Joel Embiid deixou uma ótima última impressão antes do Jogo das Estrelas. O craque comandou uma épica vitória do Philadelphia 76ers – que, assim, assegurou a liderança da conferência Leste durante a parada – diante da melhor equipe da NBA, o Utah Jazz, anotando 40 pontos e 19 rebotes. A impressionante atuação contra o pivô Rudy Gobert foi especialmente importante porque derrotá-lo para levar o prêmio de defensor do ano é um objetivo pessoal que Embiid carrega na temporada. 

“Enfrentar Rudy é simbólico para mim porque um dos meus objetivos é ser eleito melhor defensor do ano na liga. Então, a partida contra um ótimo jogador que faz tantas coisas que não aparecem nas estatísticas acorda algo diferente em meu jogo. Quero dominar, no ataque e especialmente na defesa. Esses são os duelos que provarão que devo estar lá em cima, individual e coletivamente, nesses rankings e listas”, afirmou o atleta camaronês, em entrevista após a vitória por 131 a 123. 

A rivalidade de Embiid com Gobert, porém, é carregada de antes da atual temporada e até poderia ser classificada como uma sensação de revanchismo da parte do titular do Sixers. Em entrevista concedida à ESPN em dezembro, o astro de 26 anos reconheceu ter ficado ofendido por perder lugar nos quintetos ideais da liga na campanha passada para o gigante francês. O atleta de origem africana não esconde que isso já lhe serviu como “combustível” no melhor momento de sua carreira.

“É muito justo pensar que isso aconteceu. Isso influencia a minha mentalidade entrando em quadra nessa temporada: destruir quem surgir em minha frente. Mas o passado é o passado. Nesse momento, o que realmente me motiva é vencer jogos. É o que elevará as minhas chances de ser defensor do ano, MVP da liga e tudo mais. Quando preciso fazer algo em quadra, ofensiva ou defensivamente, simplesmente faço”, sentenciou a referência do Sixers 

O astro esteve presente em 30 partidas da atual campanha, acumulando médias de 30.2 pontos (com 41.6% de conversão nos arremessos de longa distância), 11.6 rebotes, 3.3 assistências, 1.2 roubos de bola e 1.4 tocos em 33 minutos de ação por noite. Esses são números que credenciam, hoje, ele como favorito ao prêmio de jogador mais valioso da temporada. As ambições podem ter aumentado, mas Embiid garante que tudo começou “apenas” com o objetivo de ser o melhor defensor da liga. 

“Quando eu cheguei à NBA, eu nunca pensei que seria tão bom ofensivamente. Sempre foquei no lado defensivo, por isso é tão importante ser escolhido defensor do ano para mim. Essa é uma meta pessoal que estabeleci desde que pisei em uma quadra da liga pela primeira vez. É óbvio que dominar os jogos no ataque é algo que passei a fazer também, mas seria ótimo como conquista particular ser reconhecido pela qualidade defensiva”, finalizou o pivô, com foco especial em um prêmio nesse ano.