Rumornelli: Mercado da NBA esquenta perto da abertura de trocas

O dia 15 de dezembro se aproxima e, nessa data, os contratos assinados na última offseason passam a ser negociáveis. Essa data é conhecida informalmente no mercado da NBA como a abertura do período de trocas, já que, historicamente, é a partir daí que as grandes negociações começam. Comentamos os principais rumores para ficar de olho neste começo.

Kevin Love para Portland parece uma grande ideia, até você pensar sobre isso

Não é de hoje que se especula sobre uma troca de Kevin Love para o Portland Trail Blazers. O atleta foi criado na região do Oregon e possui laços com a comunidade, além de ser um excelente complemento para Damian Lillard e C.J McCollum. Love também está insatisfeito com o time de jovens atletas montado ao seu redor no Cleveland Cavaliers, e gostaria de ser negociado para um time mais veterano. Portland também tem grandes contratos expirantes, escolhas de Draft e jovens atletas para oferecer num pacote que agradaria ao Cavs. Falando assim, parece só uma questão de pegar o telefone e fazer a troca, certo? Pois bem, analisando mais de perto, essa negociação traz outras implicações para o Blazers que podem complicar a franquia no médio prazo.

O primeiro ponto é financeiro. Portland tem Hassan Whiteside (US$ 27 milhões) e Kent Bazemore (US$ 19 milhões) em grandes contratos expirantes, que são moedas de troca atrativas para qualquer franquia. Entretanto, o time também está acima do patamar da luxury tax para esta temporada, pelo valor de US$ 12 milhões. Nenhuma franquia gosta de pagar esta multa, ainda mais com um time que não tem sido competitivo. Os times têm até o final da temporada para reduzir a folha de pagamento e baixar este patamar, e por isso o Blazers teria poucos incentivos para trocar contratos expirantes por atletas que tenham vínculos mais longos, especialmente por alguém como Love, que tem mais de US$ 120 milhões por receber até o final de seu contrato, em 2023.

Seguindo adiante, a segunda questão é técnica. Love é um excelente jogador, mas cujos melhores dias já ficaram para trás. Defesa nunca foi seu forte, e é a principal carência do Blazers. John Collins pode estar fora da temporada, mas o Blazers já indicou que vê nele o futuro do time na posição de ala-pivô, o que não poderia acontecer com Love no elenco. Além disso, Jusuf Nurkic volta de lesão apenas em fevereiro e deve ter uma recuperação lenta, como é o histórico de jogadores com esta lesão. Com isso, apesar de todas as críticas que Whiteside corretamente recebe, o Blazers não pode trocá-lo sem receber outro pivô em troca, e como na maioria dos cenários de troca por Love ele teria que estar presente (pelo salário), o negócio parece ainda mais distante. Por fim, Love também tiraria minutos de Carmelo Anthony, que queira ou não se encaixou bem no time e entrega boa produção ofensiva. Love seria um upgrade sobre Anthony na posição, mas seu salário é quase dez vezes maior. Será que vale a diferença?

Gallinari e Morris viram alvos

Diante de tudo isso, num segundo momento, já surgiram rumores de que o Trail Blazers estaria mais interessado em Danilo Gallinari (Kevin O’Connor – The Ringer). O italiano, que fez a melhor temporada da carreira no ano passado, pelo Los Angeles Clippers, foi adquirido pelo Oklahoma City Thunder como contrapeso na troca que enviou Paul George a Los Angeles. Em plena reconstrução, OKC deseja trocar os veteranos do time, e Gallinari é um dos que mais deve receber interesse no mercado. O versátil ala tem imenso poderio ofensivo, colaborando com arremessos e criação de jogadas em nível muito alto. Também é um atleta muito inteligente e bom de vestiário, o que faz com que muitos times tenham interesse. O Blazers está de olho nisso, e acompanha a situação com interesse. O problema é que Gallinari também é um contrato expirante, no valor de US$ 22 milhões, então o incentivo para OKC trocá-lo teria que ser maior do que receber apenas outro expirante, e viria na forma de escolhas de Draft ou jovens atletas.

