Times históricos que não foram campeões – Sacramento Kings (2002)

Depois de um hiato de três meses, a série de artigos a respeito de grandes times que marcaram época, mas que não conquistaram o tão desejado anel de campeão da NBA, está de volta ao Jumper Brasil.

O nono e antepenúltimo texto vai homenagear o Sacramento Kings, finalista da conferência Oeste na temporada 2001/02 e vítima de uma das mais controversas arbitragens da história dos playoffs da NBA.

Como todos sabem, o objetivo da série é trazer a história da melhor liga de basquete do mundo aos leitores que começaram a acompanhar a NBA há pouco tempo. Para os “dinossauros”, categoria a qual me incluo, os artigos vão servir como uma viagem no tempo, trazendo aquela sensação de nostalgia.

Tão ridicularizado em tempos recentes pelas seguidas trapalhadas de seus dirigentes, o Kings era um contender (postulante ao título) há quase duas décadas. Para você ver que nenhum time é sempre ruim.

Antes de falar propriamente do time de 2002, vamos recapitular o que foi feito nos anos anteriores, que culminou na formação do grande elenco que entrou para a história da franquia californiana.

A montagem do elenco

Vamos começar em 1996, com a chegada de Pete Carrill, antigo treinador da Universidade de Princeton e responsável por implantar e consagrar a Princeton Offense no basquete universitário, para ser assistente técnico do time de Sacramento. Basicamente, não existem posições definidas nesse sistema de ataque, em que todos os jogadores se movimentam bastante em quadra, especialmente nas costas da defesa perto da linha lateral (backdoor), e com o pivô, por exemplo, sendo o playmaker da equipe.

Na temporada 1997/98, o Kings foi o nono colocado no Oeste, com 27 vitórias e 55 derrotas. A campanha foi enganosa porque o oitavo e último time classificado para os playoffs da conferência foi o Houston Rockets, que obteve 41 triunfos. Naquela temporada, seis das sete piores campanhas da liga foram protagonizadas por equipes do Oeste.

Aquele time do Kings era liderado pelo ala-armador Mitch Richmond, integrante do Dream Team americano campeão olímpico em 1996, e treinado por Eddie Jordan, assistente que havia sido promovido ao cargo de técnico principal no ano anterior.

Em 1998 houve o locaute na NBA, que durou seis meses. Com isso, a temporada regular foi mais curta, com 50 jogos disputados por cada equipe.

Disposto a acabar com um jejum incômodo (apenas duas classificações para os playoffs desde que a franquia deixou Kansas City, em 1985, e foi alocada em Sacramento), a direção do Kings se movimentou na offseason daquele ano e reforçou o plantel.

O inexperiente Eddie Jordan foi demitido e, para o seu lugar, o gerente-geral Geoff Petrie trouxe Rick Adelman, que havia levado o Portland Trail Blazers a duas finais de conferência naquela década.

No Draft de 1998, o Kings teve direito à sétima escolha e selecionou o habilidoso armador Jason Williams, cujo apelido era White Chocolate. Na agência livre, a equipe adquiriu o ala-pivô Chris Webber, primeira escolha geral do recrutamento de 1993, junto ao Washington Wizards. Na negociação, a franquia de Sacramento enviou a estrela da equipe, Richmond, já com 33 anos, e o veterano pivô Otis Thorpe. Inicialmente, Webber não queria jogar em Sacramento (qualquer semelhança é mera coincidência com os tempos atuais na liga), já que era um time que não chegava aos playoffs. Mas o jogador mudou de ideia e, curiosamente, foi nos sete anos de Kings que Webber teve os melhores números de sua carreira.

Os sérvios Vlade Divac e Peja Stojakovic eram titulares do histórico Kings de 2002

Além disso, o time californiano assinou com o veterano Vernon Maxwell (bicampeão com o Houston Rockets em 1994 e 95) e com dois jogadores oriundos da antiga Iugoslávia: os sérvios Peja Stojakovic e Vlade Divac. O ala, com 21 anos na época, havia sido a 14ª escolha do Kings no draft de 1996, mas só foi para a NBA duas temporadas depois. Já o pivô, de 30 anos, chegou à equipe após defender Los Angeles Lakers e Charlotte Hornets. Vale lembrar que, na offseason de 96, Divac foi envolvido em uma troca que mudou a cara do Lakers: o pivô foi negociado com o Hornets, que, em contrapartida, cedeu os direitos de sua 13ª escolha no recrutamento daquele ano, um certo Kobe Bryant. Os dois se encontrariam alguns anos depois, nas finais do Oeste que serão o destaque deste artigo.

Em 1998/99, Webber foi o principal reboteiro da liga, desbancando o polêmico Dennis Rodman, líder nesse quesito nas sete temporadas anteriores. Com uma campanha de 27 vitórias e 23 derrotas, o Kings terminou a fase regular na sexta colocação e voltou aos playoffs após três anos.

Na pós-temporada, o time de Sacramento enfrentou o poderoso Utah Jazz da dupla John Stockton e Karl Malone. A equipe californiana foi eliminada após uma dura série de cinco partidas. Só de ter formado um time competitivo e chegado aos playoffs já era uma vitória para o Kings.

Na temporada seguinte, o time de Sacramento se fortaleceu ainda mais ao adquirir o ala-armador Nick Anderson. Na troca, o Kings enviou para o Orlando Magic o também ala-armador Tariq Abdul-Wahad e uma escolha de primeira rodada do recrutamento de 2003 (que veio a ser o pivô Kendrick Perkins).

Depois de um começo arrasador, com nove triunfos nos dez primeiros jogos, a equipe californiana perdeu sete das últimas oito partidas e encerrou a temporada regular na oitava posição do Oeste (44-38).

Nos playoffs, Sacramento caiu pelo segundo ano seguido na primeira rodada, após uma série de cinco jogos. O algoz da vez foi o Lakers de Shaquille O’Neal e Kobe Bryant, e comandado por Phil Jackson, que viria a ser o campeão naquela temporada.

Para a temporada seguinte, o Kings manteve-se competitivo e disposto a ir além de uma primeira rodada de playoffs. No recrutamento de 2000, a franquia selecionou o ala turco Hedo Turkoglu, na 16ª escolha, outro jogador que faria parte do time histórico homenageado neste artigo.

Na offseason, o time trouxe, após uma troca com o Toronto Raptors, o ala-armador Doug Christie, um especialista defensivo que faltava à equipe. Além disso, assinou com o armador Bobby Jackson, que seria um dos principais reservas do time.

As mudanças deram resultado e o Kings terminou a temporada 2000/01 com a terceira melhor campanha do Oeste, com 55 vitórias e 27 derrotas. Webber, que fez a melhor temporada da carreira (27.1 pontos, 11.1 rebotes e 4.2 assistências), e Divac, foram selecionados para o All-Star Game de 2001, o jovem Turkoglu foi escolhido para o segundo time de ideal de novatos e Christie eleito para o segundo time de defesa.

Nos playoffs, o Kings finalmente conseguiu superar a primeira rodada ao derrotar o Phoenix Suns de Jason Kidd, em uma série de quatro partidas. Na semifinal de conferência, o adversário foi um velho conhecido: o atual campeão Lakers. Azarão no confronto, o time de Sacramento foi atropelado e varrido pelo adversário, que contou com jornadas inspiradas da dupla Kobe e Shaq, que combinou para 68 pontos de média na série.

Bibby, Christie, Webber e Turkoglu eram peças importantes no grande Kings de 2002

A temporada regular dos sonhos

O Kings alcançou o status de contender, mas a varrida na semifinal de conferência deixou um gosto amargo. Para fortalecer o elenco ainda mais, a franquia fez uma troca importante na offseason de 2001: enviou Williams e Anderson para o Vancouver Grizzlies e trouxe Mike Bibby, mais decisivo que White Chocolate. Williams era indisciplinado e a franquia queria espaço na folha salarial para oferecer um contrato máximo para Webber.

Mesmo com a ausência do ala-pivô em 20 partidas por conta de uma lesão no tornozelo, o time de Sacramento terminou a fase regular com a melhor campanha da liga, com 61 vitórias e 21 derrotas. Foi o melhor aproveitamento da franquia (74.4%) desde as campanhas de 1949 e 1950 (75% em cada uma delas), quando ainda se chamava Rochester Royals.

