O Detroit Pistons e Blake Griffin entraram em um acordo nessa segunda-feira e o astro não joga mais pelo time do Michigan. A franquia anunciou que, em um acerto amigável, o ala-pivô de 31 anos vai ficar afastado do elenco até que uma solução para seu futuro seja encontrada – em outras palavras, o veterano seja trocado ou rescinda contrato. É esperado que ele já não faça parte da equipe no final de março, quando a janela de transferências da temporada fecha-se. 

“Depois de várias conversas com os representantes de Blake, nós definimos que vamos começar um processo para facilitar a resolução de seu futuro com o time e maximizar interesses de todos os envolvidos. Respeitamos todos os seus esforços em Detroit e a sua carreira na NBA, então trabalharemos para alcançar um ponto positivo para ele e para nossa organização”, declarou o gerente-geral Troy Weaver, confirmando o afastamento do seis vezes all-star. 

A tendência é que o Pistons trabalhe inicialmente com a perspectiva de negociar Griffin, mas, diante das dificuldades que já encontra há algum tempo para isso, poderá acabar fechando a rescisão com o experiente atleta para que possa juntar-se a um time antes dos playoffs. “Eu sou agradecido à direção da franquia por compreender o que desejo conquistar em minha carreira e trabalharmos juntos para acharmos o melhor caminho para isso”, afirmou o ala-pivô. 

O grande empecilho para trocar o veterano é o seu enorme contrato, que se contrapõe ao desempenho discreto dentro de quadra. Do início da atual temporada até o fim do vínculo, em julho de 2022, ele possui quase US$76 milhões garantidos a receber em salários. De acordo com Kevin O’Connor, do site The Ringer, executivos de Detroit já vem tentando envolver o jogador em uma negociação há mais de um ano sem encontrar nenhum interessado. 

O acordo para a saída de Griffin e ele não joga r mais pelo Pistons seria um passo definitivo rumo à completa reconstrução de elenco de Detroit, com a continuidade do processo de rejuvenescimento do grupo que Weaver foi trazido para conduzir. É esperado que a ausência do veterano abra caminho para que calouros selecionados no último draft, como o pivô Isaiah Stewart e o ala Saddiq Bey – recém-escolhido melhor jogador da semana na conferência Leste. 

Primeira escolha do draft de 2009, o ala-pivô foi um dos jogadores mais empolgantes e responsável por enterradas marcantes na última década da NBA. A sua trajetória, no entanto, sempre teve momentos brilhantes intercalados por uma série de problemas físicos e um histórico de lesões – que, por fim, acabou por colocar sua carreira em declínio. Em 20 jogos na atual temporada, ele acumula médias de 12.2 pontos (com 36.5% de acerto nos arremessos de quadra), 5.2 rebotes e 3.9 assistências.  

A nível de curiosidade, Griffin não enterra uma bola em um jogo da NBA desde 06 de dezembro de 2019.