A NBA aprovou mudanças representativas no formato de disputa do Jogo das Estrelas nesta semana, mexendo em um sistema que havia sido mantido intacto por mais de 60 anos. Mas Steve Kerr esperava alterações (ainda) mais radicais. Para o técnico do Golden State Warriors, a liga deveria ter abolido a influência das conferências também do sistema de eleição de jogadores para o evento.

“Eu acho que teria sido realmente interessante se pudéssemos escolher um total de 24 all-stars e, não necessariamente, doze atletas de cada conferência. Talvez esse fosse o caminho. Mas eu respeito o fato da NBA tentar mudar o formato, melhorar o produto. Acredito que tenha sido uma boa atitude”, opinou o treinador, que comandou a seleção da conferência Oeste no ano passado.

A mudança anunciada pela NBA abrangeu a montagem dos times que se enfrentam na partida festiva: os elencos não serão mais divididos entre jogadores do Leste e Oeste, mas a partir de um tipo de “minidraft” entre dois atletas-capitães entre os astros eleitos pelos votantes. A alteração foi proposta por dirigentes da liga, mas aprovada em conjunto com a Associação dos Jogadores.

Ricardo Stabolito Jr.
Ricardo Stabolito Jr.
Jornalista de 27 anos. Natural de São Bernardo do Campo, mas vive em Salvador há mais de uma década.
  • danielzera

    Os capitães serão Lebron e Durant, daí o All-Star vai ser entre os times do GSW e CAVs reforçados por outros jogadores fodas.

    • tiago

      mas não são os jogadores que selecionam do geral….publico e treinadores continuam selecionando os 24 do jogo…ai os 2 mais votados escolhem entre esses 24(apesar do timaço do CAVS unico que e certeza pra mim la e james….)

      • Marcos Gordinho

        Ficava muito puto quando era o último a ser escolhido. As panelas me revoltavam nas peladas da galera. Evoluí, e hoje sou o penúltimo a ser chamado…. chego lá!!!

  • Lucas

    Sabe uma maneira de tornar tudo competitivo dinheiro, monta 4 times com 8 players e faz um torneio dois jogos de 24 e 1 de 48 o vencedor ganha 10k voces iriam ver o quanto isso mudaria a competição.

  • Também acho que não deveria mais haver divisão entre conferências. 1000000x ver um Lillard no ASG do que um Jeff Teague por falta de opção na conferência, como ocorrido em 2015.

  • Walter C Cia Bartels

    Acho que EUA x Estrangeiros era a melhor opção. Hoje claro que os EUA seriam francos-favoritos, mas ia ficar cada vez mais divertido (Giannis, KP, Simmons, Embiid, Gasol, Rubio, Dragic, e muitos outros, ia ser legal a galera se juntar pra desafiar os americanos).

  • Nilton Junior

    Eu falei isso no Post da notícia da mudança. Faz muito mais sentido se não se selecionar por conferências tbm.

  • Jean Brazuna

    Eu gostei da mudança, do jeito que está voce abre espaço para estrelas em ascenção, e isso é bem legal…e essa história que o East é muito fraco e tals…olha…só pensando aqui…um time com Irving, Wall, James, Giannis e Embiid reservas com IT, DeRozan, Hayward, Kevin Love e Whiteside…com Kemba Walker e Kristaps Porzingis de complementares…é um baita time e acho que dá jogo, seria mais fraco, em especial pela segunda unidade, mas não seria esse absurdo todo não!

  • Vitor Martins

    Quero só ver como vai ser a seleção. Vão “tirar os times” ao vivo na TV? Vai ser bem constrangedor ver a cara do último selecionado hahaha
    Mas acho mais provável eles fazerem isso nos bastidores e só divulgarem uma lista depois.