O detalhe é que as quatro melhores campanhas daquela temporada foram de equipes do Oeste: Kings, San Antonio Spurs, Lakers e Dallas Mavericks, nessa ordem. Era quase um consenso, na época, que o campeão da NBA sairia desse grupo.

Em 2002, Webber e Stojakovic foram selecionados para o All-Star Game Christie eleito para o segundo time de defesa. De quebra, o ala sérvio venceu o torneio de três pontos no Fim de Semana das Estrelas. O Kings tinha uma qualificada rotação de sete jogadores que nenhuma outra equipe possuía naquele ano. Bibby, Christie, Stojakovic, Webber e Divac formavam o quinteto mais forte da liga. Webber era rápido, inteligente, podia jogar tanto dentro quanto fora do garrafão. Ele foi o principal pontuador e reboteiro do time, além de só não ter dado mais assistências do que Bibby, que rapidamente assimilou o conceito da Princeton Offense. E, no banco de reservas, a equipe tinha Jackson e Turkoglu, que sempre entravam bem.

Na fase regular, o Kings foi o líder da NBA em posses de bola (95.6), o segundo em pontos por partida (104.6), o terceiro em eficiência ofensiva (109.0 pontos por 100 posses de bola) e o sexto em eficiência defensiva (101.1 pontos sofridos por 100 posses de bola). Não era exagero afirmar que o time de Sacramento jogava o basquete mais divertido e altruísta da NBA naquela temporada. Os bigs Divac e Webber, que eram ótimos passadores, foram fundamentais para que a Princeton Offense adotada pelo Kings encantasse a todos que amam o basquete bem jogado. Portanto, o time de Sacramento era um candidato real ao título.

Nos playoffs, o primeiro adversário foi o Jazz dos veteranos Stockton e Malone. Sem muitas dificuldades, o Kings fez três a um no confronto. Na semifinal, o time californiano bateu o Mavs de Steve Nash e Dirk Nowitzki, em uma série de cinco jogos.

Sacramento Kings (2001/02)

Time-base: Mike Bibby (PG), Doug Christie (SG), Peja Stojakovic (SF), Chris Webber (PF) e Vlade Divac (C)

Principais reservas: Bobby Jackson (PG/SG), Hedo Turkoglu (SG/SF), Scot Pollard (C), Gerald Wallace (SF), Lawrence Funderburke (PF)

Técnico: Rick Adelman

Fonte: site Basketball Reference

Arbitragem roubou a cena nas finais do Oeste em 2002

A histórica final do Oeste de 2002

E veio o duelo que todos aguardavam. Pelo terceiro ano seguido, o Kings tinha o Lakers pela frente. Desta vez, pela final do Oeste. A equipe de Sacramento tinha mais time, mais peças que contribuíam em quadra e a vantagem do mando de quadra. Já o Lakers tinha os astros Kobe e Shaq jogando em alto nível, um treinador multicampeão e buscava o terceiro título consecutivo. Com todo respeito ao New Jersey Nets, liderado por Jason Kidd e finalista do Leste, mas quem entendia um pouco de basquete sabia que o campeão da NBA sairia do duelo entre Kings e Lakers. Independente do adversário, o Nets seria atropelado na decisão.

Por causa da melhor campanha da liga, o Kings teve o privilégio de jogar em casa nos dois primeiros duelos da série. Só que o time comandado por Rick Adelman teria um desfalque importante: por conta de uma torção no tornozelo direito, angariada na terceira partida da série contra o Mavs, Stojakovic só estaria à disposição a partir de um suposto jogo 5.

Na primeira partida, o Lakers levou a melhor graças à dupla Shaq e Kobe, para variar. Eles combinaram para 56 pontos, 15 rebotes e seis tocos, e o time visitante venceu por 106 a 99. Com um duplo-duplo (28 pontos e 14 rebotes), Webber foi a principal figura do Kings em quadra.

A equipe de Sacramento sabia que uma vitória no segundo jogo seria fundamental para se manter viva no confronto. Com uma ótima atuação coletiva, o Kings venceu por 96 a 90. Cinco jogadores do time da casa anotaram 13 ou mais pontos. Novamente, Webber conseguiu um duplo-duplo: 21 pontos e 13 rebotes.

Nos jogos 3 e 4, a série voltou para Los Angeles, e o Kings precisava retomar o mando, perdido com a derrota no primeiro duelo. E ela veio com direito a um atropelo. A terceira partida já estava decidida ao final do terceiro quarto, quando Sacramento abriu 23 pontos de vantagem: 75 a 52. Foi uma aula de defesa, com Shaq e Kobe limitados a um aproveitamento de 39% nos arremessos de quadra (17 cestas em 44 tentativas). Webber e Bibby combinaram para 50 pontos. Christie, o marcador de Kobe, ainda alcançou um duplo-duplo: 17 pontos e 12 rebotes.

A quarta partida machuca até hoje o coração de todo torcedor do Kings. Depois de um excelente primeiro tempo, quando chegou até a fazer 40 a 20 no período inicial, o time de Sacramento foi para o intervalo com uma vantagem de 14 pontos (65 a 51). Porém, essa vantagem poderia ter sido maior se a arbitragem não tivesse entrado em cena. O desconhecido Samaki Walker converteu um arremesso quase do meio da quadra, mas o cronômetro já havia zerado quase um segundo antes de a bola sair de suas mãos. Os juízes Dan Crawford, Ron Garretson e Ken Mauer (os dois últimos ainda na ativa) validaram a cesta irregular do Lakers…

Tudo se encaminhava para um novo triunfo dos visitantes, que teriam a chance de fechar o confronto em casa, na quinta partida. Só que o Lakers reagiu e o Kings sofreu uma virada traumática na segunda etapa de jogo.

Os momentos finais da partida foram insanos. Três pontos à frente no marcador (98 a 95), o Kings levou Shaq para a linha do lance livre, o que era mais do esperado. Afinal, como todos sabem, o pivô nunca foi um bom cobrador de lances livres. Só que, naquele momento, quando restavam 26 segundos para o fim, ele acertou os dois arremessos e a diferença caiu para apenas um ponto. Na sequência, Christie sofreu falta e o técnico Rick Adelman teve a chance de deixar em quadra seus melhores chutadores de lance livre. Só que ele manteve Divac, o pior do time nesse quesito (62% de aproveitamento naquela temporada), na partida. O Lakers, sabidamente, mandou o pivô sérvio para a linha do lance livre. Divac converteu somente um dos arremessos.

O time da casa teria a posse de bola final e a chance de levar o jogo para a prorrogação ou até de vencer, caso convertesse uma bola de três pontos. Kobe tentou a infiltração e acertou o aro. Após pegar o rebote ofensivo, Shaq também não fez a cesta. Com fim de jogo se aproximando, Divac deu um tapinha para afastar a bola do garrafão do Kings. Caprichosamente, a laranja sobrou para o ala-pivô Robert Horry, que estava livre no perímetro. O tiro de misericórdia foi dado no estouro do cronômetro, em um lance que entrou para a história dos playoffs da NBA.

De volta a Sacramento, o Kings se refez da traumática derrota e deu o troco no quinto jogo da série, que contou com o retorno de Stojakovic, vindo do banco de reservas. Com o arremesso decisivo convertido por Bibby a oito segundos do fim, o time da casa venceu por 92 a 91. O Lakers ainda teve a última posse de bola, mas Kobe errou o chute final, para delírio da torcida na ARCO Arena. Definitivamente, aquela decisão do Oeste não era recomendada para pessoas portadoras de problemas cardíacos.

Com o triunfo dramático conquistado no jogo 5, o Kings estava perto de fazer história e a uma vitória de chegar às finais da NBA depois de 51 anos. Só que na sexta partida, realizada em Los Angeles, o fator arbitragem entrou em cena. A equipe visitante chegou a abrir 24 pontos de vantagem e dominou o Lakers durante quase toda a partida, mas os árbitros interferiram diretamente no rumo do duelo, marcando faltas muito contestáveis, esquisitas mesmo, no último quarto.

Divac e Scot Pollard (seu reserva imediato) foram excluídos do jogo com seis faltas cada. A falta que excluiu Pollard (jogou apenas 11 minutos) não seria considerada uma infração em nenhuma liga do mundo. Divac, assim que cometeu a sua quinta falta, disse para Webber: “Nós vamos nos f****”. Sem Divac e Pollard, e com Webber pendurado, o ala-pivô Lawrence Funderburke, que pouco atuava, teve que marcar Shaq no fim do último quarto (ele “cometeu” três faltas em seis minutos).

