Revisão da temporada – New York Knicks

New York Knicks

Todos os números

Resultado final: foi eliminado na primeira rodada dos playoffs, derrotado pelo Boston Celtics por 4 a 0
Temporada regular: 42-40, 3° na divisão do Atlântico, 6° na conferência Leste
Maior invencibilidade: 8 jogos, entre 28 de novembro e 12 de dezembro
Maior jejum de vitórias: 6 jogos, entre 7 e 16 de novembro, entre 12 e 22 de janeiro, entre 18 e 26 de março
Média de público como mandante: 19.728  pessoas (99.8% da capacidade)
Maior salário: Carmelo Anthony, $ 17.149.000 dólares
Pontos por jogo: 106.5 (2°)
Pontos sofridos por jogo: 105.7 (28°)
Rebotes por jogo: 40.5 (20°)
Assistências por jogo:  21.4 (15°)
Bloqueios por jogo: 5.8 (4°)
Roubadas de bola por jogo: 7.6 (8°)
Erros de ataque por jogo: 13.7 (10°)
Porcentagem de arremessos convertidos: 45.7% (19°)
Porcentagem de lances livres convertidos: 80.9% (2°)
Porcentagem de arremessos de três pontos convertidos: 36.8% (8°)
Maior pontuação: 131, contra o Utah Jazz, no dia 7 de março, e contra o Toronto Raptors, no dia 5 de abril
Menor pontuação: 80, contra o Milwaukee Bucks, no dia 9 de novembro
Maior pontuação sofrida: 131, contra o Utah Jazz, no dia 12 de janeiro
Menor pontuação sofrida: 79, contra o Atlanta Hawks , no dia 6 de março
Maior cestinha em um jogo: 42 pontos, Carmelo Anthony contra o Boston Celtics, no dia 19 de abril
Maior reboteiro em um jogo: 17 rebotes, Carmelo Anthony contra o Boston Celtics, no dia 19 de abril
Maior assistente em um jogo: 11 assistências, Toney Douglas contra o Detroit Pistons, no dia 18 de março

Ginásio: Madison Square Garden (capacidade para 19.763 pessoas)
Técnico: Mike D’Antoni (três temporadas, 103-143)

Movimentações no elenco

9 de julho de 2010: recebeu Anthony Randolph, Kelenna Azubuike, Ronny Turiaf e considerações em dinheiro do Golden State Warriors em troca de David Lee (sign and trade)

9 de julho de 2010: recebeu Amare Stoudemire do Phoenix Suns em troca de uma futura escolha de segunda rodada do draft (sign and trade)

22 de fevereiro de 2011: recebeu Carmelo Anthony, Chauncey Billups, Anthony Carter, Renaldo Balkman e Shelden Williams do Denver Nuggets em troca de Danilo Gallinari, Raymond Felton, Wilson Chandler, Timofey Mozgov, uma futura escolha de primeira rodada do draft, duas futuras escolhas de segunda rodada e considerações em dinheiro

22 de fevereiro de 2011: recebeu Corey Brewer do Minnesota Timberwolves em troca de Eddy Curry, Anthony Randolph e considerações em dinheiro

Assinou com Amare Stoudemire, Raymond Felton, Timofey Mozgov, Roger Mason, Shawne Williams, Derrick Brown e Jared Jeffries como agentes livres

A temporada

Depois de fiascos nas últimas seis temporadas, o New York Knicks voltou aos playoffs em 2010/2011. No terceiro ano à frente do time, o técnico Mike D’Antoni teve nas mãos uma equipe mais qualificada, após as chegadas de Amare Stoudemire, Carmelo Anthony e Chauncey Billups. Com o seu tradicional estilo de jogo run and gun, D’Antoni levou o Knicks à sexta melhor campanha da conferência Leste. A equipe teve o segundo melhor ataque da temporada, mas em contrapartida foi a terceira defesa mais vazada. Na pós-temporada, o time de Nova York não foi páreo para o Boston Celtics e sucumbiu em quatro partidas. O Knicks, foi prejudicado, na série, pelas lesões de Billups e Stoudemire.

