Revisão da temporada – New Orleans Hornets

New Orleans Hornets

Todos os números

Resultado final: foi eliminado na primeira rodada dos playoffs, derrotado pelo Los Angeles Lakers por 4 a 2 
Temporada regular: 46-36, 3° na divisão Sudoeste, 7° na conferência Oeste
Maior invencibilidade: 10 jogos, entre 9 e 26 de janeiro
Maior jejum de vitórias: 4 jogos, entre 2 e 9 de fevereiro
Média de público como mandante: 14.709 pessoas (86.1% da capacidade)
Maior salário: Chris Paul, $ 14.940.000 dólares
Pontos por jogo: 94.9 (27°)
Pontos sofridos por jogo: 94.0 (5°)
Rebotes por jogo: 39.3 (28°)
Assistências por jogo: 21.2 (16°)
Bloqueios por jogo: 4.8 (14°)
Roubadas de bola por jogo: 6.1 (30°)
Erros de ataque por jogo: 13.7 (18°)
Porcentagem de arremessos convertidos: 45.7% (17°)
Porcentagem de lances livres convertidos: 77.0% (10°)
Porcentagem de arremessos de três pontos convertidos: 35.7% (19°)
Maior pontuação: 121, contra o Utah Jazz, no dia 24 de março
Menor pontuação: 70, contra o Philadelphia 76ers, no dia 12 de dezembro
Maior pontuação sofrida: 121, contra o Dallas Mavericks, no dia 13 de abril
Menor pontuação sofrida: 59, contra o Atlanta Hawks, no dia 21 de janeiro
Maior cestinha em um jogo: 34 pontos, David West contra o Cleveland Cavaliers, no dia 19 de novembro
Maior reboteiro em um jogo: 17 rebotes, David West contra o Orlando Magic, no dia 11 de fevereiro; e Emeka Okafor contra o Indiana Pacers, no dia de 3 de abril
Maior assistente em um jogo: 19 assistências, Chris Paul contra o Miami Heat, no dia 5 de novembro

Ginásio: New Orleans Arena (capacidade para 17.083 pessoas)
Técnico: Monty Williams (uma temporada, 46-36)

Movimentações no elenco

8 de julho de 2010: recebeu as escolhas 21 (Craig Brackins) e 26 (Quincy Pondexter) do draft, do Oklahoma City Thunder, em troca da escolha 11 (Cole Aldrich) e Morris Peterson

11 de agosto de 2010: recebeu Trevor Ariza, do Houston Rockets, em uma troca que ainda envolveu o Indiana Pacers e o New Jersey Nets. Na mesma negociação, cedeu Darren Collison e James Posey ao Pacers

11 de agosto de 2010: recebeu Marco Belinelli, do Toronto Raptors, em troca de Julian Wright

11 de agosto de 2010: recebeu Jerryd Bayless, do Portland Trail Blazers, em troca de uma futura escolha de primeira rodada do draft

23 de setembro de 2010: recebeu Willie Green e Jason Smith, do Philadelphia 76ers, em troca de Craig Brackins e Darius Songaila

20 de novembro de 2010: recebeu Jarrett Jack, David Andersen e Marcus Banks, do Toronto Raptors, em troca de Jerryd Bayless e Peja Stojakovic

23 de fevereiro de 2010: recebeu Carl Landry, do Sacramento Kings, em troca de Marcus Thornton e considerações em dinheiro

Assinou com Aaron Gray como agente livre

A temporada

O New Orleans Hornets foi um dos times mais ativos durante a offseason e promoveu várias mudanças no elenco, além de contratar um novo treinador. Monty Williams, que era assistente de Nate McMillan, no Portland Trail Blazers, firmou contrato de três anos com o Hornets. O time de New Orleans teve um começo arrasador, vencendo 11 dos 12 primeiros jogos da temporada. Em apenas uma dessas partidas, a equipe sofreu mais de 100 pontos. Parecia que a mentalidade defensiva implantada por Williams faria com que o Hornets alcançasse voos mais altos. No entanto, ao longo da temporada, a equipe caiu de produção e obteve apenas a sétima posição na conferência Oeste. Para piorar, o ala-pivô David West, cestinha do time, sofreu uma grave lesão no joelho esquerdo, no final de março, e perdeu o restante da temporada. Mesmo desfalcado de West, mas contando com um Chris Paul inspirado, o Hornets complicou a série playoff contra o bicampeão Los Angeles Lakers. O time de New Orleans venceu a primeira partida da série, em Los Angeles, mas sucumbiu por 4 a 2.

O draft 2011

Não teve escolhas no recrutamento deste ano

O perímetro

Mesmo sem conseguir o excelente rendimento das últimas três temporadas, o armador Chris Paul novamente foi o maestro do Hornets em quadra. Com ótimo desempenho na parte defensiva, ele ainda ajudou o ala-pivô David West a ser o cestinha da equipe (muito graças ao pick and roll feito por eles) e distribuiu bem o jogo. Paul foi selecionado para o seu quarto All-Star Game na carreira e mostrou que continua sendo um dos melhores, se não o melhor, armador da NBA. Nos playoffs, ele praticamente levou o Hornets “nas costas” na série contra o Los Angeles Lakers.

