Revisão da temporada – New Orleans Pelicans

 

New Orleans Pelicans

Campanha: 33-49, 13° colocado na conferência Oeste; não se classificou
Técnicos: Alvin Gentry
Executivos: Dell Demps, Danny Ferry

G MP FG% 3P% FT% TRB AST STL BLK PTS/G
Jrue Holiday 67 35.9 .472 .325 .768 5.0 7.7 1.6 0.8 21.2
Anthony Davis 56 33.0 .517 .331 .794 12.0 3.9 1.6 2.4 25.9
Julius Randle 73 30.6 .524 .344 .731 8.7 3.1 0.7 0.6 21.4
Elfrid Payton 42 29.8 .434 .314 .743 5.2 7.6 1.0 0.4 10.6
Nikola Mirotić 32 28.9 .447 .368 .842 8.3 1.1 0.7 0.8 16.7
E’Twaun Moore 53 27.6 .481 .432 .763 2.4 1.9 0.8 0.2 11.9
Darius Miller 69 25.5 .390 .365 .789 1.9 2.1 0.6 0.3 8.2
Christian Wood 8 23.6 .533 .286 .756 7.9 0.8 0.9 1.3 16.9
Kenrich Williams 46 23.5 .384 .333 .684 4.8 1.8 1.0 0.4 6.1
Solomon Hill 44 20.0 .382 .317 .719 3.0 1.3 0.5 0.2 4.3
Tim Frazier 47 19.3 .451 .351 .780 2.9 4.4 0.5 0.1 5.0
Frank Jackson 61 19.2 .434 .314 .740 2.2 1.1 0.4 0.0 8.1
Ian Clark 60 16.2 .394 .327 .892 1.5 1.6 0.4 0.1 6.7
Jahlil Okafor 59 15.8 .586 .200 .663 4.7 0.7 0.3 0.7 8.2
Wesley Johnson 26 14.5 .398 .380 .667 2.1 0.6 0.5 0.3 3.7
Cheick Diallo 64 14.0 .620 .250 .746 5.2 0.5 0.5 0.5 6.0
Dairis Bertāns 12 13.9 .255 .294 0.8 0.8 0.1 0.0 2.8
Stanley Johnson 18 13.7 .418 .324 .692 2.3 1.6 0.7 0.1 5.3
Jason Smith 2 10.0 .222 .286 1.000 2.0 0.5 0.0 0.0 4.0
Andrew Harrison 6 6.3 .250 .200 .500 0.8 1.2 0.0 0.0 1.5

O New Orleans Pelicans fez uma temporada bem abaixo do esperado. E isso pode ser explicado, em partes, pela indecisão da diretoria quanto ao ala-pivô Anthony Davis. Tudo foi complicado desde o início e as diretorias de Los Angeles Lakers e Pelicans tiveram muitos problemas nos bastidores. Davis acabou ficando, embora algumas propostas do Lakers tenham sido boas o bastante.

Mas o fato de Davis ficar fez com que o Pelicans o “punisse” com a perda de espaço, tempo de quadra e, até mesmo, preponderância perante o elenco. Enquanto isso, o treinador Alvin Gentry resolveu apostar suas fichas em jogadores que queriam ficar, como Jrue Holiday e o surpreendente Jahili Okafor.

Terceira escolha do draft de 2015, o ex-jogador do Philadelphia 76ers só começou a aparecer após os problemas de Davis. E ele correspondeu, mesmo com tempo de quadra limitado. Okafor obteve 11.6 pontos e 7.2 rebotes em cerca de 21 minutos em fevereiro e, em abril, ele fez 18.0 pontos e 8.5 rebotes em quase 30 minutos. Ou seja, produziu quando deram espaço a ele.

Julius Randle assumiu parte do protagonismo após a diminuição do tempo de quadra de Davis e foi um dos principais destaques da equipe, enquanto Elfrid Payton se contundiu (e posteriormente deixou a equipe ao fim da temporada) e Nikola Mirotic foi negociado com o Milwaukee Bucks.