O time de Los Angeles, que estava cobrando, em média 22 lances livres na série, bateu 40 no jogo 6, sendo 27 apenas no último quarto. De fato, o Lakers passou quase seis minutos sem pontuar através de arremessos de quadra, mantendo-se no jogo exclusivamente por causa dos lances livres. Shaq acertou 13 de 17 tentativas, o que foi impressionante, levando-se em conta o seu aproveitamento pífio na carreira. No entanto, ele chutou de forma irregular, pois dava um passo à frente antes da bola encostar no aro – o que é contra as regras da NBA.

Quando faltavam 12 segundos e o placar apontava 103 a 102 a favor do Lakers, ainda houve uma falta claríssima de Kobe em Bibby, uma cotovelada que simplesmente foi ignorada pela arbitragem. De lance livre em lance livre, o time angelino venceu por 106 a 102 e forçou o sétimo jogo.

Enfim, como não sou torcedor de nenhum dos times envolvidos, e o Jumper Brasil é conhecido pela sua imparcialidade, que dá credibilidade ao site, que está há 11 anos na ativa, não me omito em afirmar: o Kings foi roubado. Ninguém aqui está falando que o Lakers comprou a arbitragem ou que estava envolvido em alguma falcatrua. O fato é que, nos 25 anos que acompanho a NBA, nunca vi um time ser tão prejudicado pela arbitragem como o Kings naquele jogo 6.

Na sétima e decisiva partida, disputada em Sacramento, o Kings não mostrou o seu melhor basquete e claramente estava abalado pelos acontecimentos do jogo anterior. Mesmo assim, o duelo foi para a prorrogação. Tensão, drama, ansiedade. E no final… Decepção para os fãs do Kings. Kobe e Shaq combinaram para 65 pontos, 23 rebotes, nove assistências e quatro tocos, e o Lakers levou a melhor. Ao final daquela temporada, o time angelino acabou atropelando o Nets nas finais (como esperado) e conquistou o tricampeonato consecutivo. Frustração é pouco para definir o sentimento que ficou em Sacramento…

Na temporada seguinte, o Kings novamente venceu a Divisão do Pacífico, com 59 vitórias e 23 derrotas, mas a grave lesão sofrida por Webber (rompeu o ligamento anterior cruzado) acabou com as esperanças da franquia. Após duas eliminações seguidas nas semifinais de conferência, para o Mavs em 2003, e Minnesota Timberwolves, em 2004, ambas as séries chegaram a sete jogos, o elenco começou a ser desmontado, o ânimo da torcida esfriou, trocas bastante questionáveis foram fechadas e a franquia desceu ladeira abaixo…

Cinco anos depois da histórica série entre Kings e Lakers estourou o escândalo de manipulação de jogos da NBA, protagonizado pelo árbitro Tim Donaghy. Após as denúncias, ele confessou que participava de um esquema de apostas, e citou que outros jogos, além dos que ele estava diretamente relacionado, também foram manipulados. Dentre eles, Donaghy citou o famoso jogo 6 das finais da Conferência Oeste de 2002. Segundo ele, pelo menos um dos três árbitros daquela partida (Dick Bavetta, Ted Bernhardt e Bob Delaney) foi responsável pela excessiva marcação de faltas contra o Kings. Naturalmente, as suspeitas recaíram sobre o veterano Bavetta.

O então comissário da NBA, David Stern, sempre negou veementemente essas acusações, que, obviamente, nunca puderam ser comprovadas. O fato é que aquele jogo 6 está marcado para sempre como um dos que teve uma das piores arbitragens de todos os tempos. O que aconteceu naquela partida foi, no mínimo, suspeito. A teoria da conspiração, nesse episódio, dá conta que era interesse ($) da liga prolongar a série entre Kings e Lakers até o sétimo jogo. Mas como disse acima, nada foi comprovado.

Vale dizer que, por tudo o que fizeram pelo Kings, Webber, Divac e Stojakovic tiveram suas camisas aposentadas pela franquia. O título não veio em 2002, mas eles ficarão eternizados em Sacramento. Com toda a justiça.

O “se” não entra em quadra, mas a minha impressão é a de que o time de Sacramento tomaria outro rumo, caso tivesse passado pelo Lakers e sido campeão em 2002. No fim das contas, o melhor time de basquete que a cidade já viu, a equipe mais talentosa daquela temporada, não conquistou o título da NBA, o que é uma das grandes injustiças do esporte. Definitivamente, o destino foi muito cruel com o Kings. Até quando a fase ruim vai rondar a franquia?

P.S. Marque na sua agenda o cronograma dos textos que fecham a série “Times históricos que não foram campeões”.

– Minnesota Timberwolves (2004): dia 12/08
– Phoenix Suns (2005): dia 29/08

Confira os artigos da série que já foram publicados

Times históricos que não foram campeões – Portland Trail Blazers (1991)

Times históricos que não foram campeões – Phoenix Suns (1993)

Times históricos que não foram campeões – New York Knicks (1994)

Times históricos que não foram campeões – Orlando Magic (1995)

Times históricos que não foram campeões – Seattle Supersonics (1996)

Times históricos que não foram campeões – Utah Jazz (1997)

Times históricos que não foram campeões – Indiana Pacers (1998)

Times históricos que não foram campeões – Portland Trail Blazers (2000)

Gustavo Lima
Gustavo Lima
Jornalista graduado pela UFMG e pós-graduado em Produção em Mídias Digitais pela PUC-MG. Natural de Ipatinga e residente em BH. Editor do Jumper Brasil desde 2007. Acompanha a NBA desde 1993. Torcedor do Phoenix Suns, mas adepto da imparcialidade.
  • RodrigoBrBa

    Muito bom, parabéns ao jumper e ao Gustavo Lima pelo texto.. eu já tinha visto algo relacionado ao kings ser roubado mas não conhecia a história completa com essa riqueza de detalhes..

    • gusilvalima10

      Muito obrigado, Rodrigo.

  • Guilherme

    Excelente a matéria, como sempre… Esse foi o maior assalto que eu já vi desde que acompanho NBA. Kings era um timaço e merecia ser campeão naquele ano. Teria grandes chances contra os Nets na final.

    • Michel Moral

      Na verdade, Lakers e Kings foi uma final antecipada. Assim como Lakers e Blazers, dois anos antes, também já teria definido o campeão.

      Com todo respeito a Kidd (que merecia ser o MVP da temporada) e tirou leite de pedra com um elenco bem limitado, as equipes do Oeste (incluindo o Spurs) eram bem superiores.

      • Guilherme

        É verdade, era uma final antecipada clara. Daquele time dos Nets eu me lembro do Kidd e do Kenyon Martin, que não era nenhum craque, mas eu particularmente gostava bastante. Os dois times do Oeste eram bem superiores mesmo. Kings merecia demais esse título, ainda mais pelas circunstâncias que envolveram a série.

    • gusilvalima10

      Muito obrigado, Guilherme. Kings merecia demais. Jogou o melhor basquete daquela temporada. Lesão do Stojakovic e a arbitragem horrorosa minaram o time.

  • João Víctor Matos

    É incrível como a juízada definiu o jogo no jogo 6. Não foi um erro isolado como a falta do michael jordan. Mas sim uma partida inteira de erros e marcações tedenciosas que minaram o mental do time do kings. As caras de indignação que Divac fazia eram fodas kk.

  • Diego Costa

    Uma verdadeira vergonha esse jogo contra o Lakers.
    Ridículo!

  • Alan Raczenski

    Eu queria morar nesse jogo 7, meu que jogo bom de assistir

  • Daniel Lima

    Foi esse time que me fez amar ainda mais o Basquete!! Sou torcedor do Kings graças a esses caras e principalmente à Jason Williams (White Chocolate).

