Times históricos que não foram campeões – Portland Trail Blazers (1991)

A partir de hoje, o Jumper Brasil inaugura uma série quinzenal de textos a respeito de grandes times que marcaram época, mas que não conquistaram o tão desejado anel de campeão da NBA.

O objetivo da série é trazer um pouco da história da melhor liga de basquete do mundo aos leitores que começaram a acompanhar a NBA há pouco tempo. Para os “dinossauros”, categoria a qual me incluo, os artigos vão servir como uma viagem no tempo, trazendo aquela nostalgia que tanto amamos.

O primeiro time a ser apresentado é o Portland Trail Blazers, dono da melhor campanha da temporada regular em 1990/91. A equipe treinada por Rick Adelman é considerada uma das melhores de todos os tempos que não sentiu o gostinho de ser campeã da NBA.

Antes de falar do Blazers de 1991, vamos recapitular o que foi feito nos anos anteriores, que culminou na formação do grande elenco que entrou para a história da franquia de Portland.

A montagem do elenco

O quarteto formado por Clyde Drexler, Terry Porter, Jerome Kersey e Kevin Duckworth atuava junto desde a temporada 1986/87. Na época, Drexler tinha 24 anos e quatro de experiência na NBA. Porter, de 23, iria para o terceiro ano na liga. Já Kersey, de 24 disputaria sua segunda temporada e, por fim, Duckworth, de 22, era um novato na liga.

O grande nome do Blazers de 1987 era o ala alemão Kiki Vandeweghe, um dos jogadores mais experientes daquele grupo. O time ainda possuía em seu plantel o pivô Sam Bowie, que ficou conhecido por ter sido a segunda escolha do Draft de 1984, selecionado logo à frente de um certo Michael Jordan, e por não ter se destacado na NBA por conta de diversas lesões.

Sob o comando do estreante treinador Mike Schuler, o Blazers terminou a temporada na terceira colocação da conferência Oeste, atrás apenas de Los Angeles Lakers e Dallas Mavericks. Pelo grande trabalho, Schuler foi eleito o técnico do ano. Nos playoffs, a equipe do Oregon foi superada logo na primeira rodada pelo Houston Rockets, das torres gêmeas Hakeem Olajuwon e Ralph Sampson, que havia sido finalista na temporada anterior.

Em 1987/88, o Blazers fez a quarta melhor campanha do Oeste com praticamente o mesmo elenco. O que mudou foi que Duckworth e Kersey ganharam vagas no quinteto inicial. Vandeweghe sofreu uma grave lesão nas costas e desfalcou o time em 45 jogos. Na pós-temporada, o time de Portland foi batido na primeira rodada pelo Utah Jazz, em uma série de quatro jogos.

Na offseason de 1988, o Blazers passou a ter um novo dono. Por módicos US$70 milhões, o co-fundador da Microsoft, Paul Allen, adquiriu a franquia junto ao empresário Larry Weinberg. Hoje, o valor estimado da equipe é de cerca de US$1 bilhão.

Na temporada 1988/89, o time de Portland teve muitos altos e baixos. As lesões de Vandeweghe e Bowie prejudicaram bastante o rendimento da equipe. De positivo, o quarteto Drexler, Porter, Kersey e Duckworth estava cada vez melhor em quadra. Drexler, aliás, teve o seu melhor ano na NBA (médias de 27.2 pontos, 7.9 rebotes, 5.8 assistências e 2.7 roubos de bola) e se consolidou como uma estrela da liga.

Clyde “The Glide” Drexler: maior jogador da história do Blazers

Em fevereiro de 1989, duas movimentações foram decisivas para o futuro do Blazers: Vandeweghe, que estava insatisfeito por ter perdido o lugar no time titular, foi trocado para o New York Knicks por uma escolha de primeira rodada do draft. E o técnico Schuler foi demitido pela campanha irregular e após desentendimentos com as estrelas do time. O assistente Rick Adelman, que era muito querido pelos atletas, assumiu o comando do time.

O Blazers terminou a temporada regular na oitava posição do Oeste, e, nos playoffs, amargou mais uma eliminação na primeira rodada: desta vez para o todo poderoso Lakers de Magic Johnson.

