Rumornelli – Semana 7

Liquidação em Washington

Não seria possível começar a coluna sem comentar o assunto do momento no mercado de trocas: a liquidação que o Washington Wizards estaria disposto a fazer. Com um elenco caro, que rende pouco e não se entende, o Wizards está pronto para a seguir adiante. A grande pergunta é: alguém topa?

John Wall, Bradley Beal e Otto Porter Jr. são os principais ativos da franquia no mercado de trocas, mas todos são atletas com contratos difíceis de serem movidos. A partir do ano que vem, começa o primeiro ano da extensão Supermax de John Wall, onde ele passa a ser pago US$ 39 milhões na primeira temporada e vai tendo aumentos sucessivos até atingir o patamar de US$ 47 milhões em 2023, ano em que o contrato se encerra e que o atleta terá 33 anos de idade.

Além do contrato absurdo, Wall ainda vê contra si suspeitas de que não será um jogador longevo na NBA, por sua dependência excessiva do físico para conseguir atuar em alto nível. Além de tudo isso, ele é visto como o principal problema do vestiário em Washington, e qualquer time que pensasse em trocar por ele levaria isso em conta. Para ajudar, ele tem um trade kicker em seu contrato. Este tipo de cláusula estabelece uma espécie de multa que o time é obrigado a pagar na forma de salário adicional para o jogador em caso de troca. No caso de Wall, este valor chega a US$ 20 milhões adicionais.

Por tudo isso, é extremamente improvável que o Wizards consiga trocar John Wall, a não ser que seja num negócio ruim onde a franquia absorva muito salário em troca.

Otto Porter Jr. também é um problema. Uma vez visto como um dos grandes jogadores em evolução na NBA, parece ter estacionado em seu processo de amadurecimento. Aos 25 anos, já não impressiona mais ao redor da liga, e vem fazendo uma temporada pior do que as anteriores. Seu contrato de US$ 28 milhões anuais, no entanto, vai até 2021, e o “tiro curto” pode encorajar algum time a apostar nele.

Bradley Beal é, provavelmente, o jogador que atrai mais atenção no mercado. Aos 25 anos e em ascensão, o jovem All-Star é um pontuador competente e um companheiro de time bem visto ao redor da liga. Deve ser por ele que o Wizards vai receber as melhores ofertas, mas a não ser que o troquem por contratos expirantes consideráveis e bons ativos de Draft ou jogadores jovens, seria uma troca sem muito sentido, presumindo que não conseguissem trocar os outros atletas. Beal é o jogador que o Wizards menos gostaria de trocar de seu trio de contratos máximos (e o mais barato também, ganhando pouco mais de US$ 27 milhões), então se ele for o trocado, é porque o time não conseguiu nenhuma oferta minimamente viável pelos outros dois.

A situação em Washington só piora e notícias de brigas no vestiário e nos treinos têm aumentado. O Wizards deve se mexer no mercado, e novas especulações são esperadas para as próximas semanas.

Portland atrás de mais uma peça

Falando em possíveis destinos para Otto Porter Jr., o Portland Trail Blazers é um dos interessados no atleta. Fazendo grande campanha no Oeste após a decepcionante varrida no primeiro round dos playoffs no ano passado, o time estaria decidido a adicionar mais um jogador de impacto ao núcleo duro de Damian Lillard, C.J McCollum e Jusuf Nurkic. O Blazers estaria atrás de um ala mais dinâmico do que as opções que tem hoje, para ajudar o sistema ofensivo a ficar mais imprevisível e confundir as defesas adversárias. Hoje, os times se planejam para marcar o backcourt de Lillard e McCollum com certa simplicidade, deixando o jogo muito mais difícil para eles.

Além de Porter, atletas como Taurean Prince, do Atlanta Hawks, e Nicolas Batum (ex-Blazers), do Charlotte Hornets, estariam na mira. As peças disponíveis para troca neste tipo de negócio seriam, em princípio, todos os jogadores do elenco que não se chamam Lillard, McCollum, Nurkic ou Zach Collins. Em caso de falha no mercado de trocas, a franquia estaria disposta a pensar sobre a possibilidade de assinar com Carmelo Anthony, quando ele finalmente se desligar do Houston Rockets.

Markelle Fultz

Em mais de 15 anos que acompanho a NBA de perto, não me lembro de ter visto um caso tão estranho como o de Markelle Fultz. No meio de tantos boatos e teorias sobre o que haveria de errado com o jogador, é possível chegar num consenso mínimo: existe algo errado com ele e as partes envolvidas sabem mais do que estão falando.

Não é normal ele ter estes tipos de espasmos e movimentos estranhos com o ombro quando arremessa ou se aquece, como é possível ver em vídeos que se tornaram virais. Também não acredito em problema mental ou de confiança, como alguns, pois há momentos em que ele mostra todo seu talento, como por exemplo em algumas enterradas espetaculares que fez nesta temporada, ou passes muito difíceis que se tornam bonitas assistências.

A tese de que o ombro dele nunca ficou inteiramente curado é a que faz mais sentido. Não dá pra esquecer que Joel Embiid levou três anos para ser curado pela equipe médica do Philadelphia 76ers, e que Ben Simmons também demorou mais do que o esperado para retornar após perder sua temporada inteira de calouro com lesão no pé. Agora mesmo, o calouro Zhaire Smith também se recupera de lesão sem informações certas sobre seu retorno. Parece, e repito, apenas parece, que há algum problema com o departamento médico do Sixers. Por isso, o agente de Fultz resolveu tirá-lo do olho do furacão e fez com que ele fosse a um especialista em New York para nova avaliação. Caso se confirme algum problema, ele deve buscar uma troca para seu atleta.

Com apenas 20 anos de idade, Fultz ainda é um jogador de muito potencial, que mostrou muito talento em sua única temporada pelo Washington Huskies, na NCAA. O time que resolver apostar nele, caso seja realmente trocado, pode ter um excelente retorno caso consiga resolver qualquer que seja o problema. Um dos primeiros nomes ventilados é o de Josh Jackson, ala do Phoenix Suns, que precisa desesperadamente de um armador. No entanto, apesar de muitos capítulos, essa novela parece longe de terminar.

Por Ricardo Romanelli