  • Tárcio

    O interessante do jogo 4, é que o Lakers não ficou na frente em momento nenhum da partida, remou, remou e remou pra voltar pro jogo depois de um primeiro quarto horrível, encostou no placar e fez uma jogada pra empatar e levar pra prorrogação, Kobe e Shaq erraram arremessos fáceis pros 2, porque o destino queria levar a bola ao canto certo… as mãos do Robert Horry. Quando a bola caiu, já tinha acabado o jogo, foi a primeira vez que o Lakers passou a frente no placar.
    Foi o melhor jogo que assisti na minha vida, QUE ESPORTE…

    Quanto ao jogo 6, o Choro é livre.

    • Eduardo Rebelatto

      Tu é muito imbecil mesmo

      • Tárcio

        Imbecil é tu velho.

        Até parece que esse foi o primeiro e último jogo com erros graves de arbitragem.
        16 anos, e ainda tem gente chorando pelos coitados do Kings.
        Coisa chata.

        O Lakers já foi prejudicado inúmeras vezes, e ajudado outras.

        • Playoffs Neném

          Cala a boca paspalho. Só sai merda dos seus dedos

        • Diego Costa

          Para que tá feio.

        • Diego Costa

          Essa cara é o mesmo que defendia uma troca do Lebron quando ele ainda estava no Cavs, agora ele manda uma dessa. Esse mundo tá perdido mesmo

          • Tárcio

            Cara, vocês tratam o LeBron como se ele fosse a primeira e única estrela que existiu na NBA. Jogadores do tamanho do LeBron já foram trocados na história: Wilt Chamberlain, Shaq…
            O maior problema pra esse pavor de vocês sobre trocar o LeBron não é o tamanho do LeBron, é o tamanho minúsculo do Cavs, tanto que o Lebron já deu dois pés na bunda deles.

          • Diego Costa

            Meu amigo olha as situações bizarras que você está comparando.

            Shaq em 2004 com 32 anos visivelmente já fora de forma e vindo de uma temporada abaixo arrumando inúmeros problemas no vestiário. E Shaq tbm não representa pro Lakers o que Lebron representa pro Cavs.

            Lebron é maior que o Cavs e botou a franquia no mapa. Lakers já era grande sem Shaq.

            Onde já se viu, você indo TODOS OS ANOS PRA FINAIS, trocar o seu melhor jogador? Tá fazendo aula com Jorge de sa ?

            Lebron dar pe na bunda do Cavs é algo normal, não é vergonha nenhuma isso. Lá nesse lugar onde ele deu pe na bunda, foi onde ele sacramentou seu legado e conquistou o título mais importante da sua carreira.

            Lebron não é só uma estrela amigo, Lebron é um dos maiores de todos os tempos, provavelmente top 3 e aos 34 anos joga em nível MVP e não apresenta nenhum declínio físico. Se você falar pra mim alguém tirando Jordan que fazia algo perto disso com essa idade, eu agradeço.

          • Tárcio

            Eu nunca discuti o talento e tamanho do LeBron cara, sou admirador dele. E agora. mais que nunca, fã. Não esqueça que a partir de agora ele vai jogar no meu time. Como você disse, um dos maiores de todos os tempos.

            Só acho que as vezes o GM tem que tomar uma decisão difícil, e pensar em médio-longo prazo o que seria melhor pra sua franquia, e continuo achando que o Cavs errou.
            O próprio SHAQ quando foi trocado de LA, ainda era muito dominante, ter ele no time era ser candidato ao título [quase tanto quanto o LeBron é hoje], tanto que ganhou um título com o Heat logo depois.
            Na época, eu como torcedor, achei um absurdo, achava melhor que tivessem trocado o Kobe. Depois o tempo mostrou que o Lakers fez a escolha certa, pois o Kobe era jovem, já vencedor e ainda tinha uma década de basquete pela frente, e provavelmente toda no Lakers. Sem querer comparar o Irving ao Kobe, não tem como, mas eles poderiam ter apostado nele.
            Só que como concordamos, o Cavs é muito pequeno, talvez um time maior, tivesse coragem de fazer isso.

            Mas, enfim, não vamos concordar.

          • Diego Costa

            Cara, quem é que troca uma final certa por ficar pensando no futuro? Que lógica é essa cara, você acaba de ser campeão e troca o cara?!!! Ainda bem que vc n é GM do cavs, iria ter que pedir asilo em algum lugar se fizesse essa troca .

            Nenhum time teria coragem de troca Lebron saudável, no auge, sem nenhum problema grave de vestiário e acima de tudo como eu falei , chegando em finais todos os anos.

    • Weezy

      Eu como torcedor do Lakers sinto vergonha de termos ganhado desse jeito do Kings.

      • Tárcio

        Ah, é ?
        Então olha se os torcedores do Celtics sentem vergonha pelas inúmeras fraudes, violência, roubos e maracutaias que fizeram eles ganharem vários daqueles títulos nos anos 60/70, a maioria contra o nosso[?] Lakers.

        Ah cara, não come corda, não foi a primeira e não vai ser a última.
        Esse ano teve vários jogos nos playoffs com nível de arbitragem desse jogo 6.

        Galera teve pena do Kings coitadinho e inveja do Lakers, que na época era o que o Warriors é hoje, o time a ser odiado, pois era muito, MUITO melhor que os outros.

        • Everton

          Um erro não justifica o outro cara. Não é pq tem torcedor do celtics que não se importam sobre esses fatos – que eu inclusive desconheço, mas acho que vale a pena eu dar uma pesquisada – que vc vai chutar o balde com a situação. No mais, nem lembro de algum jogo com esse nível de escândalo que foi citado ai nos offs desse ano.

          • Douglas costa

            Cara não ligue, infelizmente existe esse tipo de pessoa patética em qualquer lugar. E não é só no esporte é em qualquer campo da vida, o importante pra essas pessoas é se dar bem independente de como seja.

          • Tárcio

            Procure, qualquer documentário sobre a NBA da dinastia Celtics, pode mostrar isso.

            Quanto a esse ano…
            Pacers foi garfado no último minuto do jogo 5 [tava 2 a 2 a série], o LeBron deu um toco irregular (a bola tocou na tabela antes) no que seria o Game-Winner do Pacers.

            O Rockets reclamou de vários erros nas finais de conferencia.

            Teve um lance do Giannis, que ele fez o game-winner após ter pisado com todo o pé (que não é pequeno) fora da quadra. [não sei se nos Playoffs].

            O que estou querendo dizer, não é que foi bonito, ou que foi legal…
            Apenas não foi o primeiro, nem vai ser o último. ACONTECE.
            Ultimamente, diminuiu por conta da tecnologia, mas mesmo assim, ainda acontece.
            Ai fica uma ladainha, 16 anos cara, e ainda é a mesma lamentação, parece até que o Lakers não merecia, nem tinha time pra ser tri-campeão.
            Grande jogos, entre dois grandes times se decidem em detalhes, em qualquer esporte, as vezes esse detalhe é a arbitragem, paciência.

          • João Víctor Matos

            Esses são lances isolados. Só são comentados porque foi no final de jogo. Durante uma partida ocorre erros geralmente para os dois lados. Nessa série em foco foram muitas decisões duvidosas, outras claramentes que não seriam marcadas em nenhuma ocasião, a favor de um único time. Além disso, se fosse somente um único erro como os lances que você citou ele não iria fazer diferença ja que tinha uma diferença enorme de pontos que só foi alcançada devido as faltas mal marcadas, exclusao de jogadores e irritação doa jogadores do kings.

          • Maicon Gomes

            Exatamente isso amigo.

    • Arthur B.

      “O choro é livre”… O que falar de um cidadão desses…

    • João Gabriel

      parabéns por ser desonesto

    • Jefferson Cavalcanti

      Parabéns por assumir que você é uma derrota, kkkkkkkkkkk

      O Melhor jogo da sua vida é um jogo que seu time ganhou roubado. E o jogo 6 foi um roubo maior ainda.

      • Tárcio

        o Roubo que voce fala aconteceu no 6, no 4 o Lakers ganhou na bola e na mente.
        Fizeram falta no Shaq achando que ele ia perder, uma apelação costumeira na época, mas ele matou as bolas, o Divac errou uma e o Horry ganhou o jogo.

    • KyrieMVP- caçador de clubista

      Que figura esse cara.
      Post feito pra causar e criar polêmica. kkkkkkkk

    • Douglas costa

      Patético

    • Wilker Pereira

      E isso mesmo o choro e livre, deixa os caras fabricarem uns aneis e vao entregar la para o kings!!
      Nunca vi aqui ninguem reclamando que o lance do MJ no titulo de 98 ele cometeu falta, apenas dizem que eo GOAT (o que e verdade) mas que foi falta foi!