A maior offseason da história do Blazers

A offseason de 1989 foi um divisor de águas para o Blazers. No draft, a equipe selecionou o versátil ala Cliff Robinson, na segunda rodada (46ª escolha), e o ala-armador croata Dražen Petrović, na terceira (60ª escolha).

O melhor estava por vir. O quase sempre lesionado Bowie foi trocado para o New Jersey Nets pelo ala-pivô Buck Williams. Essa é considerada uma das melhores negociações feitas na história da franquia de Portland.

Williams, que, na época tinha 28 anos, era tudo o que o Blazers precisava para subir de nível: veterano consolidado, que jogava sempre com muita energia, e que chegaria para preencher uma posição carente e seria de grande valia para a melhora defensiva do time. Em suma, Williams era a cereja do bolo, que formaria com Drexler, Porter, Kersey e Duckworth, o melhor quinteto da história do Blazers.

Em quadra, o time de Portland não decepcionou e fez uma campanha irrepreensível: 59 vitórias e 23 derrotas, atrás apenas do poderoso Lakers. Nos playoffs, o Blazers varreu o Dallas Mavericks na primeira rodada, bateu o San Antonio Spurs por 4 a 3 na semifinal e fez 4 a 2 no Phoenix Suns na final do Oeste.

Na grande final da NBA, o time do Oregon foi derrotado pelos bad boys do Detroit Pistons, que eram os atuais campeões da liga, em uma série de cinco partidas. O detalhe é que o Blazers foi derrotado nos três jogos realizados em Portland. Apesar da campanha idêntica ao Pistons na temporada regular, o Blazers não era considerado o favorito na decisão. Deu a lógica, com o Pistons conquistando o título. No último jogo da série, o time de Detroit sagrou-se bicampeão após uma cesta no último segundo do armador Vinnie Johnson. A derrota deixou um gostinho em Portland de que o título estava perto. Voltar às finais no ano seguinte era mais do que esperado.

A temporada regular dos sonhos

Com a base mantida e a chegada do veterano Danny Ainge (bicampeão pelo Boston Celtics), o Blazers atendeu às expectativas e fez a melhor campanha da temporada regular em 1990/91, com 63 vitórias e 19 derrotas (76.8% de aproveitamento).

A mudança mais significativa foi a saída de Petrović logo no começo da temporada. Sem muitas chances no time, até por jogar na mesma posição de Drexler, o jogador croata foi envolvido em uma troca tripla com New Jersey Nets e Denver Nuggets. Petrović reforçou o Nets e o Blazers recebeu o veterano ala-armador Walter Davis (lenda do Phoenix Suns).

O time de Portland foi o segundo em eficiência ofensiva (112.8 pontos marcados por 100 posses de bola), o terceiro em eficiência defensiva (104.3 pontos sofridos por 100 posses de bola) e era o quarto em posses de bola por partida (100.5). Não é exagero afirmar que aquela foi a melhor temporada da história do Blazers.

Para termos uma ideia do poderio daquele time, Drexler, Porter e Duckworth foram selecionados para o All-Star Game de 1991. Drexler, aliás, foi escolhido para o segundo time ideal da temporada. E Williams foi nomeado para o time ideal de defesa. Além do famoso quinteto já citado, Ainge, que jogava nas duas posições de armação, e Robinson, que atuava nas alas e até de pivô, eram reservas de grande valia. Essa rotação de sete jogadores era a mais forte da NBA na época. Não por acaso, o responsável pela montagem do time, o vice-presidente de operações de basquete, Bucky Buckwalter, ganhou o prêmio de dirigente do ano.

