“Se tiver uma oportunidade, eu posso voltar a ser all-star”, garante Isaiah Thomas

Isaiah Thomas viveu um dos momentos mais emocionantes de sua carreira nesta segunda-feira, ao ser homenageado pelo Boston Celtics em sua primeira visita ao time onde chegou a ser um all-star na NBA. O armador escreveu uma história marcante na franquia, até realizando partidas de playoffs em luto pela morte da irmã. Para alguém constantemente subestimado, que sempre buscou respeito e reconhecimento, ele encontrou tudo o que sonhava na equipe de Massachussets.

“Eu sinto-me em casa em Boston. Passei por um drama real aqui com a morte da minha irmã. Foi o pior momento da minha vida e sinto que essa organização, essa cidade esteve ao meu lado para que eu pudesse superar a dor. Todos viveram isso comigo. O amor sempre esteve aqui e, por isso, Boston significa tanto para mim”, contou o jogador de 30 anos, que recebeu um vídeo-tributo especial e uma longa sessão de aplausos de pé da torcida no TD Garden.

A trajetória de Thomas não terminou da forma como todos os envolvidos poderiam imaginar: ele foi (surpreendentemente) trocado com o Cleveland Cavaliers, em um “pacote” pelo astro Kyrie Irving, enquanto recuperava-se de grave lesão no quadril. O armador seria trocado novamente meses mais tarde e teria que realizar mais uma cirurgia na região e, buscando revitalizar a carreira, chegou ao Denver Nuggets na última offseason.

“Eu só quero uma verdadeira chance de jogar. Não importa em que função, sei que posso retornar a atuar em alto nível. Se tiver uma oportunidade, posso voltar a ser all-star e eleito para quintetos ideais da liga. Sei disso. Posso garantir isso, porque estou fisicamente bem e preparado para tirar completa vantagem do que receber”, garantiu o confiante veterano, que teve breve passagem pelo Los Angeles Lakers antes de chegar à equipe do Colorado.

A escolha pelo Nuggets aconteceu, majoritariamente, pela presença do técnico Mike Malone – com quem já havia trabalhado anteriormente e foi muito atuante em seu recrutamento nas férias. No entanto, até agora, a parceria não vingou e o treinador já retirou Thomas da rotação. Então, a tal reviravolta não vai vir, certo? O próprio treinador já aprendeu a não duvidar de um dos seus comandados favoritos.

“A razão para ter retirado Isaiah da rotação é que o time não está bem. Dizer que a equipe não está bem por causa de Isaiah seria uma injustiça. Sinceramente, eu não sei se ele conseguirá voltar a ser aquele atleta dos tempos de Boston. Só direi uma coisa: se alguém pode fazer uma volta por cima dessas, é esse cara. Seu coração, determinação e confiança são incomparáveis”, avisou um esperançoso Malone.

Ricardo Stabolito Jr.
Ricardo Stabolito Jr.
Jornalista de 27 anos. Natural de São Bernardo do Campo, mas vive em Salvador há mais de uma década.