Draft 2020: As necessidades do Charlotte Hornets

Elenco para a próxima temporada (sete contratos garantidos)

PG: Devonte’ Graham (25 anos, US$1,6 milhão)
SG: Terry Rozier (26 anos, US$18,9 milhões) / Malik Monk (22 anos, US$5,3 milhões ) / Cody Martin (25 anos, US$1,5 milhão)
SF: Miles Bridges (22 anos, US$3,9 milhões)
PF: PJ Washington (22 anos, US$4 milhões)
C: Cody Zeller (28 anos, US$15,4 milhões)

Folha salarial: US$50,6 milhões

Agentes livres: Dwayne Bacon (SG/SF, 25 anos, restrito) / Bismack Biyombo (C, 28 anos, irrestrito) / Willy Hernangómez (C, 26 anos, irrestrito) / Kobi Simmons (SG, 23 anos, restrito) / Ray Spalding (PF, 23 anos, restrito)

Contratos não garantidos/parcialmente garantidos/opção do jogador: Nicolas Batum (SG/SF, 31 anos, US$27,1 milhões, opção do jogador) / Caleb Martin (SF, 25 anos, US$1,5 milhão, não garantido) / Jalen McDaniels (PF, 22 anos, US$1,5 milhão, não garantido)

Contratos expirantes: Cody Zeller / Malik Monk

Números da temporada 2019/20

Pontos anotados: 102,9 (pior)
Pontos sofridos: 109,6 (12º)
Eficiência ofensiva: 106,3 (segundo pior)
Eficiência defensiva: 113,3 (sétimo pior)
Pace (posses de bola por jogo): 95,8 (pior)
Assistências por jogo: 23,8 (12º)
Rebotes por jogo: 42,8 (quinto pior)
Desperdícios de bola: 14,6 (14º)
Aproveitamento nos arremessos de quadra: 43,4% (pior)
Aproveitamento nos lances livres: 74,8% (sétimo pior)
Aproveitamento nas bolas de três pontos: 35,2% (12º pior)
Tentativas de arremessos de três pontos por jogo: 34,3 (14º)
Aproveitamento do adversário nas bolas de três pontos: 35,2% (11º)
Pontos sofridos no garrafão: 50,5 (oitavo pior)

Posições carentes: todas

Necessidades da equipe

  • Talento, um jogador capaz de ser o “cara da franquia” nos próximos anos
  • Proteção de aro e um pivô com mais mobilidade (o time foi o oitavo pior em pontos sofridos no garrafão, em 2019/20, e só tem um pivô com contrato garantido, Cody Zeller, que não é um bom defensor e é muito lento)
  • Bons arremessadores (o time foi o pior em aproveitamento nos arremessos de quadra e em pontos anotados em 2019/20)
  • Bons defensores, seja no perímetro ou no garrafão (o Hornets teve a sétima pior defesa na última temporada)

Escolhas no Draft de 2020: 3, 32 e 56

 