Portland Trail Blazers – 1990/91

Time-base: Terry Porter (PG), Clyde Drexler (SG), Jerome Kersey (SF), Buck Williams (PF), Kevin Duckworth (C)

Principais reservas: Danny Ainge (PG/SG), Cliff Robinson (SF/PF)

Técnico: Rick Adelman

Jogador Idade Pontos Rebotes Assistências Roubos Tocos Minutos
Clyde Drexler 28 21.5 6.7 6.0 1.8 0.7 34.8
Terry Porter 27 17.0 3.5 8.0 2.0 0.1 32.9
Kevin Duckworth 26 15.8 6.6 1.1 0.4 0.4 31.0
Jerome Kersey 28 14.8 6.6 3.1 1.4 1.0 32.3
Buck Williams 30 11.7 9.4 1.2 0.6 0.6 32.3
Cliff Robinson 24 11.7 4.3 1.8 1.0 0.9 23.7
Danny Ainge 31 11.1 2.6 3.6 0.8 0.2 21.4

 

Nos playoffs, o Blazers venceu o Seattle SuperSonics de Gary Payton e Shawn Kemp por 3 a 2, na primeira rodada, e bateu o Utah Jazz de Karl Malone e John Stockton por 4 a 1, em uma das semifinais de conferência. Na final do Oeste, o esperado embate contra o Los Angeles Lakers. Era o duelo das duas melhores campanhas da conferência.

No jogo 1, o time de Portland foi surpreendido em casa e perdeu por 111 a 106, após uma reação incrível do Lakers, que tirou uma diferença de 12 pontos no último período. Drexler foi o destaque do Blazers, com 28 pontos, 12 assistências e oito rebotes. Pelo time angelino, o ala James Worthy anotou 28 pontos e o maestro Magic Johnson, apesar de ter acertado apenas dois dos arremessos de quadra tentados, terminou o duelo com um duplo-duplo de respeito: 15 pontos e 21 assistências.

No segundo jogo da série, o Blazers não deu chances ao Lakers e venceu por 111 a 98. O quarteto Drexler, Porter, Jersey e Duckworth combinou para 82 pontos.

Nos jogos 3 e 4, disputados em Los Angeles, o time de Portland não teve um bom desempenho no ataque e sucumbiu. Em uma das partidas (a terceira), Magic Johnson distribuiu 19 assistências e foi o diferencial.

Com a pressão de estar perdendo a série por três a um, o Blazers jogou a vida no quinto duelo, disputado em Portland. A equipe do Oregon teve uma produção defensiva notável e venceu por 95 a 84. O resultado trouxe um alívio momentâneo à equipe de Rick Adelman.

Para chegar novamente às finais, o Blazers precisaria bater o Lakers em Los Angeles, no sexto jogo, e fechar a série, em casa, com outra vitória. Mas para tristeza dos fãs do time de Portland, o sonho acabou no jogo 6.

A partida disputada no dia 30 de maio de 1991 foi tensa. O Lakers começou melhor e abriu uma vantagem de sete pontos no primeiro tempo: 50 a 43. O Blazers reagiu e equilibrou o duelo, que foi decidido apenas nos instantes finais.

Na última posse de bola, quando o placar apontava o Lakers à frente por um ponto (91 a 90), Porter teve a bola do jogo. Livre de marcação, o armador recebeu de Drexler no corner direito e arremesso a quatro segundos do fim. A bola bateu no aro e, no rebote, Magic Johnson jogou a bola para a quadra de ataque a fim de que o relógio zerasse.

O Lakers alcançava a nona final em 12 temporadas sob a liderança de Magic, uma marca espetacular na liga. No fim das contas prevaleceu a experiência, o jogo de meia quadra do time angelino e a genialidade de seu camisa 32. No entanto, nas finais, o Lakers não foi páreo para o Chicago Bulls de Michael Jordan.

Para o Blazers restou a decepção. O time era apontado como o claro favorito na decisão do Oeste. Fez a melhor campanha de sua história na temporada regular e tinha seus principais jogadores em grande forma técnica e física. Mas na série contra o Lakers, o jogo de transição não funcionou, o conjunto esteve abaixo do normal.

Na temporada 1991/92, a base foi mantida e o Blazers chegou novamente às finais da NBA. Na ocasião, a equipe sucumbiu frente ao Bulls, que conquistava o bicampeonato sob a liderança do maior jogador de todos os tempos. A temporada seguinte foi a última do grande quinteto de Portland.

A reconstrução do elenco começou com a saída de Duckworth para o Washington Bullets. Em meados da temporada 1994/95, com o Blazers fora dos holofotes, Drexler, na época com 32 anos, pediu para ser trocado para um time postulante ao título. Em respeito ao maior nome da história da equipe, a direção da franquia aceitou o pedido e mandou The Glide (O Escorregadio) para o Houston Rockets. De volta à cidade que o consagrou no basquete universitário, o astro se juntou ao velho amigo Hakeem Olajuwon e finalmente conquistou o seu anel de campeão.