      • Maicon Gomes

        Com todo respeito, mas não há sentido algum nessa comparação feita por ti.

        • Wilker Pereira

          A comparacao e feita por erro da arbitragem e que consequentemente ajudou ou orignou o titutlo do time beneficiado do erro!!
          e existem muitos mais erros! em outros jogos , so que a Lakers daquela epoca e como o GSW de hoje , era o bicho papao e tinha muitos hates!!
          Ate hoje ainda choram este jogo?

          • Maicon Gomes

            Não amigo, esse jogo é falado por existir dezenas de erros e todos a favor do Lakers, não por apenas um erro isolado.
            Um erro é normal de acontecer, isso todo mundo sabe, mas não da forma que foi nesse jogo 6. Aquilo foi uma vergonha, na moral mesmo.

            E que choro? Não torço pra nenhuma franquia na NBA e não tenho antipatia com nenhuma, não há um motivo sequer pra isso ser caracterizado como choro. É só uma opinião contrária a sua, apenas isso.

          • Wilker Pereira

            Ha ok , mais isso de dizer que foi so um erro nao cola , porque se forem analisar todo o jogo eu aposto que hou ve mais erros , talvez para os dois lados , mas este erro que voce diz que foi isolado ,matou a serie e deu o titulo para os BUlls, os Kings ainda tiveram um jogo para reagir, ja os Jazz morreram depois deste erro, porque terminou a serie com aquela derrota e nunca tiveram tempo ou outro jogo para tentar reagir

    • PatrickLakers

      O jogo 6 foi roubado msm, mas o Kings teve várias chances de ganhar, mas pipocou e muito, contra um time de Shaq e Kobe não da pra vacilar.

      • Wilker Pereira

        Alem disso eles ainda tiveram o jogo 7 no seu estadio , para confirmar o favoritismo e vencer a serie… e deu no que deu , chutaram a bunda deles ou vao dizer que tambem houve roubo naquele jogo?

    • gusilvalima10

      O comentário “o Choro é livre” é tão vazio, tolo, digno de pena.

    • Tárcio

      Quanta polemica.

      O que estou querendo dizer, não é que foi bonito, ou que foi legal…

      Apenas não foi o primeiro, nem vai ser o último. ACONTECE.
      Ultimamente, diminuiu por conta da tecnologia, mas mesmo assim, ainda acontece.
      Ai fica uma ladainha, 16 anos, e ainda é a mesma lamentação, parece até que o Lakers não merecia, nem tinha time pra ser tri-campeão.
      Grandes jogos, entre dois grandes times se decidem em detalhes, em qualquer esporte, as vezes esse detalhe é a arbitragem, paciência.

      • Maicon Gomes

        Claro que erros acontecem amigo, isso todos sabemos, é algo notório. Mas tantos erros em uma partida, é complicado. Ainda mais no último quarto, os caras erraram TUDO, não foi um, não foram dois ou três lances, foi simplesmente TUDO que apitaram.

        Enfim, não vou me alongar. Tens o direito de achar que não houve roubo, mas o jogo mostra que no mínimo dar pra desconfiar que teve.

        • André Lawall Casagrande

          É a sina dos adversários do “time a ser batido”. Não que fosse mudar alguma coisa, mas eu vi as finais entre CAVS e GSW neste ano, e ficou evidente como nos momentos decisivos a arbitragem decidiu pró-GSW….

  • WLuz

    Tem tb o OKC de 2012.

    • Neverminder – #ForaManoMenezes

      Não entra pq é muito recente, assim como o Spurs daquela maldita bola de 3 do Ray Allen no jogo 6 ou o GSW do 73-9

      • WLuz

        Mas esses foram campeões, podiam falar desse OKC desde o draft de KD, a mudança de Seattle, os Drafts de RW e JH, até a final de conferência de 2016 quando tomaram aquela virada do GSW, resultando na saída de KD.

        • André Lawall Casagrande

          Se fizerem essa retrospectiva do OKC, vão ter que encerrar dizendo que o KD é um saco-murcho, medroso, e que essa arregada-monstra vai impedi-lo de ser lembrado como um dos grandes da história. Fraco. Amarelão.

      • gusilvalima10

        Exatamente. Times recentes não entraram na série.

  • Beto cargnin

    Parabéns pelo texto.
    Espetacular.
    Agora quanto a arbritagem dessa série, sem comentários.

    • gusilvalima10

      Valeu, Beto. Arbitragem tenebrosa…

  • Leandro Martins

    O jogo 6 desta serie e a final de 2000 da conferencia oeste sao mera coincidência.

  • Rafael Victor

    Isso é algo tão acintoso e visível, que pra mim não resta dúvidas de que quando há algum interesse “maior”, há interferências, sendo a arbitragem a principal via pra que isso aconteça!

    • Bruno Jordan

      Não tenha dúvidas disto! O esporte pode e será manipulado sempre que houver interesses escusos. Uma pena para o Kings.

  • Daniel Nogueira

    Eu quebrei o controle da TV na parede nesse jogo 6.

  • Neverminder – #ForaManoMenezes

    Desses times da série, este é o que menos acompanhei e menos me empolga. Ta certo que era ultimo ano de faculdade e não tinha muito tempo….

  • Guilherme

    Assistindo os Highligths do jogo 7 dá pra notar como jogava fácil o Chris Webber… Uma pena as lesões terem prejudicado tanto a carreira dele.

    • gusilvalima10

      Webber era o melhor jogador do Kings e um dos candidatos a MVP em 2002. Pena que ficou de fora de 28 jogos naquela temporada…

  • Já estava com saudade de elogiar essa série.

    • gusilvalima10

      Valeu, Diogo. Tarda, mas não falha!

  • Michel Moral

    Claro que esse aí é o time histórico, porque foi o que chegou mais longe.

    Mas, pra mim, o grande símbolo dessa geração, foi o Jason Williams.

    Eu mesmo não consigo excluir o White Chocolate de uma conversa sobre essa geração, por mais que não tenha participado do elenco vice-campeão do Oeste.

    C-Web foi incrível, Stojakovic foi talvez o jogador de maior referência, pois ficou muitos anos jogando em alto nível, mas Williams era um fenômeno.

    Vê-lo jogar era como assistir Nash e Kidd no auge, mas com jogadas inimagináveis. Passes de cotovelo, por trás das costas, entre as pernas, sem olhar…

    Só precisava deixar registrada a homenagem a esse que nunca será lembrado como um dos maiores all-time, mas que pra mim tinha mais habilidade do que qualquer outro jogador que já pisou em uma quadra de basquete.

    Obs.: não estou aqui diminuindo Bibby. Talvez se a trade não rolasse na época, o Kings jamais teria ido tão longe. Tanto que Bobby Jackson era colocado para jogar no clutch time no lugar do Williams.

    • Anderson Luis Monteiro

      O melhor top 10 d assistências q já vi e o dele. Simplesmente mágico

    • JVRave

      Merecida homenagem pra esse cara que não era menos do que espetacular.

    • Guga Goll

      Jason Willians era o armador do Heat campeão de 2006, quando entendeu que tinha que jogar de forma apenas objetiva e menos plástica, se deu muito bem. Isso mostra que o Kings tomou a decisão correta em trocar ele em 2002. Mas concordo contigo, o jogo habilidoso dele era excepcional, era um prazer ver ele jogar.

      • Michel Moral

        Com certeza. Ele amadureceu muito durante a carreira. Pena que deu uma descaracterizada naquele estilo. Pra quem assistia, era demais.

        Dá para comparar, em menores proporções, à história do Rafer Alston. Era craque, mandava bem no street, mas nunca despontou na NBA.

    • gusilvalima10

      Michel, a troca White Chocolate-Bibby foi fundamental para que o Kings subisse de patamar. Bibby foi perfeito para a Princeton Offense e era um jogador mais decisivo.

      White Chocolate foi um dos mais habilidosos que vi jogar. Basquete bailarino.

      • Michel Moral

        Pura realidade, Xará.

        Parabéns pelo trabalho!

        • gusilvalima10

          Valeu, parceiro!

