Técnico da Grécia rebate críticas por uso de Antetokounmpo: “Não somos o Bucks”

A seleção da Grécia chegou à China para a disputa da Copa do Mundo FIBA com a esperança de título, reforçada com o MVP da temporada passada da NBA. Assim que a bola subiu, porém, a expectativa deu lugar a uma campanha desapontadora e críticas pelo modo como o time utilizava Giannis Antetokounmpo. O treinador Thanasis Skourtopoulos crê que não pode ser contestado com base no que o astro mostra no Milwaukee Bucks.

“Nós não temos a oportunidade de montar uma equipe, desde o começo, pensando unicamente em Giannis. Leio constantemente esses comentários de que a Grécia não joga como Milwaukee e não sei o que podemos dizer. É simples: não somos o Bucks. Fim de caso. Acho que não é preciso falar mais nada”, disparou o técnico, após a despedida com vitória sobre a República Tcheca.

Para Skourtopoulos, comparar a maneira como Antetokounmpo é utilizado em sua equipe e na seleção passa por um paralelo descabido sobre dois projetos que são totalmente diferentes. “O Bucks possui um elenco construído centrado em Giannis. Nós também o temos como a referência, mas nossos jogadores têm suas próprias personalidades e valor como parte do nosso programa”, ponderou o comandante.

As críticas ao treinador de 54 anos foram especialmente duras nos Estados Unidos, previsivelmente. Ele causou grande indignação na mídia especializada em NBA, por exemplo, pelo pouquíssimo envolvimento do ala nos lances finais da derrota contra o Brasil e no último quarto do revés contra os norte-americanos. O técnico explicou ter sentido que Antetokounmpo foi impactado negativamente pela atenção gerada por sua presença na seleção.

“Giannis apresentou-se com uma excelente atitude, mas, em algum momento, acho que ficou estressado porque queria provar algo a todos e resolver todos os nossos problemas. Era perseguido por torcedores em todos os cantos, o que é cansativo. E, ao mesmo tempo, ele não recebeu o devido respeitos dos juízes: é inacreditável como recebeu tapas em todas as partidas e absolutamente nada era marcado”, acusou Skourtopoulos.

Ricardo Stabolito Jr.
Ricardo Stabolito Jr.
Jornalista de 27 anos. Natural de São Bernardo do Campo, mas vive em Salvador há mais de uma década.
  • Guy de Lombard

    Fazem sentido as alegações dele, mas, pô, se o Jason Kidd fez uma única coisa boa como técnico foi sacar que o puto é muitíssimo mais perigoso carregando a bola, e não parado lá dentro onde todo mundo vai ficar para que ele não receba o passe.

    • Tulio Machado

      Antetokunmpo só virou esse monstro que é hoje, graças ao Kidd, ai vem esse técnico desastroso, não aproveita o potencial do cara e mete esse migué

  • Fora Abel PRAGA

    Esse ai fez escola com o Abel: “eu não pedi Arrascaeta pro meu time” e com o Mano Menezes:”A culpa é do juiz que inverteu muitas faltas”, que tecnico desastroso, nem para admitir suas falhas foi capaz, dizer que o basquete FIBA não favorece o estilo de jogo do Giannis é uma coisa, agora essa desculpa meu amigo, não cola né.

  • PCSilva

    “Nós não temos a oportunidade de montar uma equipe, desde o começo, pensando unicamente em Giannis”. Olha que absurdo de declaração.

    Um cara que nem o grego tem que ficar com a posse da bola do primeiro ao último segundo do jogo nessa seleção. Você não pode tratar um jogador que há poucos meses foi MVP da NBA como se fosse um jogador normal, que deve receber a bola de vez em quando, como se fosse um role player.

  • jefferson ferreira

    tecnico fraco e seleção bem mequetrefe…os caras se acham porra…tao com o mvp….potencializem ele..