrada a um número x de pessoas a mais que o outro, mas é difícil não considerar ambos entre os melhores dos últimos tempos.

Por mais que Wade tenha conseguido levar sua carreira mais adiante, Iverson poderia ter feito o mesmo por vários fatores, como practice, por exemplo.

Em quadra, o que realmente importa, Iverson foi ligeiramente melhor.

 Quesito  Iverson Wade
 Pontuação 20 17
 Rebotes 3 5
 Assistências 10 8
 Defesa 18 20
 Arremessos de três 10 9
 Cuidado com a bola 10 9
Poder de decisão  15  14
 Durabilidade 8 10
 Total 94 92 

*Pesos diferentes para cada tipo de comparação. Quando for com pivôs, rebotes valem 20, assim como se fossem armadores, as assistências valeriam 20.

Gustavo Freitas
Gustavo Freitas
Mineiro de Uberaba, é co-fundador do Jumper Brasil e fã do Boston Red Sox.