Os outros jogadores do perímetro do Hornets foram contratados durante a offseason. O melhor deles foi o ala Trevor Ariza, um dos grandes defensores de perímetro na NBA. Ele só pecou no baixo aproveitamento nos arremessos de quadra (39.8). O italiano Marco Belinelli, melhor arremessador de longa distância da equipe, teve altos e baixos na temporada. Ele dividiu minutos com o irregular Willie Green e com o jovem Marcus Thornton, trocado em fevereiro para o Sacramento Kings, após o técnico Monty Williams perder a paciência com a sua falta de aplicação defensiva. O armador Jarrett Jack, contratado junto ao Toronto Raptors, mostrou novamente que é mais arremessador do que passador. A rotação da equipe perdeu muito com a saída de Darren Collison.

O garrafão

A dupla do garrafão formada por David West e Emeka Okafor teve um bom desempenho na temporada, principalmente o primeiro. West foi o cestinha da equipe e conseguiu um bom aproveitamento nos arremessos (50.8%). Para azar dele e do Hornets, o jogador sofreu uma grave lesão no joelho, no final de março, e perdeu o restante da temporada. Okafor foi um bom complemento para West, já que é um pivô de características defensivas. Em sua segunda temporada pelo time de New Orleans, ele fez bem o seu papel na fase regular, mas foi mal nos playoffs. Suas médias caíram de 10.4 pontos, 9.5 rebotes e 1.8 tocos para 7.3 pontos, 5.5 rebotes e 1.0 tocos.

Contratado para ser o principal pontuador vindo do banco, o ala-pivô Carl Landry teve um bom desempenho, principalmente quando assumiu a titularidade após a lesão de West. Na fase regular, suas médias foram de 11.8 pontos e 4.1 rebotes, em 26 minutos em quadra. Nos playoffs, elas subiram para 15.8 pontos e 5.0 rebotes, em 35 minutos em quadra. Os outros jogadores de garrafão do Hornets são tão fracos que nem merecem ser citados.

Análise geral

Após um começo de temporada avassalador, o New Orleans Hornets caiu na real. Com um elenco limitado (banco de reservas de baixo nível), a equipe se classificou para os playoffs na sétima colocação. Mais uma vez, a dupla Chris Paul e David West mostrou que se entende muito bem. Trevor Ariza e Emeka Okafor foram muito bem na defesa, diga-se de passagem. Porém, o restante do elenco é fraco. Em fevereiro, a direção da equipe ainda trouxe Carl Landry para reforçar o banco de reservas, mas isso não foi o suficiente. No final da temporada, Landry virou titular após a lesão de West e o banco de reservas ficou à míngua. Por tudo isso, vale dizer que o técnico Monty Williams fez um belo trabalho, logo em seu primeiro ano à frente da equipe. Com um elenco mais qualificado em mãos, ele pode levar o Hornets às “cabeças” no Oeste. O primeiro passo é manter a dupla Chris Paul e David West. O armador pode optar por sair de seu último ano de contrato ao final da próxima temporada. O ala-pivô já fez isso no mês passado e decidiu que vai testar o mercado. Sem West no elenco, vai ser difícil manter Chris Paul. A direção do Hornets promete fazer de tudo para que a dupla continue por muitos anos na equipe.

Titulares

PG: Chris Paul – 15.9 pontos, 4.1 rebotes,  9.8 assistências, 2.4 roubadas de bola e 87.8% de aproveitamento nos lances livres
SG: Marco Belinelli – 10.5 pontos e 41.4% de aproveitamento nas bolas de três pontos
SF: Trevor Ariza – 11.0 pontos, 5.4 rebotes e 1.6 roubadas de bola
PF: David West – 18.9 pontos, 7.6 rebotes e 50.8% de aproveitamento nos arremessos
C: Emeka Okafor – 10.4 pontos, 9.5 rebotes, 1.8 tocos e 57.3% de aproveitamento nos arremessos

Principais reservas

PG/SG: Jarrett Jack – 8.5 pontos, 2.6 assistências
SG/SF: Willie Green – 8.7 pontos, 2.1 rebotes
PF: Carl Landry – 11.8 pontos, 4.1 rebotes
PF/C: Jason Smith – 4.3 pontos, 3.1 rebotes
C: Aaron Gray – 3.2 pontos, 4.2 rebotes

Gustavo Lima
Gustavo Lima
Jornalista graduado pela UFMG e pós-graduado em Produção em Mídias Digitais pela PUC-MG. Natural de Ipatinga e residente em BH. Editor do Jumper Brasil desde 2007. Acompanha a NBA desde 1993. Torcedor do Phoenix Suns, mas adepto da imparcialidade.