Como foi dito nas linhas acima, o Blazers do início da década de 90 foi moldado e tinha todos os ingredientes para ser campeão. Perdeu duas finais e uma decisão de conferência. Em sua temporada mais espetacular, a de 1990/91, o time do Oregon sequer chegou às finais da liga. Uma verdadeira lástima. A ferida em Portland continua aberta até hoje. Os torcedores mais antigos da franquia não vão esquecer jamais o que aconteceu naquela decisão do Oeste.

P.S. Fique ligado. Daqui a duas semanas sai o segundo artigo da série “Times históricos que não foram campeões”. O homenageado da vez será o Phoenix Suns de 1993. Não perca! Até lá!

Gustavo Lima
Gustavo Lima
Jornalista graduado pela UFMG e pós-graduado em Produção em Mídias Digitais pela PUC-MG. Natural de Ipatinga e residente em BH. Editor do Jumper Brasil desde 2007. Acompanha a NBA desde 1993. Torcedor do Phoenix Suns, mas adepto da imparcialidade.
  • Fillipe Carel

    Pô, muito bom!
    Ansioso pelos próximos artigos.

    • gusilvalima10

      Valeu, Filipe.

  • Zorg

    Excelente iniciativa !!!
    Teremos grandes times que infelizmente não venceram mas nem por isso deixaram de ser times marcantes.

    • gusilvalima10

      Valeu, Eduardo.

  • Marco Brasil

    Sensacional!

    • gusilvalima10

      Valeu, Marco.

  • Marcelo Desoxi

    Muito bom.

    • gusilvalima10

      Valeu, Marcelo.

  • Caíque Paro

    Mesmo se passasse dos Lakers, seriam vice campeões da NBA, o poderoso Chicago Bulls de Michael Jordan, “Chicago Bulls de Michael Jordan” os caras escutavam essa frase, já se cagavam todo! HAHAHAHA

    • Claudio R.

      Na época Jordan ainda não era jordan

  • João Dones

    Belo texto, Gustavo.
    Será que rola o Jazz de Stockton/Malone nessa série?
    Valeu!

    • gusilvalima10

      Valeu, João. Vai rolar o Jazz de 98.

    • Marcelo Desoxi

      O principal não pode faltar.

  • Daniel Lima

    Creio que nem apareçam nos artigos dos times históricos!!
    Mas é o time que fez me apaixonar ainda mais por basquete… E o meu time de coração!!

    Gostaria muito de um artigo sobre:
    https://uploads.disquscdn.com/images/ee66f294374625fc629b103a052ff4f13a97c2c8424669caba344b0c0eb64a12.jpg

    • Daniel Lima
    • gusilvalima10

      Pode ficar tranquilo. O Kings de 2002 estará na série, Daniel.

    • Claudio R.

      O time mais roubado da história

    • The Night King #Soulkeeper

      Outro torcedor do Kings aqui? Meo Deos.
      Lembrando que esse time só pode existir porque o White Chocolate foi trocado! Bibby veio para revolucionar o time.

    • gusilvalima10

      Esse não poderia ficar de fora. Eita time injustiçado!

  • Naum

    Ótimo texto…foram os anos que comecei a acompanhar a NBA.
    Parabéns!!!

    • gusilvalima10

      Muito obrigado, Naum.

      • Daniel Lima

        Valeu!! E parabéns pelo texto e pelos próximos que virão!!!

        • gusilvalima10

          Valeu, Daniel.

  • Thiago // NBA GAME

    Ano em que nasci.

    Parabéns!!

    • gusilvalima10

      Valeu, Thiago.

  • pedrokadf

    Ótimo post, vai ser uma bela série de times, parabéns

    • gusilvalima10

      Valeu, Pedro.

  • Claudio R.

    Será se o lakers de 2004 estará neste post? Ou Golden state do Wilt Chamberlain?