    • Thiago Marques

      Até hoje tento emular o passe de cotovelo, sem sucesso, hwushaahaha

    • O Almirante

      brother penso exatamente igual a vc, texto maravilhoso, seria impecável, e concordo também do valor do Bibby, enfim.. texto impecável!!! Por isso tudo não estou discordando do texto mas é apenas uma opinião, na minha cabeça ainda acho que com o J. Willams esse time também chegaria tendo mais casca na cabeça de um ano pro outro… e ele foi talvez o cara mais legal que vi em ativa, legal no sentido de incrível, de diferente, de show.

      • Michel Moral

        White Chocolate foi a reencarnação de The Pistol, que foi outro cara acima da média no quesito habilidade.

        Eu queria morrer quando os técnicos escolhiam John Stockton para o all-star é deixavam Williams de fora hahahaha

        Se o cara “brincava” em jogo sério, imagina o que ele poderia fazer quando fosse brincadeira mesmo hahahaha

        Pena que na época dele os vídeos, celulares e afins não eram tão modernos para registrar os treinos.

  • Celso Cachali Jr

    Parabéns a todos os membros do jumper que participaram desta matéria, matérias com detalhes como este que faz do jumper o melhor site sobre notícias da NBA… É realmente fora da curva, nem lance, Gazeta esportiva, sites que cobrem o futebol tem capacidade de fazer uma matéria tão cheia de detalhes e textos leves ótimo para leitura sobre o futebol. Parabéns

    • gusilvalima10

      Muito obrigado pelas palavras, Celso.

  • Marco Brasil

    Essa série é genial!!!!
    Quanto à arbitragem, o assunto foi muito bem colocado no texto.
    No mais, não tem muito o que dizer, realmente foi vergonhosa! (sou torcedor dos lakers),

    • gusilvalima10

      Valeu, Marco. E parabéns pelo equilíbrio e sensatez.

  • Danilo

    Dentre todos os times históricos apresentados até aqui e ja contando com os outros dois, esse é disparado aquele que eu mais lamento não ter vencido, é diferente perder numa bola absurda de um gênio(como aconteceu com Jazz 1998 e outros que perderam para o MJ), mas perder por um assalto desse nível é triste demais, esse time merecia o titulo pelo basquete que mostrava, e a arbitragem daquele jogo 6 tirou deles.

    • Wilker Pereira

      Uma bola absurda proveniente de uma falta! esqueceu de mencionar isso?

  • Kleber

    Quem é mais antigo vai lembrar que eu já disse que esse Kings é o time mais espetacular que eu já vi. Só não foram campeões porque foram assaltados sem qualquer pudor pelo time mais nojento da liga. Dick Bavetta que queime sem qualquer cerimônia.

    • Bruno Jordan

      O mais asqueroso foi o sorriso estampado na face dos angelinos a cada marcação a favor deles.

  • Eduardo Muniz

    Pude de fato assistir esse timaço do Kings!! E me lembro bem destas finais de conferência contra o Lakers. Realmente foi vergonhoso e uma mancha enorme para a NBA.

  • Jefferson Cavalcanti

    Está aí mais um motivo para eu não gostar do Lakers: as finais do Oeste de 2002.

  • Jefferson Cavalcanti

    O OKC de 2012 é recente. Mas esse trabalho do Gustavo é tão bom, rico em conhecimento e detalhes que eu acho que este Thunder merecia um post desse.

    Desde o processo de montagem, até as finais e o Warriors levando Durant em 2016 aconteceu muita coisa. Eu adoraria ler.

    Imagino que o trabalho para fazer isso seja imenso, porém ajudaria muita gente a refrescar a memória e alguns que acompanham a NBA a menos tempo teriam a oportunidade de ler sobre um time fantástico que também não foi campeão.

    • gusilvalima10

      É isso, Jefferson. Os times mais recentes não entraram na série. Daqui a uns dez anos, se o Jumper ainda existir, quem sabe não apareça uma parte II com os times desta década. Obrigado pelas palavras. Dá trabalho, mas é sempre um prazer falar sobre a história da NBA! Abraço.

  • Skills

    Não vai ter sobre o Miami Heat dos anos 90 com Alonzo Mourning,Tim Hardaway e etc ?

    • gusilvalima10

      Não vai, cara. A série será fechada com Timberwolves (2004) e Suns (2005) mesmo.

  • Vadss Guera

    Assalto ao Kings Central

  • Bruno Jordan

    O maior roubo da história da NBA!

  • Oberdan Gonzalez

    Parabéns pela ÓTIMA matéria, Gustavo!

    • gusilvalima10

      Muito obrigado, Oberdan. Abraço.

  • Bruno Jordan

    Esse time do Kings foi o mais espetacular que vi após ter podido assistir dois anos dos Bulls 96-98.
    O Fast Break desse time era surreal. Que energia, que sinergia, que torcida! Enfim, R.I.P Kings 2002 o mais assaltado da história.

  • Gabriel M.

    Timaço!
    Foi em um duelo com o kings que fez eu começar a torcer pro Mavs, semi final de conferência em 2003, 2OT e Nick Van Exel destruindo. Kings era pedreira demais
    https://www.youtube.com/watch?v=0AVoxMmpLL4

  • Victor Chittolina

    Naquele jogo 6, o Kings terminou com 9 roubos, o Lakers com 3 e a arbitragem com 15.

    • Coach Stevens

      Hahahaha lembrei da luta de boxe do Seu Madruga, juiz levou mais knockdowns que os lutadores.

  • Rodrigo SMC

    Vi que vão falar do Wolves de 2004.

    Só aquela temporada inteira merecia um artigo a parte.

    Desde o Draft de 2003 com L. James, C. Antonhy, D. Wade, C. Bosh.
    Passando pelo Lakers que reuniu G. Payton e K. Malone.
    Indiana do Carlisle com R. Miller, O’Neal e o icônico Metta World Peace.
    Ainda tinham bons times como Spurs, o próprio Sacramento, o Nets.

    Ai o Detroit vai lá e é campeão.

    • Vinícius Maia

      Foi nesse ano que rolou a briga histórica entre Ron artest e Ben Wallace que envolveu até a torcida de Detroit?

    • Wilker Pereira

      E qual e o time historico ai dos que voce citou que nao foi campeao??

      • Vinícius Maia

        Cara, interpreta o texto. O que ele quis dizer é que a temporada de 2004 inteira pode ser lembrada como uma temporada histórica devido por uma soma de fatores. É como se a temporada de 2004 merecesse um texto a parte relembrando fatos que marcaram.

        A classe do draft daquele ano, por exemplo, é uma das mais memoráveis.

        • Wilker Pereira

          Eu interpretei muito bem , mas essa serie de artigo e para falar de times historicos e nao de temporadas historicas… se algum dia os caras do site pensarem em fazer artigos de temporadas historicas ai ele pode recomendar a de 2004! e outra coisa a vitoria daquele Pistons nao foi tao inesperada (pelo menos para mim) eles nao eram favoritos contra os Lakers e verdade mas eram um time forte e profundo , eles fizeram duas finais da NBA 3 finais de conferencia e tinham 3 jogadores convocados para o ASG

          • Rodrigo SMC

            Recomendei uma temporada histórica numa série de times históricos. Culpado. Chamem a polícia.

  • Marcelo Desoxi

    Mike Bibby can’t be touched.

  • Eduardo

    Jumper Brasil, poderia fazer essa série do Cleveland Cavaliers de 1991-92? Lembro que a equipe na época terminou com a segunda melhor campanha da temporada regular, com 57 vitórias e 25 derrotas. Mark Price foi NBA First-Team, Brad Daugherty foi NBA Third-Team e Larry Nance NBA Second-Team Defense, ambos os três foram All-Stars e comandados pelo lendário Lenny Wilkens… Uma pena que cairam pro Chicago Bulls de Michael Jordan e Scottie Pippen na Final da Conferência Leste por 4-2, mas marcou época…

    Atenciosamente, Eduardo.

    • gusilvalima10

      Obrigado pela sugestão, Eduardo. Talvez entre em um post futuro. Esta série de times históricos encerra-se com Timberwolves (2004) e Suns (2005) mesmo. Abraço.

  • djwhites

    Foi depois dessa serie que surgiu a famosa frase….lakers é lakers…..kkkk….dizem que quando acontecia uma falta o shaq olhava pro juiz e ele respondia “pode cobrar que é nossa”. …..kkk
    No mais excelente matéria ……

    • gusilvalima10

      Valeu, parceiro.