Além dele, outro jogador do mesmo perfil que surge no mercado de trocas é Marcus Morris (Timothy Rapp – Bleacher Report). Fortíssimo na defesa e nos arremessos, o atleta vem fazendo boa temporada pelo New York Knicks. Com contrato de apenas um ano e salário de US$ 15 milhões, o Knicks sabe que Morris vai querer ser recompensando pela boa performance na renovação e deseja aproveitar a boa fase para conseguir algum ativo em troca. Morris é valioso para a maioria dos candidatos a título da NBA, e pode despertar muito interesse de times de playoffs. Além do Blazers, o Dallas Mavericks é outro time que examina o mercado em busca de um jogador com este perfil, e pode fazer uma oferta. O time tem como bons ativos o contrato expirante de Courtney Lee e uma escolha de segundo round no Draft do Golden State Warriors, que promete ser uma das primeiras desta etapa do recrutamento.

Liquidação em Cleveland?

Além de Kevin Love, outros veteranos estariam interessados em deixar o Cavs. De acordo com Sam Amico (Sports Illustrated), Jordan Clarkson e Tristan Thompson foram nomes que apareceram em especulações ao longo da semana. Apesar disso, assim como Portland, o Cavs tem uma folha de pagamento alta, na casa de US$ 131 milhões, e a verdade é que precisa de seus contratos expirantes para aliviar este número. Somados, Clarkson e Thompson removem mais de US$ 30 milhões da folha do Cavs ao terem seus contratos encerrados no final da atual temporada, então o time precisaria receber boa compensação para liberá-los numa operação que tire um pouco de seu alívio financeiro ao final do ano. No caso de ambos, caso a insatisfação permaneça, um buyout também é um caminho provável após o encerramento do mercado de trocas, em fevereiro.

Becky Hammond no Knicks?

Becky Hammond tem sido uma das melhores assistentes da liga nos últimos anos, e durante algum tempo já se especula que ela seria a sucessora de Gregg Popovich no comando do San Antonio Spurs, tornando-a a primeira treinadora de um time da NBA. Apesar disso, um mal estar se criou no começo da temporada quando Popovich foi expulso de uma partida e nomeou o estreante Tim Duncan como responsável pelo time durante sua ausência, passando por cima da mais veterana Hammond. Isso pode ter feito com que a destacada treinadora passasse a olhar mais para outras opções, e vê com bons olhos a chance de assumir o New York Knicks, que recentemente demitiu o técnico David Fizdale. Segundo Jabari Young (CNBC), Hammond vê com entusiasmo a chance de treinar um time de um grande mercado como New York, e estaria disposta a conversar sobre a vaga caso um contrato longo e garantido lhe fosse oferecido.

Alerta em Atlanta?

Numa NBA em que cada vez mais cedo os atletas são cobrados para vencer e exigem trocas muito antes do final de seus contatos, os times não têm mais o luxo de se reconstruir ao longo do tempo. O Atlanta Hawks está sentindo esta premissa teórica se tornar uma realidade diante de seus olhos. O segundanista Trae Young, que desde sua estreia tomou as rédeas do time, tem se mostrado bastante frustrado com a campanha do time e a falta de boas opções no elenco. Recentemente, segundo Shams Charania (The Athletic) ele teria protagonizado um episódio bastante emotivo no vestiário do Hawks após uma derrota para o Brooklyn Nets, que na época marcava o 11º revés em 12 partidas. Young é frequentemente comparado com Luka Doncic por causa da troca entre eles no Draft de 2018, e a ascensão de Doncic no Dallas Mavericks como uma das estrelas da NBA certamente tem colocado mais pressão sobre o armador do Hawks. Um dos membros da diretoria da equipe de Atlanta teria prometido ao atleta que em breve fariam transações buscando mais ajuda para ele, então vale monitorar esta situação de perto.