O draft 2011

Selecionou o armador Iman Shumpert (Georgia Tech) na escolha 17 e o pivô Josh Harrellson (Kentucky) na escolha 45

O perímetro

No início da temporada, Raymond Felton, Landry Fields, Toney Douglas, Danilo Gallinari e Wilson Chandler faziam parte da rotação do perímetro do Knicks. Depois da mega troca com o Denver Nuggets, em fevereiro, apenas Douglas e Fields permaneceram no elenco. O primeiro foi o melhor reserva da equipe, trazendo mais agressividade e vitalidade ofensiva. Já Fields, em sua primeira temporada na NBA, foi uma grata surpresa. Apesar de não ser muito atlético, ele mostrou qualidade em pegar rebotes e ao arremessar de longa distância. Seu bom desempenho fez com que fosse escolhido para o time ideal de novatos. E olha que Fields foi apenas a 39a escolha do draft de 2010.

Após a troca com o Nuggets, o novo armador foi o veterano Chauncey Billups (34 anos) e o titular da ala foi Carmelo Anthony. Billups trouxe mais experiência à equipe e Anthony foi o pontuador que faltava para dividir o peso ofensivo com Amare Stoudemire. Para azar do Knicks, o armador atuou apenas na primeira partida da série contra o Celtics por causa de uma lesão. Sem Billups e com Stoudemire “baleado”, Anthony levou o time nas costas nas partidas contra o time de Boston. Ele terminou a temporada como o principal cestinha da equipe.

O garrafão

Contratado na intertemporada para ser o grande astro da equipe, o ala-pivô Amare Stoudemire foi soberano no garrafão do Knicks. Principal cestinha do time, antes da chegada de Anthony, ele teve atuações dignas de um MVP. Ao lado de Melo, Stoudemire fez uma das melhores duplas ofensivas da Liga. O problema é que, no garrafão, faltou outro jogador de qualidade. Ronny Turiaf tem potencial defensivo, mas é irregular no ataque e se machuca muito. Os outros pivôs da equipe (Shelden Williams e Jared Jeffries), contratados no meio da temporada, não adicionaram nada à rotação do time. Não há dúvidas de que o Knicks sofreu muito com essa falta de complemento no garrafão para Stoudemire. 

Análise geral

O  New York Knicks vinha de uma sequência de fracassos, causados em grande parte pela desastrosa atuação de Isiah Thomas à frente da equipe como técnico e dirigente. Com a chegada de Donnie Walsh (dirigente) e Mike D’Antoni (técnico), há três temporadas, o Knicks deu início a um processo de reformulação do elenco. O primeiro passo foi flexibilizar a folha salarial da equipe, o que só foi alcançado na última temporada. Com a “casa limpa”, a franquia teve condições de assinar com um grande astro na intertemporada. O escolhido foi Amare Stoudemire, um dos melhores jogadores de garrafão da NBA. Ao longo da temporada, o jovem time do Knicks até que vinha bem, mas era preciso algo a mais. O “upgrade” necessário veio com a chegada de Carmelo Anthony e Chauncey Billups. Para isso, o time se desfez de jovens talentosos como Raymond Felton, Wilson Chandler e Danilo Gallinari. Com duas estrelas no elenco – Stoudemire e Melo – e um armador veterano que já foi campeão da NBA – Billups -, o núcleo do Knicks se consolidou. O problema é que o restante do elenco não ajudou. Apenas os jovens Toney Douglas e Landry Fields contribuíram na rotação da equipe. Faltou um pivô de mais qualidade e um outro ala de bom nível no banco.

