Revisão da temporada – Indiana Pacers

Apr 29, 2016; Indianapolis, IN, USA; Indiana Pacers forward Paul George (13) celebrates with center Myles Turner (33) and guard Ty Lawson (10) against the Toronto Raptors during the second half in game six of the first round of the 2016 NBA Playoffs at Bankers Life Fieldhouse. The Pacers won 101-83. Mandatory Credit: Brian Spurlock-USA TODAY Sports

Indiana Pacers (42-40)

Temporada regular: 7º lugar da conferência Leste
Playoffs:
Eliminado na primeira rodada para o Cleveland Cavaliers em quatro jogos
MVP da campanha:
Paul George (23.7 pontos, 6.6 rebotes, 3.3 assistências, 46.1% de aproveitamento nos arremessos de quadra e 39.3% nos arremessos de três)

Pontos positivos

– Depois de sofrer com lesões Paul George teve um ótimo ano. Assumiu o protagonismo da equipe e a conduziu à pós-temporada. Apesar de ter sido muito duro com os companheiros e ter expressado a vontade de sair de Indiana, sem o ala a equipe não teria chegado onde chegou.

– Myles Turner melhorou todos os aspectos do seu jogo. O segundanista elevou seus números em todas as estatísticas e teve algumas atuações dignas de um All-star. Espera-se que com a saída de Paul George ele tenha mais espaço e se torne o pivô que Indiana precisa.

– Lance Stephenson voltou à equipe no fim da temporada e teve boas atuações. Liderou o banco de reservas e deu trabalho para os adversários. Com um contrato de aproximadamente quatro milhões de dólares pelos próximos dois anos, o ala-armador pode ser útil no atual momento de rebuild em Indiana. 

Pontos negativos

– Não era esperado que o Pacers eliminasse o Cleveland Cavaliers, mas a história poderia ser outra se o time conseguisse executar melhor as jogadas nos fins das partidas. Houve momentos em que Indiana tinha chances claras de conseguir a vitória mas tudo desmoronava dentro de quadra. Dois ou três arremessos que caíssem, três jogadas defensivas  bem feitas e a pós-temporada poderia ter sido diferente.

– Assim como já havia sido no ano anterior, a irregularidade foi o grande problema durante o ano. Em alguns jogos o time jogava como quem pudesse vencer qualquer um na liga, mas em outros atuava com desinteresse e desorganização.

– Eliminado dos playoffs e com o principal astro querendo sair, Indiana partiu para uma reconstrução estranha. Negociou Paul George por Victor Oladipo e Domantas Sabonis mesmo tendo ofertas melhores, porém de times da mesma conferência, na mesa.

– Após 13 anos como presidente de operações, Larry Bird abandonou o cargo e será apenas conselheiro da equipe. A posição, a princípio será ocupada por Chad Buchanan ex-assistente de operações do Charlotte Hornets.

Análise

Em uma conferência onde a única certeza é o Cleveland Cavaliers, era esperado que o Pacers, saudável, e com Paul George liderando, chegasse mais longe. A sétima colocação na temporada regular os colocou justamente contra os Cavs, e a mesma irregularidade que os deixou nessa situação, eliminou a equipe na primeira rodada dos playoffs.

O trio formado por Jeff Teague, George e Myles Turner teve um ano de muitos altos e baixos. Ora eram exibições dignas de all-stars, ora não se encontravam em quadra. Faltou entrosamento e mais trabalho em equipe. Ficou claro durante alguns jogos que os atletas não confiavam plenamente uns nos outros, o que levava a declarações duras na imprensa, sempre procurando um culpado.

A eliminação precoce culminou na saída de Larry Bird da presidência. Quem assumiu interinamente foi Kevin Pritchard, que logo negociou Paul George e colocou uma interrogação no futuro de Indiana. Para tentar reorganizar a franquia, Chad Buchanan, ex-assistente de operações do Charlotte Hornets foi contratado.

Futuro

Saíram Paul George e Jeff Teague para a chegada de Victor Oladipo, Domantas Sabonis, Bojan Bogdanovic, Darren Collison e Corey Joseph. Se com o talento de George Indiana sofreu para se classificar à pós-temporada, sem o ala o time deve lutar pelas primeiras escolhas do Draft.

O que conforta os torcedores do Pacers é que, em uma conferência tão fraca e imprevisível quanto a Leste, tudo é possível. De um modo ou de outro, este ano será utilizado para desenvolver os jovens da equipe. Myles Turner deverá ser a primeira opção de Nate McMillan no ataque. Glenn Robinson III também ganha mais minutos e Lance Stephenson tentará recuperar o basquete que apresentou anos atrás com o mesmo uniforme.

Com ou sem playoffs, Indiana deve terminar o ano melhor do que como está começando. Pronta para recrutar um universitário nas primeiras escolhas, ou com planos em mente para o futuro elenco, dependendo do desempenho dos jogadores. No momento, o futuro não está claro e o Pacers não tem uma direção certa a seguir. As respostas para franquia e torcida deve vir ao longo da próxima temporada.