    • vsr.snake

      O core desse Lakers vinha do three-peat, logo foi uma equipe que já vinha de sucesso. Daquela época vejo mais adequado falar do Kings, Suns, Mavs, Nets, Pacers e etc

      • Claudio R.

        É realmente tem isso, mas poxa Gary Payton – Kobe – Karl Malone – Shaquille Oneal, putz pesa só de escrever..

        • vsr.snake

          Era no papel um time bem dominante mesmo, mas durante aquela campanha ele não se mostrou muito superior a times como Spurs, o Wolves (esse tb podia ir pra lista) e o Pacers, que eram as seeds altas juntos do Lakers.

    • gusilvalima10

      Não é certo que o Lakers de 2004 entre. Mais provável que fique de fora mesmo.

  • The Night King #Soulkeeper

    Já coloca os times do Jazz dos anos 90, o Kings de 2002, Sonics do Payton…

    • gusilvalima10

      Todos estão na lista.

  • Gustavo – DefendTheLand

    Muito foda aprender mais sobre a história da liga. Ótimo artigo.

    • gusilvalima10

      Valeu, xará.

  • The Night King #Soulkeeper

    No mais, parabéns cantor pela boa matéria. Tem muito time que pouca gente conhece (Royals do Robertson). Posso também citar o time do Thunder como exemplo mais recente.

    • gusilvalima10

      Valeu, Matheus. Ainda tá nessa de cantor? hahahaha

      • The Night King #Soulkeeper

        Hahahaha, Gustavo Lima e você!
        No mais, poderiam fazer mais matérias desse tipo. Sinto falta de uma “análise” assim.

  • Lucas

    Por essas matérias e outras top, que compensa vir aqui sempre olhar o site, apesar que se banissem o 76 e o carinha que colocou Viadagens na postagem de reconciliação do Thomas e Magic, o site ficaria melhor ainda. Hahaha Parabéns pelo Artigo

    • gusilvalima10

      Valeu, Lucas. O fake da “viadagem” foi banido.

  • poooorra que série maneira! Eu que não acompanhei essa geração vibro lendo essas matérias.

    • gusilvalima10

      Valeu, Diogo.

  • Acho que já pode entrar o OKC nessa história (nfelizmente).

  • Marcos Pastich

    Ótimo Post! Comecei a acompanhar a NBA nessa época. Parabéns! Muito bom ver detalhadamente …

    • gusilvalima10

      Valeu, Marcos. Mais um dinossauro! hehehe

  • Paulo Henrique F. Fonseca

    Excelente publicação, parabéns ao autor e ao JumperBrasil!!!

    • gusilvalima10

      Valeu, Paulo Henrique.

  • Douglas Mavericks

    Excelente texto, Gustavo. Aguardando o próximo já.
    Puxando um pouco a sardinha pro meu time, será que os Mavs dos anos 2005/2006/2007 vai entrar nessa lista? O time perdeu a final pro Heat em 05-06, e na temporada seguinte o Dirk foi MVP, o time fez a melhor campanha e apanhou pro Warriors na primeira rodada dos playoffs.

    • Eduardo Rebelatto

      Bem provável, o time era claro favorito contra o heat, o alemão era imparavel nesse tempo, mas nas finanças foi mal, Antônio que tinha a fama de pipoqueiro (injusto) até ganhar do heat de LeBron é cia

      • Eduardo Rebelatto

        Finais* tanto*

    • gusilvalima10

      Valeu, Douglas. Mavs de 2006 pode entrar.

  • Doug

    Grande iniciativa, Gustavo! Esperando aquele Pação do amor…

    • gusilvalima10

      Valeu, Doug. O Pacers de 98 está na lista.

  • Leo

    Parabéns pela matéria Gustavo…
    Se possível, não esqueça dos Pacers de 2000, se não me engano…

    • Paulo Henrique

      O de 2004 tinha mais chances. Se não fosse o Malice at the Palace…

      • Leo

        Será que eu estou confundindo as datas???? O time que perdeu a final para o Lakers era de que ano???? Não era o de 2000/2001????

        • Paulo Henrique

          Era sim, mas acho que o time de 2004 do Pacers era melhor, favorito ao título inclusive. Dói só de lembrar rs

          • Paulo Henrique

            E naquela época não tinha nenhum time muito dominante como era o Lakers em 2000

    • gusilvalima10

      Valeu, Leo. O Pacers de 98 está na lista.