  • Joabe#VamoSpurs
  • Galvão Bueno

    Em 2002 o menino Ney tinha apenas 10 anos.. Haaaja coração amigos!!

    • Rafael Victor

      hahahaha

  • Paulo Henrique

    Rigged

  • Emanuel Lima

    Ainda tem torcedor do Lakers que diz que não foram favorecidos KKKKK
    Kings verdadeiro campeão de 2002

    • Wilker Pereira

      Vai la entregar os aneis dos kings

      • Emanuel Lima

        Quem dera meu caro…

    • VictorLakers

      Começou o choro…

  • Hilton Silva

    O jogo 5 é um clássico… KKKKKKKKKKK

  • Michael James

    Timão daporra esse Sacramento. Pena q não ganharam o campeonato. Nessa época o Lakers era o bicho-papão da NBA. Nos próximos 4 anos voltarão a ser. 😉

  • Flavio Cristiano Saldanha

    Vou ler ainda o artigo, estava com saudades demais desse quadro, por que demora tanto a sair?

    • gusilvalima10

      A falta de tempo.

      • Pedro Saturnino Braga

        Esse quadro realmente é genial, parabéns Gustavo, sempre bom relembrar a história da NBA. Não é possível estender o quadro? Imagino que você deve ter começado pela década de 90 por ser quando comecoi a acompanhar NBA, mas seria interessante fazer essa análise de times mais antigos, imagino que seria mais difícil, mas também seriam times que a galera dificilmente teria contato sem uma mareria como essa. O atlanta da década de 80 com o Wilkins sempre me interessou por exemplo. Concordo que recentemente tiveram poucos times históricos que não foram campeões, mas podia ter uma matéria do okc de 2012 pelo menos. Era um time diferente desses que você escreveu por ter sido extremamente jovem, que prometia muito ainda, mas acho que foi um time que vai entrar pra história, talvez como o maior “e se…” Da NBA. Outro time que pode merecer uma matéria é o Bulls de 2011. Fez uma campanha invejável, um time que tinha uma baita identidade defensiva, o.mvp mais jovem da história jogando demais, e so perdeu a final do leste pro heat que era um time fantastico. Acho esses times do mesmo nível do sacramento ou do Magic descritos nesse quadro. Também é uma vontade do quadro ser estendido porque ele vale a pena.

        • gusilvalima10

          Muito obrigado, Pedro. Isso mesmo. Comecei por times da década de 90 e vou encerrar em meados da década passada. Tirando o Blazers de 91, vi todos os outros.

          Quanto aos times mais recentes (como o OKC de 2012, o Bulls de 2011), talvez, daqui a dez anos, se o Jumper ainda existir. Esta série foi para relembrar times mais antigos.

          Tenho planos de começar uma série (talvez este ano) sobre os anos 80. Rivalidade Lakers x Celtics, os Bad Boys, o surgimento de Jordan, etc.

          • Abel

            Se começar essa série vai brilhar de novo, Gustavo. Vi ano passado um documentário bem completo (acho que são seis epsódios) sobre a rivalidade entre Lakers e Celtics dos anos 80. É de encher os olhos!

          • gusilvalima10

            Valeu, Abel. A rivalidade entre Celtics e Lakers nos anos 80 rende muito material. O documentário da ESPN é sensacional. Recomendo a todos que assistam (disponível no WatchESPN).

          • Vinicius Brasil

            faz sobre o celtics e o sixers na década de 80, o bagulho foi louco entre as duas franquias na época. hahahaha

          • gusilvalima10

            Sixers campeão de 83 atropelando todo mundo está na pauta.

          • NateRodrigues

            Eu apoio essa série, hein, Gustavo!
            Rivalidade é o que não falta na NBA. O meu gosto pela liga ganhou corpo quando comecei a pesquisar a história e caí nestes momentos áureos, principalmente a dos anos 80.
            Depois que vi o Pistão ganhar do favoritíssimo Lakers, em 2004, me aprofundei na história da franquia e da liga e descobri o incrível Bad Boys dos anos 80, a pedra no sapato do Lakers, Celtics e, principalmente, dos Bulls de um tal Jordan.
            Eram barra-pesadas, sem dúvida, mas jogavam demais! Um dos melhores times da liga, com certeza!
            Enfim, apoio esta série!

            PS: Já disse isso em outros comentários, mas a série é incrível, Gustavo! Parabéns pelo trabalho!

          • gusilvalima10

            Muito obrigado pelas palavras, Nathan. O pessoal está curtindo bastante a série. Que venha a dos anos 80!

  • Vinícius Maia

    Sinceramente, eu não ficaria surpreso se esse esquema de manipulação de jogos estivesse ativo até hoje. A arbitragem da NBA anda ridícula. Sempre tem aquele torcedor que pensa que seu time é perseguido, mas a verdade é que todos os times atualmente sofrem com isso. A arbitragem de jogos entre cavs e gsw nos últimos anos era contestável em quase todos os confrontos entre as equipes e não estou dizendo isso para falar que o cavs era perseguido, pois, ao contrário disso, eu via marcações questionaveis para os dois lados nos confrontos entre as equipes e, pensando no que foi dito sobre os jogos entre Kings e Lakers serem manipulados para gerar mais lucro, não ficaria surpreso se cavs e gsw tivessem sido vítimas disso em alguns jogos já que eram as duas franquias com maior evidência nos últimos quatro anos.

    Por eu ser torcedor do cavs, pode parecer que estou querendo colocar a culpa dos fracassos do cavs na conta da arbitragem, mas não é isso. Como eu disse, nos confrontos entre as equipes, eu via equívocos para os dois lados. Citei as duas equipes apenas porque eram as que estavam em maior evidência nos últimos anos, mas vejo a incompetência da arbitragem de uma forma generalizada na liga e que tem prejudicado várias equipes em determinados momentos.

    O pior é que, lendo o que David Stern disse na época, parece que esse é um problema que a liga faz questão de fazer vista grossa a muito tempo. Não gosto de teorias de conspiração, mas nesse caso, me leva a pensar que tem gente grande envolvida nesses esquemas e por isso a direção da liga faz vista grossa e ainda coloca um monte de regras superprotetoras para arbitragem. Um jogador não pode nem reclamar publicamente de um lance questionável, se não é multado.

  • VictorLakers

    Umas matérias incríveis assim traz nostalgias absurdas. Kobe e Shaq uma das melhores duplas da NBA, se não a melhor.

    Podem não ter ganhado mais, mas de qualidade de jogo, entrosamento, era fascinante, de dar inveja em qualquer franquia. E ainda mantém o recorde do Lakers de ser o atual tri campeão da liga dps de anos. Fenomenal.

    • gusilvalima10

      A dupla Shaq e Kobe era absurda. Carregou o Lakers no tricampeonato.

  • Kidd mito

    Uma vergonha mesmo! Independente de ter sido campeão ou não, o Kings de 2002 será sempre lembrado como o time histórico que mais mereceu ser campeão! E nós torcedores que vivenciamos poderemos mostrar aos nossos filhos e netos o jogo 6 pra passarem de geração em geração e não se repetir isso!

    O kidd naquele ano fez milagre com aquele Nets, mereceu o MVP naquele ano, igual LeBron em 2007 que levou um time fraco a final, mas do outro lado tinha um Lakers com uma das duplas mais dominantes que já vi, ou teria aquele Kings histórico na final! Seria outra varrida!

    Parabéns pelo texto Gustavo! E sei que vai encerrar no Suns, mas nós torcedores da NBA faremos uma “Vaquinha” ou baixo assinado pra você continuar essa matéria de times históricos porque é muito bom! kkkk

  • Diego Costa
    • Thiago Marques

      Maluco tá parecendo gráfico de PS1 de tão quadrado kkkkkkk

  • Jefferson Cavalcanti

    O Suns de 2005 também foi roubado. Nada comparado ao Kings, mas foi feio também. Quem não viu, ou não lembra, verá no post do Gustavo.

    • gusilvalima10

      Vai ser doloroso relembrar 2005…

    • Maicon Gomes

      Eu vi esse jogo e torci muito pro Suns, por causa dessa época é uma das franquias que mais simpatizo.

  • Marcos Pastich

    Nossa! Eu lembro bem dessa série! Incrível e vergonhosa! Aquele Kings foi um dos grandes times que vi jogar.