Outro aspecto que merece ser analisado é o estilo de jogo do Knicks. O técnico Mike D’Antoni não abre mão do run and gun, esquema que privilegia o ataque. Não precisa ser nenhum expert para saber que, sem uma defesa sólida, nenhuma equipe vai chegar a uma final de NBA. O time de Nova York tem muita força no ataque e uma defesa que é uma peneira. D’Antoni sabe que a próxima temporada será decisiva para seu futuro na franquia. No último ano de contrato, o treinador quer levar o Knicks a alcançar voos maiores e salvar seu emprego. Pressionado, ele já dá mostras de que vai tentar melhorar a defesa da equipe. No draft deste ano, o time novaiorquino selecionou o armador Iman Shumpert, considerado um dos melhores defensores de perímetro na NCAA. Além disso, D’Antoni aprovou a ideia da direção da franquia de contratar um assistente para trabalhar especificamente com a defesa. Para deixar o “elenco nos cascos”, o Knicks precisa de um pivô de qualidade (que defenda!) e de um ala experiente que seja bom defensor e arremessador. Talento no ataque, o time já mostrou que tem. Falta melhorar a defesa para sonhar, quem sabe, com uma final de conferência.

O torcedor – Júlio Aragão

No início da temporada 2010-2011, a palavra de ordem na Big Apple era só uma: playoffs. Após desastrosas temporadas sob o comando do até então técnico e gerente de operações, Isiah Thomas, uma nova era se iniciava em 2008, quando ele deixou a equipe debaixo de muito protesto por parte dos torcedores. Donnie Walsh assumiu a gerência da equipe e Mike D’Antoni o comando técnico. A reconstrução do plantel era iminente, uma vez que o grupo novaiorquino de jogadores estava recheado de péssimos contratos e com o teto salarial seriamente comprometido. Foi necessário “sacrificar” duas temporadas para que a reconstrução pudesse, de fato, acontecer. E assim foi. Em 2008/2009 e 2009/2010, o Knicks não se classificou para os playoffs, conforme esperado. No entanto, com seus fanáticos torcedores acostumados a grandes decisões na história da Liga, a frustração foi imediata ao término da última temporada.

Em meio a toda essa desordem, David Lee ia se consagrando como principal jogador da equipe. Em 2009, ele alcançou recordes notáveis com atuações monstruosas, o que lhe rendeu – com justiça – uma vaga no All-Star Game, o que não acontecia pelo Knicks desde 2001, quando Allan Houston e Latrell Sprewell figuraram no jogo das estrelas. David Lee, o double-double guy, como fora carinhosamente apelidado, impressionou a todos quando obteve seu primeiro triple-double (pelo menos dois dígitos em três fundamentos) da carreira, contra o Golden State Warriors, cravando a incrível marca de 37 pontos, 20 rebotes e dez assistências. Foi o primeiro jogador desde Kareem Abdul-Jabbar a alcançar tal feito. Ao final da temporada, David Lee se tornou agente livre irrestrito.

Em 2011, o Knicks abdicou de David Lee para poder por fim aos péssimos contratos que “sugavam” a folha salarial da equipe. Sem esperar pela decisão de LeBron James na free agency, o Knicks assinou com Amare Stoudemire, que se tornaria o principal nome da equipe, já que LeBron optou por levar seu talento para South Beach, Miami.

O New York Knicks estava determinado a fazer uma boa temporada e Amare tratou logo de apresentar seu cartão de visitas, no início da competição, com atuações sólidas e convincentes que, segundo alguns jornalistas, eram dignas de MVP. O Knicks melhorou muito com relação à última temporada com Amare no time. Os coadjuvantes Danilo Gallinari, Wilson Chandler e, em especial, Raymond Felton, vinham fazendo uma boa temporada. No entanto, era nítida a necessidade da adição de um segundo All-Star na equipe para jogar ao lado de Amare Stoudemire. Com a trade deadline se aproximando, o ala Carmelo Anthony, que havia sido alvo de muitos rumores e boatos sobre sua saída do Denver Nuggets, foi negociado para o Knicks junto com o veterano armador Chauncey Billups. Em troca, o Knicks cedeu Wilson Chandler, Danilo Gallinari, Raymond Felton, o novato Timofey Mozgov e futuras escolhas de draft. Ambas as equipes corrigiram falhas e aperfeiçoaram seus jogos, rumando para os playoffs.

