Tony Parker se inspira em Jordan para manter motivação na seleção francesa

Tony Parker escreveu seu nome na história do basquete europeu ao liderar a seleção francesa ao seu primeiro título continental, em 2013. Com a surpreendente conquista, o armador de 33 anos poderia ter se aposentado do time nacional e já seria uma lenda do esporte do país. Mas, sem nada mais a provar, ele está de volta ao Eurobasket neste ano para tentar classificar sua equipe às Olimpíadas do Rio de Janeiro-2016. Então, por que o astro não encerrou sua trajetória com a seleção por cima?

“Meu ídolo é Michael Jordan. Ele sempre foi motivado pela vontade de ser melhor. Muitos me perguntam por que sigo na seleção sem nada mais ter a provar, mas sou motivado por usar meus talentos e desafiar limites. Existem grandes times na história e, talvez, em uns 20 anos, nós possamos ser a inspiração para as novas gerações de jogadores na França”, afirmou o craque tetracampeão da NBA pelo San Antonio Spurs, em entrevista à ESPN.

Para conseguir uma vaga direta e não precisar disputar o Pré-Olímpico Mundial, Parker tem que conduzir a França a nada menos do que a decisão do Eurobasket. Ficar entre os dois melhores, porém, não é o bastante para um dos atletas mais vencedores do continente. O veterano se inspira no time que derrotou na conquista do último Eurobasket para buscar o dificílimo bicampeonato.

“A Espanha, com Pau Gasol, venceu o Eurobasket em 2009 e defendeu o título em 2011. É um exemplo para todos aqui. Já fizemos história porque os franceses nunca haviam conquistado o campeonato continental, mas essa é uma chance linda de ganhar novamente e levantar mais um troféu para nosso país”, disse o experiente armador, assegurando que não vai se contentar com o segundo lugar e a vaga olímpica.

Se sua intenção é fazer história, Parker parece estar no caminho certo. O sucesso combinado no basquete internacional e na NBA faz com que seu nome, ao lado de Gasol, já apareça nas discussões recentes sobre o maior jogador europeu de todos os tempos. Uma surpresa até para o próprio craque. “É uma honra fazer parte dessa conversa. Você nunca imagina algo assim quando começa a jogar. Há tantos craques, como [Toni] Kukoc, [Drazen] Petrovic. É meio bizarro pensar que um francês possa estar próximo do topo da lista”, confessou.

A seleção francesa está no grupo A da competição, juntamente com Polônia, Israel, Rússia, Bósnia e Finlândia. A equipe estréia na noite deste sábado, contra os finlandeses. Além de Parker, o grupo convocado por Vincent Collet tem outros cinco jogadores que atuam na NBA: Boris Diaw (Spurs), Nicolas Batum (Charlotte Hornets), Evan Fournier (Orlando Magic), Rudy Gobert (Utah Jazz) e Joffrey Louvergne (Denver Nuggets).

Ricardo Stabolito Jr.
Ricardo Stabolito Jr.
Jornalista de 27 anos. Natural de São Bernardo do Campo, mas vive em Salvador há mais de uma década.
  • Dubnation

    Michael Jordan é o idolo de toda atleta

  • Kaio Hetkowski

    só não se machuque, obrigado kkk

    GO SPURS GO !