Stan Van Gundy nega rancor e lamenta derrocada de Dwight Howard: “Loucura”

Dwight Howard viveu o melhor momento da carreira ao lado do Stan Van Gundy. A parceria entre os dois, porém, passou longe de acabar em uma nota alta: o pivô supostamente pediu para que o treinador fosse demitido no final de sua passagem pelo Orlando Magic. Seria bem compreensível que ele celebrasse a derrocada do atleta de 32 anos, mas, sem rancor, só consegue lamentar a situação.

“Tudo o que acontece com Dwight é realmente uma loucura. Esse cara foi o melhor pivô da NBA por anos e ainda é muito bom jogador, mas, hoje, não parece ser tão valorizado assim por todos na liga. Acompanhar isso não tem sido nada divertido”, afirmou o experiente técnico, em sua participação semanal no programa de rádio “Open Mike”, de uma famosa estação da cidade de Orlando.

Howard “dominou” a liga em cinco anos trabalhando sob o comando de Van Gundy, quando venceu três prêmios de melhor defensor da NBA, foi eleito para cinco Jogos das Estrelas e cinco quintetos ideais da temporada, além de ter conquistado o título do Leste em 2009. No entanto, o basquete mudou nos últimos anos – e o treinador não viu o ex-comandado disposto a entender essas mudanças.

“Tem sido uma época de duros ajustes para os pivôs. O que todos querem de um atleta da posição agora é correr, executar pick-and-roll nos dois lados da quadra, proteger o aro e pegar rebotes. O irônico é que o Dwight sempre foi perfeito para isso. O problema é que eles sempre querem fazer mais: ele queria receber a bola no low post e fazer o jogo que tinha em mente”, explicou.

A declaração de Van Gundy parece encontrar apoio nas estatísticas da temporada passada. Howard foi o terceiro atleta que mais usou posses em situação de post ups no período (atrás apenas dos astros Joel Embiid e LaMarcus Aldridge), mas produziu mais pontos por posse do que somente um dos dez primeiros colocados no quesito (Marc Gasol, que viveu uma conturbadíssima campanha).

“Eu até posso entender essa postura. Dwight é um ótimo jogador e sempre desejou mostrar o que podia fazer, mas o jogo mudou. É uma adaptação dificílima para os jogadores de garrafão. Não acho que eles ficaram ultrapassados porque ainda são bastante efetivos. Só precisam estar satisfeitos realizando a função que os times necessitam que realizem”, avaliou o veterano treinador.

Se Van Gundy guarda alguma coisa da experiência de trabalhar com Howard não é rancor, mas a noção de que é preciso aproveitar os bons momentos na NBA. “Uma coisa que sempre disse para equipes e jogadores é que temos que melhor viver os pontos altos plenamente, pois tudo pode muda bem rápido. É difícil acreditar, mas é assim que funciona. Tudo mudou rapidamente para Dwight”, concluiu.

Ricardo Stabolito Jr.
Ricardo Stabolito Jr.
Jornalista de 27 anos. Natural de São Bernardo do Campo, mas vive em Salvador há mais de uma década.
  • Chimbinha “o banido”

    Tá certo Van Gundy, invés de fazer o básico , o que sabe fazer e faz bem, quer inventar, dar uma de habilidoso e tals , tá inventando até tentar arremessar de 3 . Foca no que você é bom e deixa pra quem sabe , o que você não tem condições de fazer

  • Gostava muito desse Orlando..

  • Marcio

    Howard tem sérios problemas de cabeça!! E uma pena pois se tratava de um ótimo pivô…..

  • #procura-selebronzetes

    quando eu comecei assisitr NBA esse Orlando Magic estava no auge e era muito legal ver o D.H, o pessoal falava que ele seria um dos melhores Pivôs da história e tinha tudo pra tal mesmo, contudo, a coisa foi bem diferente.

  • Joabe#VamoSpurs
  • Rafael Victor

    Pois é…

  • ++ ThiagO (CaVs vem forte!)

    focado ele é bom mesmo, mas quis aparecer demais principalmente fora das quadras.

  • Danilo Celtics #Banner18

    tentou puxar o tapete do kobe e do harden ! , deu no que deu

  • O corpo perfeito para a cabeça errada.

    • Guilherme

      Bela definição.

  • Claudio R.

    Se tivesse feito o arroz com feijão e deixado o ego longe, estaria ainda no lakers e ainda seria o melhor pivô do mundo, pq físico ele é o que melhor tem ( quando saudável), até mais que o Cousins , porém nunca teve ética e foco de trabalho

  • Grande talento, cabeça pequena, numa semana em que vemos um mito com a mentalidade de Manu aposentar, vemos o quanto a mentalidade sobressai no futuro de um atleta.

  • Michel Moral

    As declarações de Van Gundy deixam bem transparente que, de fato, ele não sente nenhuma mágoa, muito pelo contrário.

    D12 não foi o que se esperava que ele fosse, embora o estilo de jogo dele case com o que a NBA de hoje pensa sobre os pivôs.

    Eu, particularmente, não tenho a mínima esperança de que ele vai mudar e ser o jogador que todos esperavam. Porém, mesmo assim continua sendo um jogador importante dentro daquilo que se propõe a fazer.

    O pessoal às vezes é muito “8 ou 80”. Primeiro, falavam que ele era o melhor, que os números dele se sustentavam, que ele tinha aproveitamento excelente nos arremessos (só que não era acionado)… Agora, o pessoal mudou o discurso e só fala que ele não presta, que ele é um problema, que ele não pode fazer mais nada na carreira…

    O desenho desse time do Wizards é MUITO bom. O risco da vaidade e do vestiário é real, mas a gente precisa aprender a separar as coisas. Que é uma aposta válida é!