A eliminação do Dallas Mavericks na primeira rodada dos playoffs criou incertezas no futuro da franquia, mas uma coisa parece certa: Luka Doncic assinará a extensão contratual máxima a que vai ser elegível na offseason que está para começar. O astro esloveno sugeriu, em sua entrevista de fim de temporada, que não terá hesitação em abdicar da possibilidade de ser agente livre restrito no ano que vem para fechar novo vínculo do time texano.

“Se eu vou aceitar a extensão de calouro? Bem, acredito que vocês já saibam qual é a resposta”, afirmou o jovem ala-armador, com um sorriso no rosto e sem esconder as suas intenções. Aceitar o alongamento do compromisso é um caminho natural para o jogador europeu, que não poderá receber valor superior de outro time e não vai ter controle sobre o seu destino testando o mercado – os texanos tem o poder de igualar ofertas de quaisquer interessados para mantê-lo em 2022.

De acordo com Bobby Marks, da ESPN, a extensão máxima a que Doncic será elegível é a maior já vista na liga para alguém saindo de um vínculo de novato: projeções indicam pouco mais de US$200 milhões por cinco anos. O valor superior ao padrão do oferecido para outros jovens astros da NBA decorre do fato que o terceiro selecionado do draft de 2018 conseguiu ser selecionado para um dos quintetos ideais da liga já em sua segunda temporada na liga.

Após o sétimo jogo da série contra o Los Angeles Clippers, o treinador Rick Carlisle já havia comentado sobre a importância da manutenção do craque e avaliar mudanças no elenco para melhor apoiá-lo na próxima temporada. “Temos a certeza de que estamos com um dos cinco melhores jogadores do mundo em Luka. As atuações dessa série só validam isso. Agora, nossa obrigação é seguir construindo uma equipe em torno dele. Essa offseason será fundamental para o nosso futuro”, analisou o técnico.

Doncic foi selecionado pelo Mavericks no draft de 2018, vindo de uma carreira bastante condecorada na Europa para um prospecto de 18 anos. E, na NBA, ele só seguiu a sua história de sucesso: foi eleito calouro do ano e já possui duas convocações para o Jogo das Estrelas, além de estar prestes a ser selecionado para um dos quintetos ideais da liga pela segunda vez. Nessa temporada, o esloveno teve médias de 27.7 pontos, 8.0 rebotes e 8.6 assistências em 66 partidas disputadas.