  • Lucas SEP

    Matéria Sensacional!

    • gusilvalima10

      Valeu, Lucas.

  • Felipe Mendonça

    É muito precipitado colocar o Clippers de CP3, JJ Redick, Matt Barnes, Blake Griffin e DeAndre Jordan, com o sempre eterno melhor reserva da liga, Jamal Crawford, vindo do banco, como a melhor equipe desses últimos anos que não chegaram a disputar uma NBA Finals???
    Eu gostava tanto de assistir essa equipe, talvez entrará para história com o desfecho da carreira desses jogadores, não pela química em si, e sim pela carreira dos envolvidos.

  • Victor Chittolina

    Opa! Daora a iniciativa. É sempre bom ler sobre basquete, quando é alguém que entende do assunto, é melhor ainda.
    E tem grandes times (e jogadores) que acabaram ficando pelo caminho na busca do anel.

    Ansioso pelo Jazz de Malone e Stockton.

    • gusilvalima10

      Valeu, Victor. Jazz de 98 está na lista.

  • Eric Almeida

    Parabéns pela iniciativa, ótima matéria.

    • gusilvalima10

      Valeu, Eric.

  • Cedi LeBrOSMAN

    Excelente ideia. Aliás, em relação com essa equipe de 1991, tive a oportunidade de FINALMENTE ver o documentário Once Brothers, legendado na ESPN, passou agora a pouco. Conta um pouco dessa história do Drazen Petrovic no Blazers exatamente nesta época e ano. Realmente corresponde a hype, fodástico demais.
    Já vi tbem q o Cavs de 2009 vai estar nessa lista tbem (era o q tava num tweet do Jumper), vou aguardar.

    • vsr.snake

      Uma vergonha esse time do Cavs não ter ido as finais, mas coach Lebron foi superado pelo intelecto do Van Gundy

      • Marcelo Desoxi

        ?Vergonha ? não entendi.
        Você achava o time do Cavs melhor que Orlando em 2009 ?
        nem fodendo

        • vsr.snake

          Eu acho melhor que o Orlando sim. O time do Magic tinha sua força no trio Torgoklu-Lewis-Howard, mas não era um time de muita profundidade de elenco. Courtney Lee ainda era um calouro e JJ Reddick ainda não tinha se firmado. O Clevland tb não tinha um roster lá dos muitos confiáveis, mas tinha o Lebron MVP e seus fieis escudeiros Mo Williams, Ilgauskas e o Varejão, que vinha jogando muitos minutos vindo do banco, com adição de um veterano Ben Wallace. Diante desse panorama, os times eram, no mínimo, do mesmo nível. A diferença talvez viesse do comando, onde nem se compara SVG com o Mike Brown(LBJ).

          • Marcelo Desoxi

            Já acho o contrário. Orlando tinha um elenco mais profundo.
            Além do citado trio ( Turkoglu – Howard – Lewis ) que tava voando, ainda tinham ótimas contribuições com Rafer Alston ( que sempre metia uns 13 ppg ), Mickael Pietrus, Lee e Reddick.

            Já Cleveland tinha LeBron, o tijoleiro do Mo Williams que se superou no quesito nessa série e Zydrunas.
            Orlando inclusive teve 5 jogadores superando os 12 pontos por jogo, enquanto Cleveland teve 3.

            Big Ben estava em plena decadência, não jogava nem 15 minutos por jogo.

          • Leonardo Augusto N. Dos Santos

            pois é, e nós ficamos sem um Kobe x LeBron na final………

  • DNT

    Legal demais esse tipo de artigo…. desde já esperando pelo Knicks de 1992-93, timaço treinado pelo Pat Riley e comandado pelo Patrick Ewing.

    • gusilvalima10

      Valeu, cara. O Knicks de 94 estará na série de artigos.

      • felipe fernando Oliveira

        O de 99 também merece.

  • Wadson Pinheiro

    Grande artigo. O dinossauro aqui adora relembrar a NBA dos 90. Aguardando com ansiedade o artigo do Phoenix Suns, time pelo qual eu sofro (torço) desde 1993.