Foi mesmo uma temporada de testes para saber quem poderia permanecer no elenco, no fim das contas. Sem qualquer perspectiva, o time apostou no tank e garantiu a primeira escolha do draft.

2019-20

Podemos dizer que a temporada 2018-19 do New Orleans Pelicans foi marcada, estritamente, pelos problemas envolvendo o ala-pivô Anthony Davis. O astro, que chegou a pedir para ser trocado, foi envolvido em um imbróglio entre as diretorias do Los Angeles Lakers e do próprio Pelicans. O negócio se arrastou por semanas até que, após diversas negativas e exposições dos jogadores que supostamente fariam parte da troca, o Lakers desistiu de continuar conversando.

Deu certo.

Ao fim da temporada, Davis finalmente foi negociado para o Lakers. Chegaram Lonzo Ball, Brandon Ingram e Josh Hart. Além deles, o time se reforçou com Derrick Favors, ex-Utah Jazz, o especialista em arremessos de longa distância, JJ Redick, que estava no Philadelphia 76ers e, claro, com a primeira escolha no draft, o explosivo Zion Williamson.

Tudo bem. Perder Davis tem um impacto enorme para qualquer franquia, mas o Pelicans ganhou muita qualidade tanto na troca, como na agência livre e no draft. O time tinha um elenco de fraco para mediano e, agora, mesmo sem um dos melhores atletas da liga, possui um grupo bem mais encorpado, cheio de opções.

Jrue Holiday segue na equipe e, agora, com a chegada de Ball, vai continuar atuando como ala-armador em princípio, ganhando alguns minutos na armação.

O garrafão não deve ser uma grande preocupação. Jaxson Hayes, oitava escolha do recrutamento, pode ganhar tempo de quadra, mas a temporada deve ser mais de aprendizado. Jahlil Okafor e Favors deverão disputar a vaga para pivô, enquanto Williamson tem sua titularidade garantida logo de início.

Contratado para ser o principal arremessador do time, Redick provavelmente sairá do banco de reservas como uma das principais opções ofensivas da segunda unidade. E’Twaun Moore e Hart vão brigar por tempo de quadra, enquanto Ingram fará parte do quinteto inicial na ala, enquanto o italiano Nicolo Melli pode aparecer.

O Pelicans vem para brigar por playoffs. Ainda não pelo título, como sugeriu Williamson recentemente. O time carece de testes, apesar de o técnico Alvin Gentry estar rodeado de talentos.

Quem saiu

Anthony Davis (Los Angeles Lakers)
Ian Clark (agente livre)
Cheick Diallo (Phoenix Suns)
Solomon Hill (Memphis Grizzlies)
Stanley Johnson (Toronto Raptors)
Elfrid Payton (New York Knicks)

Quem chegou

Zion Williamson (calouro)
Jaxson Hayes (calouro)
Nickeil Alexander-Walker (calouro)
JJ Redick (Philadelphia 76ers)
Marco Melli (calouro)
Josh Hart (Los Angeles Lakers)
Brandon Ingram (Los Angeles Lakers)
Lonzo Ball (Los Angeles Lakers)

Provável time base

PG – Lonzo Ball
SG – Jrue Holiday
SF – Brandon Ingram
PF – Zion Williamson
C – Derrick Favors

Principais reservas:  Jaxson Hayes (PF), JJ Redick (SG),  E’Twaun Moore (SG), Jahlil Okafor (C)

Classificação: o grupo é muito talentoso e já pode brigar por playoffs em 2019-20. A tendência é que consiga beliscar uma vaga com foco em cima de Zion Williamson.

Gustavo Freitas
Gustavo Freitas
Mineiro de Uberaba, é co-fundador do Jumper Brasil e fã do Boston Red Sox.