O Boston Celtics vive uma situação que vem se revelando estranhamente rotineira nessa temporada: uma sequência de derrotas com atuações muito abaixo do esperado. O time perdeu quatro dos últimos cinco jogos e está em uma condição que poucos imaginariam no começo da campanha: acumula recorde negativo e ocupa apenas a oitava posição do Leste após 40 jogos disputados. Jogador há mais tempo no elenco da franquia, Marcus Smart compara o Celtics atual a um cego à deriva, que procura algum tipo de luz.

“Hoje, nós estamos cegos e estamos em busca da luz nessa temporada. Essa não é uma situação simples, mas precisamos continuar procurando. Não podemos desistir. Não vai ser uma jornada fácil e, definitivamente, eu sinto que nossa janela de recuperação está fechando. Sei que tem muita gente por aí já nos apontando como carta fora do baralho. Mas, se existe alguém que pode reencontrar o caminho, sou eu e esses caras juntos”, afirmou o especialista defensivo, em entrevista coletiva na última sexta-feira.

As duas últimas derrotas estão entre as mais preocupantes da temporada, certamente: os comandados de Brad Stevens foram batidos, na sequência, por Sacramento Kings e Cleveland Cavaliers – dois dos sete piores times da NBA no momento. A derrota para o Kings marcou a primeira vez em uma década que o Celtics perdeu as duas partidas da temporada para o adversário. Smart admite que todos os atletas sabem da cobrança interna por resultados e vê o elenco capaz de responder ao momento adverso.

“É claro que há pressão. Pressão da torcida, das pessoas mais leais ao nosso time. Vem de todos os lados. E é uma pressão justa: compreendemos que não estamos jogando à altura do altíssimo padrão que estabelecemos para nós mesmos. Não estamos naquele pedestal que construímos para nós mesmos e temos que aceitar a cobrança inerente a isso. Mas, acima de tudo, entendemos que existe um problema”, reconheceu o armador, concordando as críticas dos torcedores ao desempenho atual da equipe.

Smart ainda revelou que o baixo rendimento do Celtics em quadra também se deriva de problemas pessoais de alguns integrantes do elenco, com a rotina incomum trazida pela ameaça da COVID-19, sobre os quais não quis dar mais detalhes. “A quadra deveria ser o escape para muitos jogadores, mas, infelizmente, há dilemas individuais que alguns vivem e estão sendo levados para dentro das quatro linhas. E, se as coisas começam a dar errado em jogo, isso só aumenta a frustração”, contou o atleta de 27 anos.

O caminho de reabilitação para a franquia de Boston parece, ao mesmo tempo, curto e longo. O desempenho em quadra indica uma jornada de bastante trabalho ainda, mas, embora esteja apenas na oitava posição do Leste, a equipe está a acessíveis 1.5 jogos do quarto colocado, o Miami Heat. Com a experiência de quem já está no time há sete temporadas, o armador acredita que esse elenco já passou por dificuldades o bastante para enfrentar a péssima fase atual de frente e superar.

“Essa não é a primeira temporada em que estamos trabalhando sob críticas muito fortes. Esse grupo já passou por pressão de mudanças nos playoffs, por exemplo, e superamos. Tudo o que precisamos é acertar os ponteiros. É simplesmente encontrar aquela sintonia especial para tudo voltar ao normal. Pode demorar. Pode levar um, dois ou vários jogos. Mas sabemos que, assim que acertarmos, ficaremos bem. E vamos encontrar”, garantiu Smart, preparado para ajudar o Celtics a dar a volta por cima nessa temporada.