Prospectos mais indicados

  • Pick 3
  • LaMelo Ball (PG): LaMelo é um armador com medidas de elite para a posição, dotado de muita criatividade com a bola nas mãos, e que dita o ritmo do jogo. Sua combinação de controle de bola e visão de jogo privilegiada faz dele um pesadelo para os adversários em cenários de pick-and-rolls. Além disso, ele tem experiência no basquete profissional e demonstra muita confiança e personalidade em quadra. Em Charlotte, LaMelo seria o potencial “cara da franquia” pelos próximos anos. Em um time carente de talento em todas as posições, em que o destaque fica por conta do promissor trio de jovens formado por Graham, Bridges e Washington, o Hornets necessita de um prospecto com potencial para se tornar um jogador de alto nível na NBA. LaMelo é aquele típico caso de prospecto que pode virar uma estrela ou ser uma grande decepção na liga. Em um recrutamento sem talento geracional, a aposta do Hornets em Ball seria válida. Com ele, o time jogaria em um ritmo mais acelerado (Hornets teve o menor pace em 2019/20). Agora, o complicado é imaginar Michael Jordan, dono do Hornets, tendo que lidar com o pai ‘mala’ de LaMelo…
  • James Wiseman (C): pivô com medidas de elite, de passadas largas, boa velocidade na quadra aberta, explosão e agilidade para saltar, Wiseman é um grande reboteiro e um tremendo protetor de aro, com excelente timing na defesa de ajuda e solidez trocando em jogadores menores no perímetro. No ataque, ele tem um ótimo tempo de bola para finalizar pontes aéreas. Wiseman faz muito sentido em Charlotte devido à carência do time na posição 5. Ele traria a proteção de aro e a capacidade de angariar rebotes que o Hornets tanto necessita. Além disso, Wiseman é um big man móvel, com agilidade suficiente para se dar bem nas trocas defensivas contra adversários mais baixos. No ataque, ele também seria explorado nos cenários de pick-and-roll com Graham, dada a sua capacidade como espaçador vertical, e como rim runner. Wiseman é um projeto de médio prazo e, ser draftado por um time sem tantas aspirações na próxima temporada como o Hornets, talvez seja um bom cenário para que ele tenha tempo de quadra, se desenvolva e atinja seu teto como jogador, que é alto. Mas é bom lembrar que o potencial de Wiseman será melhor explorado se a equipe que o selecionar jogar em um pace mais alto, coisa que não ocorreu com o Hornets na última temporada. Então, se quiser tirar o melhor do pivô, a equipe de Charlotte vai ter que acelerar o jogo.
  • Onyeka Okongwu (C): Okongwu é um pivô dotado de muita força física e mobilidade, que corre a quadra com fluidez e tem agilidade lateral acima da média. Ele é um ótimo e versátil defensor, com destaque para a proteção do aro, eficiente na defesa de pick-and-roll e nas trocas de marcação. Além disso, Okongwu é um excelente finalizador no pick-and-roll e um passador subestimado. Enfim, ele é uma escolha segura, com potencial imenso de melhoria em vários aspectos do jogo. Com todos os seus atributos físico-atléticos, Okongwu preencheria a lacuna do Hornets na posição 5 e formaria uma promissora e versátil dupla de garrafão com PJ Washington. Ele seria a âncora defensiva de uma equipe que sofre muitos pontos no garrafão, e tem potencial para se tornar um passador confiável no post. No ataque, ele seria bastante utilizado no pick-and-roll com Graham. Enfim, Okongwu é um pivô moderno, com ferramentas suficientes para “reinar” em Charlotte por anos.

 

