Os livros de recordes do Golden State Warriors foram (novamente) reescritos pelo maior jogador de sua história: Stephen Curry ultrapassou o lendário Wilt Chamberlain para tornar-se o máximo pontuador da franquia em todos os tempos, nessa segunda-feira. O craque comandou a vitória contra o Denver Nuggets anotando 53 pontos, alcançando a marca de 17.818 pontos na carreira e superando o antigo recordista. Ele só precisava de 19 pontos para passar o ex-pivô – o que atingiu ainda no primeiro quarto de jogo.

“Isso é maluco! Todas as vezes que ouvimos o nome de Wilt, é meio assustador porque sabemos que alguns dos seus recordes são simplesmente impossíveis de superar. Não vou lembrar quanto jogos ele e eu disputamos pela equipe, mas estar próximo ao seu nome em qualquer lista é surreal, doido demais. Se você cresceu envolvido com esse esporte, sabe que falar em Wilt é o prenúncio de coisas extremamente especiais”, comemorou o armador, em entrevista após o triunfo por 116 a 107.

O Warriors já tinha a celebração pelo feito histórico organizada, uma vez que a anotação de 19 pontos e a quebra do recorde pareciam algo simples para Curry. O jogador de 33 anos vinha em uma sequência de seis atuações consecutivas com 30 pontos ou mais e, agora, possui a maior série de partidas com tal pontuação por um jogador do Warriors desde Rick Barry, em 1967. Após o jogo, logo antes da entrevista coletiva, ele recebeu uma mensagem emocionante de congratulação feita pelo ídolo Chris Mullin.

“Eu assisti aos jogos de Stephen desde o primeiro dia e tem sido um prazer, uma alegria acompanhá-lo. Então, parabéns! E quero agradecê-lo pela forma como você atingiu esse recorde: você traz muita felicidade para o mundo com o seu jogo. É claro que queremos parabenizá-lo, mas, mais importante, eu acho ser dizer-lhe obrigado por sua conduta no dia-a-dia dentro e fora de quadra, por ser um exemplo para os jovens. Parabéns por ser simplesmente você mesmo, Stephen”, declarou o ex-ala, um fã declarado do astro.

Curry admitiu ter sido surpreendido e emocionado pela mensagem de Mullin, que virou um de seus amigos a partir do instante em que estreou pelo Warriors. “Cara, você não sabe o quanto isso significa para mim: o respeito pela minha pessoa, família. Sou bem agradecido, Chris. Fico feliz por ser capaz de representar todos com esse uniforme. Os jogadores que têm as suas camisas aposentadas, como você, são incríveis. É fantástico perceber o quanto o que consegui hoje é grandioso”, agradeceu.

Para o técnico Steve Kerr, a mensagem de Mullin e o dia de festa é só uma minúscula mostra das homenagens que espera para Curry por parte da franquia – hoje, amanhã e para sempre. “Quando jogamos em Dallas agora, nós olhamos para o chão da quadra e há a silhueta de Dirk Nowitzki arremessando seu fadeaway característico. Adoro isso. Foi uma ótima ideia do Mavericks para homenageá-lo. Imagino que teremos algo assim aqui, um dia. Stephen mascando seu protetor bucal, talvez”, brincou o treinador.

É notável que, mesmo que o recorde não existisse, a performance do experiente astro nessa segunda teria enorme significado. Foi a quinta atuação de 50 pontos do armador na carreira e a 18a vez que ele converteu dez ou mais bolas de três pontos em um jogo – recorde absoluto na NBA. Além disso, ele tornou-se apenas o sétimo atleta da história da liga a registrar múltiplas partidas com 50 pontos ou mais na mesma temporada. Pode parecer uma trajetória que caminha para o fim, mas Curry não olha para trás.

“Meu pensamento é sempre viver o momento, mas ansioso pelo que está por vir e o que ainda posso conquistar na carreira. Eu entendo que já deixei uma marca: o jogo mudou bastante nos últimos tempos e sou grande parte disso. Mas não pensei em fazer isso: o meu papel nessa história foi só aproveitar o esporte que amo em cada dia. Acho que é por isso que coisas boas continuam acontecendo comigo. Eu ainda levanto todos os dias e vou para a quadra pensando nos próximos desafios”, concluiu Curry, já pensando no recorde seguinte a bater.