  • Maicon Gomes

    Off: Viram a treta do CJ com o Durant?

    • Tulio Machado

      Qual treta ?

      • Maicon Gomes

        CJ tem um podcast, aí o Durant foi convidado.
        https://mobile.twitter.com/Ballislife/status/1022171570545086469

        CJ falava sobre a ida do Cousins pro Warriors e que achava que o Blazers tinha chance de ser campeão com ele, então o Durant ficou de graça e disse ”Por que você se preocupa com esse tipo de coisa? Vocês não vão ganhar o campeonato”

        CJ então disse que precisava de ajuda, pois foi eliminado algumas vezes na primeira rodada e que o Cousins ia ajudar o Blazers pra competir pelo título, só que o Durant ficou de graça, deboche e ainda disse: ”Não se preocupe com o que acontece no topo da divisão, vocês jogam como um time de 8th seed”

        Aí CJ foi no twitter e disse: “que a decisão do Durant ir pro Warriors foi ”soft” e que ele deixar o OKC pra jogar no Warriors é a mesma coisa de junto com sua galera apanhar de uma gangue e 2 meses depois esquecer seus irmãos e se juntar a gangue.” Durant respondeu o CJ e a galera no twitter meteu o pau no Durant.

        https://mobile.twitter.com/KDTrey5/status/1022286434630131713

        • JoaoCelta

          KD é um otário, foi pra GS ser cadelinha do curry, esse cara nem deveria ter sua opinião levada a sério, sua moral é abaixo de zero, jamais será respeitado com um dos grandes da história.

          • Alucard

            Cara, não fala merda!!! Meu Deus… Bi MVP das finais, 4 vezes cestinha da liga, MVP da temporada regular, Bi campeão da liga… você pode até não gostar da decisão dele de ir pro Golden State, assim como eu, mas falar que o cara “não será respeitado como um dos grandes da liga” só pode ser brincadeira…

          • Maicon Gomes

            Não acho que tenha sido tão besteira não amigo.
            Claro que ninguém é maluco de falar da qualidade do Durant, ofensivamente é até covardia, parece que foi feito em laboratório. Mas essa ida ao GSW arranhou muito a imagem dele, não só com o público, mas com os jogadores da NBA, atletas de outros esportes… Ele virou uma piada e vai ser difícil limpar isso.

          • Dagoberto Delatorre Jr.

            Num mundo livre ele vai pra onde bem entender. Será que ele deixou “os amigos” pra trás?!!vivem com ele?

          • Maicon Gomes

            Sou fã do basquete dele, mas vacilou muito e parece que perdeu o respeito de praticamente todos, inclusivamente dos jogadores.

  • Maicon Gomes

    Eu amo essa matéria, tava com saudades.

    Comecei a acompanhar NBA na temporada seguinte, não vi esse jogo ao vivo. Como não paravam de falar dele, o vi em VHS de um amigo meu em 2005. Esse jogo 6 foi uma vergonha, sério mesmo, nunca vi algo parecido com isso.

    Não vou me alongar muito nesse assunto, só dar o parabéns pela excelente matéria e a coragem de ter dado a opinião no final.

    • gusilvalima10

      Valeu, Maicon! Nunca furtaremos de dar opinião!

  • vsr.snake

    Um dos melhores times que essa liga já viu, 2002 foi o ano deles, apesar do J Will ter sido bem mais talentoso que o Bibby. E que jogador foi o Chris Webber, o melhor PF passador da liga, com um QI incrível. Aliás, pela forma que ele se comunica você perceber que eh um cara diferenciado. As lesões tiraram o MVP dele em 2002 e acabaram com a carreira dele em 2003, uma pena.

    E o jogo 6 não tem nem o que falar, foi uma vergonha pro esporte.

    • Nba

      O lakers nao tem nada com Isso, afinal o esquema da arbitragem nao tem relação com a franquia.

  • vsr.snake

    E reiterando, tem que ser muito desonesto e imoral pra achar que o jogo 6 não foi roubado.

  • Tiago Paz

    Talvez, isso explique a razão do ex jogador Chris Webber ter declarado a seguinte frase: ‘Se as pessoas soubessem o que aconteceu no jogo 6 ficariam enojodas’.

  • Wadson Pinheiro

    Parabéns Gustavo Lima e parabéns ao Jumper pelos grandes artigos e essas viagens nostálgicas que voces nos proporcionam.

    • gusilvalima10

      Valeu, Wadson. Viva a nostalgia!

  • Hilton Silva

    Eu não o acompanho futebol, por isso não tenho certeza, mas não houve um escândalo de compra de arbitro no futebol brasileiro?

    • Leonardo Augusto N. Dos Santos

      sim, no brasileirao 2005. varios jogos foram disputados novamente… Edilson pereira de carvalho, o nome do arbitro que vendeu resultados….

    • Dagoberto Delatorre Jr.

      Em todo jogo “du curintia tem um escandalo”

  • Allan Lopes Soledade

    Essa série está demais,muito bom aprender e recordar times históricos.Bibby jogava demais.Vai demorar para o Kings ver dias melhores.Pena.
    E foi um assalto a mão armada.

    • gusilvalima10

      Que bom que está curtindo, Allan. Abraço.

  • Luis Fernando Teles Sousa

    Incrivel como tarcio,patrick lakers e will lakao da massa sao idiotas e ridiculos mano. Se loco. Eu nem perdia mais meu tempo mas ler esses comentarios depois de tudo isso me pira.

  • Marcos Gordinho

    Putz!!! Que show de matéria!!! Nessa época estava mais preocupado com a “sobrevivência”. Trabalhando, primeira filha tinha acabado de chegar e ainda havia a faculdade. Meio que me desliguei do mundo esportivo, cheguei a pesar 120kg, e creio que cheguei bem perto de dar um tilt algumas vezes. Essa referência meio que conectou minha pausa acompanhando NBA, final dos anos 90, e o reinício da paixão quando Shaq saiu do Lakers para o Heat e lá recebeu o suporte de um jovem Wade. Tinha ouvido falar da forma como aconteceu, mas sempre achei que havia parcialidade da parte de quem conduzia o assunto. As vezes encano um pouco com “teorias da conspiração” vai ver que é devido a eventos assim. Todavia o torcedor americano não é bom em aceitar tais manipulações, houve um período de queda entre os espectadores que só de uns anos para cá voltaram em massa aos ginásios. Se ainda há possibilidade para enganação não consigo definir, mas a margem disso acontecer certamente diminuiu. Parabéns ao Jumper!!!

    • gusilvalima10

      Valeu, Marcos.

  • MiniDog #ForzaRoma

    Melhor time que ja vi jogar disparado. Era bizarro a sinergia de todos ali e o que me deixou mais chateado é que foi culpa da arbitragem. E eu me amarrava no Hedoglu, que posteriormente foi fazer parte daquele time bacana do Magic.

  • Dagoberto Delatorre Jr.

    Sou um Laker e concordo com tudo acima!

  • Elias Ferreira

    Parabéns Gustavo, mais um ótimo texto! Eu até tinha pensado que não ia ter mais kkkk. Uma pena o Kings ter sido assaltado como foi, desse time só o Peja Stojakovic teve a felicidade de trucidar o Lakers nas semi do oeste em 2011.

    Como falei dos outros times que passaram por aqui, eu também espero ver o Kings vencendo a NBA um dia, pois é uma torcida que tem muita dor de cabeça com o time e merece vencer algum dia. É uma pena essa série de times incríveis estar chegando no fim.

    • gusilvalima10

      Muito obrigado, Elias.

      • Elias Ferreira

        Gustavo porque vocês não fazem matérias dos times que classificaram em oitavo colocado nos playoffs e que conseguiram eliminar o primeiro colocado? Ex: Denver eliminando Sonics nos anos 90 e Warriors eliminando Mavericks mais recente.
        Seria massa ler sobre.

        • gusilvalima10

          Cara, boa sugestão. Pode vir a ser uma pauta na próxima temporada. Valeu!

  • Renato Coutinho

    Torço pro Kings por causa dessa geração. O arremesso do Horry dói até hoje

  • O Almirante

    Só pra reforçar o que todo mundo já falou, texto fantástico… parabéns galera!!

    • gusilvalima10

      Valeu, jovem.