“Se fosse dezembro, Blake Griffin não estaria jogando”, admite técnico do Pistons

A concorrência por uma vaga nos playoffs está ficando cada vez mais dramática para o Detroit Pistons. A franquia, que parecia assegurada na pós-temporada, perdeu as últimas quatro partidas e caiu para a oitava posição do Leste – sendo pressionada por Miami Heat e Charlotte Hornets. Diante da situação, o astro Blake Griffin vem ignorando lesão no joelho esquerdo e atua “no sacrifício”.

“Blake não está 100% fisicamente, mas vem fazendo o que pode. Nós precisamos dele e agradecemos seu esforço atual. Mesmo que não esteja arremessando bem, sua capacidade de iniciar o ataque e os bloqueios são bem importantes. Ele ainda oferece bastante, mas, se fosse dezembro, provavelmente não estaria jogando”, admitiu o técnico Dwane Casey, após a derrota da equipe para o Hornets.

Griffin sofreu uma entorse no joelho em um treino da equipe e, desde então, luta contra dores no local para atuar. Ele ficou fora de três das últimas cinco partidas disputadas pelo time por conta da situação e tem sido visto constantemente com sacos de gelo enquanto não está em quadra. A situação pode parecer até crítica, mas o ala-pivô faz questão de minimizar seu esforço em prol do coletivo.

“Todos estão limitados fisicamente agora, sentindo alguma dorzinha aqui e ali. Meu trabalho é entrar em quadra, superar isso e dar tudo o que posso. É o momento de respirar fundo e fazer o que for preciso pelo time. Não importa como esteja e quão pouco possa ser, todos têm que dar o que tiverem guardado agora para chegarmos ao nosso objetivo”, afirmou Griffin, rejeitando crédito pelo sacrifício.