Rumornelli – Semana 6

Warriors: fumaça ou fogo?

O grande assunto da semana foi, é claro, a briga no Golden State Warriors. Kevin Durant e Draymond Green “trocaram gentilezas” após Green desperdiçar a última posse de bola do tempo regulamentar da partida contra o Los Angeles Clippers, que o Warriors viria a perder na prorrogação.

A história já foi contada várias vezes. Durant teria cobrado Green por não lhe passar a bola no último segundo, ao passo que Green teria respondido que o Warriors já venceu sem Durant, desafiando o astro a ir embora ao final desta temporada, em que é agente livre. Isso tudo somado a palavras de baixo calão de ambos os lados.

O fato é que a agência livre de Durant tem sido um dos grandes assuntos da liga antes mesmo da temporada começar. Não tinha como não afetar o vestiário do Warriors, especialmente com a expectativa crescente de que ele realmente pretende ir embora. Para Green, a situação é ainda mais delicada. Ele é agente livre no ano que vem, e com Durant e Klay Thompson podendo receber novos contratos nesta offseason, na hipótese de ambos renovarem com o Warriors, o time não poderia dar ao dinâmico defensor um contrato da grandeza que ele espera.

O time vem patinando e perdeu as três das últimas quatro partidas. Steve Kerr vem sentindo falta do lesionado Stephen Curry, tanto dentro de quadra quanto no vestiário. Talvez com o retorno do líder do time as coisas se acalmem, mas definitivamente existe um problema que Kerr e a diretoria precisarão contornar para alcançar seu terceiro título em quatro temporadas.

Times e jogadores no mercado

Um efeito colateral da troca de Jimmy Butler para o Philadelphia 76ers foi o vazamento, nos dias seguintes, das ofertas que o Minnesota Timberwolves tinha como opção e recusou, preferindo fazer negócio com o Sixers.

De acordo com Shams Charania (The Athletic), pelo menos três times ofereceram pacotes expressivos ao Wolves, em alguns casos com mais de uma opção:

New Orleans Pelicans: Nikola Mirotic e uma escolha de primeiro round

Houston Rockets: Eric Gordon, Nenê e duas escolhas de primeiro round ou Brandon Knight, Marquesse Chriss e quatro escolhas de primeiro round

Miami Heat: Goran Dragic, Justise Winslow e uma escolha de primeiro round ou Josh Richardson e uma escolha de primeiro round.

O que chama atenção é o fato de que todos os pacotes continham pelo menos uma escolha de primeiro round, e o Wolves só recebeu uma escolha de segundo round do Sixers. Mas o que realmente importa é saber que estes times estão dispostos a fazer negócio com estes jogadores e escolhas. Caso algum outro All-Star comece a ser mencionado no mercado de trocas, sem dúvidas estes pacotes estarão nas discussões. Isso, é claro, sem contar que o próprio Goran Dragic, oferecido pelo Miami Heat, foi All-Star na temporada passada.

Wizards: próximo a trocar um astro?

Enquanto isso, em Washington, o Wizards vai mal e pode ser justamente o próximo time a colocar um All-Star no mercado. O Minnesota Timberwolves teria tentado explorar uma troca de Bradley Beal por Jimmy Butler, mas foi recusado pelo Wizards. Apesar da negativa em envolver Beal, para surpresa do Wolves, o time da capital dos EUA teria dado sinais que poderia trocar John Wall ou Otto Porter Jr.

Com um elenco já mais veterano e desempenho abaixo do esperado, o Wizards poderia tentar tomar o caminho da reconstrução. Para a próxima temporada, o time já tem quase US$ 120 milhões em salários garantidos (com um teto salarial estimado em torno de US$ 110 milhões). Pior: esta soma toda é devida a apenas sete jogadores. O Supermax de John Wall começa a valer e o atleta ganhará US$ 38 milhões em 2019-20. Já Otto Porter Jr. receberá mais de US$ 27 milhões. Com salários altíssimos e rendimento abaixo deste patamar de vencimentos, será difícil o Wizards trocar os dois por alívio financeiro imediato, mas o fato é que o time não está rendendo e isso deve acabar forçando a mão da diretoria. A situação em Washington promete novos capítulos no decorrer da temporada.

Carmelo Anthony: triste fim?

Com a oficialização da intenção de desligar Carmelo Anthony do time, o Houston Rockets passa a buscar uma reorganização de sua rotação. Já Anthony, por sua vez, precisa buscar uma oportunidade de seguir em frente. Aos 34 anos, ele está em situação complicada. Nas últimas temporadas ele passou por um processo de muito desgaste em sua saída do New York Knicks, uma campanha muito abaixo da crítica com o Oklahoma City Thunder e uma passagem relâmpago pelo Houston Rockets.

Do Thunder para o Rockets, Carmelo até mudou de postura, tentando jogar mais coletivamente, mas não conseguiu os resultados esperados. Apesar disso, sua imagem continua ruim, e para isso contribui uma rejeição que boa parte da mídia especializada sempre manifestou por ele.

Com saídas conturbadas de Denver Nuggets e NY Knicks, ele fechou as portas para uma “turnê de despedida”, como é comum com muitos astros, nos times onde teve maior destaque na carreira. Agora, Anthony está em situação complicada: precisa achar uma situação aceitável para pelo menos tentar encerrar sua carreira com lembranças mais positivas. Ele é, afinal, um jogador que certamente estará no Hall da Fama do Basquete. Seria péssimo vê-lo encerrar sua trajetória na NBA desta forma.

As propostas e especulações são poucas. A seleção de Porto Rico fez um aceno e ofereceu para que ele jogue pelo país, já que se aposentou da seleção dos EUA, mas esta possibilidade é um delírio. O Los Angeles Lakers, do amigo LeBron James, está com muitos alas na rotação. Times como o Miami Heat poderiam ter interesse, mas Josh Richardson está em excelente fase ascendente, e a presença de Melo poderia ofuscar a temporada de despedida de Dwyane Wade. O Portland Trail Blazers é um time que já tentou adquiri-lo junto ao Knicks e depois tentou contratá-lo quando assinou com o Rockets, mas para o atleta seria um encaixe ruim, pois a situação é parecida com Houston: os jogadores do backcourt dominam a bola.

Times como o Detroit Pistons, New Orleans Pelicans e Charlotte Hornets poderiam ser opções com algum apelo. Todos são equipes brigando por playoffs precisando de reforço nas alas. Mesmo assim, a moral de Carmelo Anthony está muito baixa na NBA, e por enquanto nenhuma equipe mostrou interesse concreto. Nenhum atleta desta estatura deveria terminar a carreira num momento tão em baixa, mas infelizmente esta é uma possibilidade que, pelo menos hoje, ele não pode afastar.

Por Ricardo Romanelli