    • gusilvalima10

      Valeu, Wadson. Também sofro pelo Suns desde 1993.

  • Okc 4life

    Execelente!! Okc de 2012 acho que seria uma boa!

  • Leandro Almeida Nascimento

    Um

  • Leandro Almeida Nascimento

    Uma

  • UnicornMikaelson

    Não pode esquecer do Nets de Vince Carter,Jason Kidd e Richard Jefferson hahaha

  • Joao

    Excelente seção!!! Ansioso pelo Orlando Magic de O’Neal, Hardaway, Nick Anderson…

  • George Raposo

    Sensacional, Gustavo. Primeiro jogo de NBA que eu assisti foi o JOGO 1 entre Bulls x Blazers. Aquele time era muito legal, eu era fã do Drexler. Por pouco não virei torcedor de Portland, mas acabei optando pelo Rockets de Olajuwon. Abraço!

  • Rogério Toledo

    Phoenix de Nash, Magic de O’Neal, Nets de Kidd, Wolves de Garnett…times q cresci acompanhando e aprendendo a amar o basket, vai ser uma bela coluna de se ler

  • Gustavo Santos

    Excelente matéria. Para mim não há time mais histórico que o Jazz de Stockton e Malone entre os que não venceram nenhum título.

  • TRUETHIAGO

    Show de bola, série de textos para favoritar. Tem muitos times e jogadores fantásticos que, infelizmente, não foram campeões. Faz parte, é um esporte coletivo, nem por isso deixaram de ser marcantes e merecem, pois sim, saudosas lembranças.

  • Elias Ferreira

    Que matéria incrível! Espero ver um dia o Portland ser campeão.

  • Ronaldo Ferreira

    Comecei a acompanhar a NBA nessa época, e o Drexler foi meu primeiro jogador preferido. Acho ele bem subestimado. Jogasse nos tempos de hoje (claro, adaptado a realidade) penso que também seria all-star, embora com a altura q tem, é provavel que jogasse mais na posição 3 do que na 2.

    Tinha uma estilo muito bonito.

  • Leonardo Augusto N. Dos Santos

    parabéns pela ideia de textos. alô ricardo bulgarelli e olavo Rip City. Aguardo o texto sobre o knicks de 99

  • Leo Sousa

    Sensacional! Não sou muito de comentar, mas esses artigos merecem! Parabéns!

  • Anderson Luis Monteiro

    Se Sabonis tivesse ido a NBA assim q draftado, talvez fosse diferente a história desse time!

  • Lakers@24

    Pra mim, até hoje um dos times que mais decepcionaram na NBA foi aquele Lakers de 2003-2004. Pra mim, um time espetacular, com Payton, Kobe, Malone e O´Neal. Além do Fisher, Grant, era um time pronto pra dar o tão merecido anel pro Malone. Talvez por ser o Lakers, tão acostumado a títulos fique despercebido, mas aquela final contra o Detroit doeu e muito, alias dói até hj. hahaha.

  • Evandro

    Parabéns. Show.

    Amo basquete por causa desse time. Comecei a acompanhar basquete a partir das finais contra o Pistons.

    Drexler era um monstro. Fora de série. As enterradas dele eram absurdas.

  • Neverminder

    Muito legal a série, parabens

    Sugestões para continuação: Jazz 97/98, Knicks (94 e 99), Magic do ano de estreia do Shaq e Timberwolves do Garnett

  • Marcos Gordinho

    Chorei relembrando esse time do Blazzers!!! O primeiro artigo da NBA que tive foi um boné com o símbolo do Trailblazers. Drexler era o Jordan de bigodes, jogava demais e era jovem embora tivesse a maior cara de paizão. Lembro dos embates contra o Lakers e o sorriso largo de Magic enquanto maestrava sua equipe. Bem, tempo que não volta, encarar Magic e em seguida Jordan em seus momentos top não seria fácil para ninguém.

  • Jefferson Cavalcanti

    Série sensacional. Favoritei e estou podendo ler agora. Já li do meu time, o Suns de 93 e agora vou pro Knicks.

    Sugiro o Thunder de 2012. O Time era fantástico.