Revisão da temporada – Charlotte Hornets

Charlotte Hornets

Campanha: 39-43, 9° na conferência Leste – não se classificou
Técnico: James Borrego (49-63)
Executivo: Mitch Kupchak

J MP FG% 3P% FT% TRB AST STL BLK PTS/J
Kemba Walker 82 34.9 .434 .356 .844 4.4 5.9 1.2 0.4 25.6
Jeremy Lamb 79 28.5 .440 .348 .888 5.5 2.2 1.1 0.4 15.3
Marvin Williams 75 28.4 .422 .366 .767 5.4 1.2 0.9 0.8 10.1
Cody Zeller 49 25.4 .551 .273 .787 6.8 2.1 0.8 0.8 10.1
Tony Parker 56 17.9 .460 .255 .734 1.5 3.7 0.4 0.1 9.5
Nicolas Batum 75 31.4 .450 .389 .865 5.2 3.3 0.9 0.6 9.3
Malik Monk 73 17.2 .387 .330 .882 1.9 1.6 0.5 0.3 8.9
Frank Kaminsky 47 16.1 .463 .360 .738 3.5 1.3 0.3 0.3 8.6
Miles Bridges 80 21.2 .464 .325 .753 4.0 1.2 0.7 0.6 7.5
Dwayne Bacon 43 17.7 .475 .437 .739 2.1 1.1 0.3 0.1 7.3
Willy Hernangómez 58 14.0 .519 .385 .694 5.4 1.0 0.3 0.3 7.3
Michael Kidd-Gilchrist 64 18.4 .476 .340 .772 3.8 1.0 0.5 0.6 6.7
Devonte’ Graham 46 14.7 .343 .281 .761 1.4 2.6 0.5 0.0 4.7
Bismack Biyombo 54 14.5 .571 .637 4.6 0.6 0.2 0.8 4.4
J.P. Macura 2 8.5 .333 .000 1.5 1.0 0.0 0.0 3.0
Shelvin Mack 4 10.5 .143 .000 .556 0.5 0.3 0.5 0.0 2.3
Joe Chealey 1 8.0 .333 0.0 1.0 0.0 0.0 2.0

O Charlotte Hornets não se classifica para os playoffs desde 2015-16 e sofreu nas duas temporadas seguintes, com 36 vitórias em cada uma delas. Não melhorou muito em 2018-19, quando obteve 39 e o nono lugar na conferência Leste, mas era possível, minimamente, entender o que o time fazia em quadra. Kemba Walker era a resposta para tudo no ataque e, não por menos, ele atingiu suas melhores marcas da carreira e foi para o Jogo das Estrelas pelo terceiro ano seguido.

Mas Walker sozinho não conseguiria fazer muita coisa. Tony Parker, que chegou após brilhar por toda a carreira no San Antonio Spurs, era seu reserva de luxo. De resto, o grupo era basicamente o mesmo do ano anterior.

Após negociar Dwight Howard, a diretoria deu sinais de que daria mais tempo de quadra a Cody Zeller, Willy Hernangomez, Frank Kaminsky e Bismack Biyombo. Foi o que aconteceu. Não que o time tenha obtido sucesso com isso, mas o técnico James Borrego tratou de dar rodagem ao seu elenco.

O Hornets ficou de fora de mais um mata-mata, mesmo vencendo oito dos últimos 12 jogos, perdendo a última vaga para o Detroit Pistons, que somou dois triunfos a mais.

2019-20

 

Se era difícil com Kemba Walker, imagine sem o astro. O armador foi para o Boston Celtics, deixando uma lacuna a ser preenchida por Terry Rozier, ex-Celtics. Em um time sem grandes perspectivas, Rozier pode tomar o protagonismo imediatamente.

James Borrego já definiu que vai utilizar Miles Bridges como ala-pivô em 2019-20, deixando o veterano Marvin Williams no banco de reservas. Aliás, Borrego deverá privilegiar os jovens jogadores da franquia, como Malik Monk e Dwayne Bacon. Um dos dois será o substituto de Jeremy Lamb, que foi para o Indiana Pacers. Sem grandes reforços, essa será a tônica do Hornets.

Frank Kaminsky foi outro que partiu. O ala-pivô vai jogar no Phoenix Suns, o que deverá fazer com que Cody Zeller tenha mais protagonismo. Ou, no mínimo, mais espaço.

Dificilmente o time vai brigar por algo na próxima temporada. O modo de reconstrução foi ativado assim que Walker deixou a equipe.

Quem saiu

Kemba Walker (Boston Celtics)
Frank Kaminsky (Phoenix Suns)
Jeremy Lamb (Indiana Pacers)
Tony Parker (aposentou)

Quem chegou

P.J. Washington (calouro)
Caleb Martin (calouro)
Cody Martin (calouro)
Terry Rozier (Boston Celtics)

Provável time base

PG – Terry Rozier
SG – Dwayne Bacon
SF – Nicolas Batum
PF – Miles Bridges
C – Cody Zeller

Principais reservas: Malik Monk (SG, PG), Marvin Williams (PF), Bismack Biyombo (C), P.J. Washington (PF), Michael Kidd-Gilchrist (SF)
Classificação: não. Só não. É reconstrução pura.