O Knicks, porém, teve pouca sorte e enfrentou o Celtics na primeira rodada, equipe que o time de Mike D’Antoni não conseguiu vencer durante toda a temporada regular. Era um jogo de opostos, em que a força defensiva e experiência dos veteranos de Boston triunfaram sobre o atleticismo e a ofensividade do Knicks, somando-se, ainda, ao péssimo esquema de jogo do qual Mike D’Antoni é adepto: o run and gun. A equipe novaiorquina estava fora da briga pelo título. No sistema de jogo de D’Antoni, como já é de conhecimento de todos, inexiste a defesa. É por isso que muitos torcedores já exigem sua saída. Em contrapartida, para fazer justiça ao Knicks, é bom deixar registrado que, no primeiro jogo da série, Chauncey Billups se machucou e não voltou mais. Amare Stoudemire jogou apenas 12 minutos no jogo 2 devido a uma lesão nas costas, o que o invalidou pelo resto da série. Carmelo Anthony ficou sobrecarregado e pouco pôde fazer para evitar a prematura eliminação do Knicks nos playoffs.

Fazendo uma recapitulação mais acurada e equilibrada, pode-se concluir que o ano de 2011 foi bastante positivo e preenchido com referências históricas e quebra de recordes:

– Toney Douglas se tornou o jogador da história da franquia com mais bolas de três pontos convertidas em uma só partida: 9 em 12 tentativas.
– Maior número de vitórias na temporada regular desde 2000/2001, com 40 vitórias, superando a marca anterior de 39 triunfos.
– Maior número de novatos iniciando um jogo de estreia de temporada como titulares: dois (Timofey Mozgov e Landry Fields).
– Melhor início de temporada (16-9) desde 2000/2001, conseguindo, ainda, obter 13 vitórias em 14 jogos.
– Amare Stoudemire bateu o recorde da franquia ao fazer 30 ou mais pontos em nove jogos consecutivos. O recorde anterior era de Willie Naulls, obtido em 1962.
– Desde 2000/2001, o Knicks não conseguia um recorde positivo de vitórias até o All-Star Weekend.

Titulares

PG: Chauncey Billups – 17.5 pontos, 3.1 rebotes,  5.5 assistências e 90.2% de aproveitamento nos lances livres
SG: Landry Fields – 9.7 pontos e 6.4 rebotes
SF: Carmelo Anthony – 26.3 pontos,  6.7 rebotes, 3.0 assistências e 42.4% de aproveitamento nas bolas de três pontos
PF: Amare Stoudemire – 25.3 pontos, 8.2 rebotes, 1.9 tocos e 50.2% de aproveitamento nos arremessos
C: Ronny Turiaf – 4.2 pontos, 3.2 rebotes e 1.1 tocos

Principais reservas

PG: Anthony Carter – 4.4 pontos e 2.3 assistências
PG/SG: Toney Douglas – 10.6 pontos, 3.0 rebotes, 3.0 assistências e 1.1 roubadas de bola
SG/SF: Bill Walker – 4.9 pontos
SF/PF: Shawne Williams – 7.1 pontos, 3.7 rebotes e 40.1% de aproveitamento nas bolas de três pontos
PF/C: Jared Jeffries – 2.0 pontos e 3.4 rebotes
PF/C: Shelden Williams – 3.9 pontos e 2.9 rebotes

Gustavo Lima
Gustavo Lima
Jornalista graduado pela UFMG e pós-graduado em Produção em Mídias Digitais pela PUC-MG. Natural de Ipatinga e residente em BH. Editor do Jumper Brasil desde 2007. Acompanha a NBA desde 1993. Torcedor do Phoenix Suns, mas adepto da imparcialidade.
  • Julio Zago

    Concordo plenamente com a análise aqui prostrada. O Knicks é um time de letal poder ofensivo, porém desastroso na defesa, e esta falta de equilíbrio certamente comprometerá a equipe no seu objetivo de ser campeã, para isso uma maior homogeneidade entre defesa e ataque se fazem necessários. Com um técnico específico para este intuito e com um pivô que complemente Amare no garrafão, será um sério candidato. Acho que, a ambição de Amare e de Carmelo de se tornarem lendas em NY, e o entendimento de Mike de que é preciso defender para ganhar, serão determinantes para se prever até onde esta equipe poderá chegar na próxima temporada.