  • Pick 32
  • Desmond Bane (SG/SF): um dos prospectos mais subestimados deste ano, Bane chega à NBA para contribuir de imediato. Ele tem os atributos necessários (força física, arremesso consistente do perímetro e elevado QI de basquete nos dois lados da quadra) para estabelecer uma carreira sólida como role player. Bane não precisa da posse da bola para ser efetivo em quadra e atua sempre com muita disciplina, dedicação e em prol do time. Caso esteja disponível a essa altura (acho difícil), Bane seria uma adição valiosa para o perímetro do Hornets, carente em arremessos consistentes e de jogadores com alto QI de basquete.
  • Grant Riller (PG/SG): forte candidato a steal do recrutamento, Riller tem um atleticismo acima da média, um primeiro passo explosivo e um excelente controle de bola. Ele é um tremendo finalizador ao redor do aro, que não foge do contato físico, e exibe boa leitura de jogo como defensor coletivo. É preciso deixar claro: Riller é ótimo com a bola nas mãos, sem ela, deixa a desejar. Em Charlotte, ele poderia desempenhar o papel de sexto homem, tendo a bola nas mãos, liderando a segunda unidade e contribuindo com pontuação. Riller seria de grande valia para o sofrível ataque do Hornets.
  • Cassius Winston (PG): Winston é um armador que equilibra a habilidade de puxar o ritmo da partida com um ótimo cuidado com a bola. Sua versatilidade como arremessador, que o permite atuar fora da bola, aliada à solidez na tomada de decisões (paciente para ler as defesas adversárias), o projetam como um encaixe seguro em uma rotação na NBA. Winston chegaria ao Hornets para ser uma opção para a posição 1 vinda do banco. Assim como Bane, o considero uma aposta segura na segunda rodada, já que ele é um playmaker confiável, com sólidos fundamentos e que compreende bem o jogo.
  • Xavier Tillman (C): melhor pivô passador da classe deste ano, Tillman é dotado de muita força física, com o corpo pronto para encarar o nível profissional. Ele é um grande finalizador ao redor da cesta, não fogo do contato e tem um controle corporal elogiável. Além disso, Tillman tem um elevado QI de basquete nos dois lados da quadra; exibe leitura avançada das rotações defensivas (no perímetro e no garrafão), não força arremessos nem passes, é um excelente protetor de aro e sabe atuar em um papel limitado. Caso o Hornets não selecione um pivô na terceira escolha, Tillman seria uma sólida adição para o garrafão da equipe, e teria um bom encaixe com PJ Washington. Pivô defensivo, inteligente e grande passador? Aproveita, Charlotte!
  • Daniel Oturu (C): pivô dotado de muita força física, Oturu chama a atenção pela versatilidade ofensiva e por ser um reboteiro de elite. Ele tem um jogo de costas para a cesta muito eficiente e potencial para se tornar um stretch 5 na NBA (pivô que espaça a quadra e arremessa do perímetro). Apesar das limitações atléticas, Oturu trabalha muito bem nos screens e seria uma boa adição a uma equipe que possua um grande playmaker e explore bastante o pick-and-roll. Além de Tillman, outra boa opção para a posição 5 seria Oturu, um big man capaz de espaçar a quadra, algo que seria de grande valia para o time de Charlotte.
  • Zeke Nnaji (C): Nnaji é um pivô que possui a rara combinação de estatura e condição atlética para um jogador de garrafão. Excelente arremessador de média distância, muito utilizado em pick-and-pops, ele dá mostras de que pode se tornar um pivô espaçador de alto nível. Nnaji exibe talento natural para ser explorado no pick-and-roll: além de fazer bons bloqueios, ele colocará defesas em dificuldade por combinar agilidade e explosão de um roller. Grande reboteiro ofensivo, ele tem potencial para fechar arremessos de três pontos e marcar jogadores de perímetro em trocas de marcação por conta de sua mobilidade e agilidade lateral. Nnaji é outra boa opção para a posição 5. Ele tem mais upside que Tillman e Oturu, e várias das habilidades que a NBA procura em um pivô nos dias atuais. Nnaji é um projeto de médio e longo prazo, algo que não parecer ser um problema para o Hornets.

 

  • Pick 56
  • Payton Pritchard (PG): armador dotado de um controle de bola extremamente avançado, com movimentos de hesitação e troca de direção fluido, Pritchard é um atleta inteligente, que faz leituras e toma decisões sóbrias com a bola nas mãos. Embora não seja um armador puro, ele evoluiu sensivelmente como playmaker. Além disso, ele é um ótimo e dinâmico arremessador, elogiado pela ética de trabalho e pelo poder de decisão. Armador com elevado QI de basquete sobrando aqui? O Hornets não pode deixar passar.
  • Ashton Hagans (PG): Hagans é um armador que possui um excelente controle de bola, destaca-se por ser um excelente infiltrador e que exibe eficiência operando no drive and kick. Ótimo defensor individual, ele tem agilidade lateral para fechar espaços em drives e agressivo o bastante para desarmar adversários, além de exibir instintos de antecipação apurados e muita competitividade em quadra. Hagans seria outro estilo de armador para o Hornets, com seu enorme potencial defensivo. Ele seria útil, sobretudo, caso o time de Charlotte resolva negociar Terry Rozier.

 

Siga o Jumper Brasil em suas redes sociais e discuta conosco o que de melhor acontece no basquete:

Instagram
Youtube
Twitter
Facebook