Jogadores da NBA refletem sobre racismo nos Estados Unidos.

Diante do boicote e protestos na liga, Jumper Brasil reúne alguns dos comentários mais emblemáticos sobre essa mazela social global

Os jogadores da NBA refletem sobre o racismo nos Estados Unidos

A NBA não se cala diante do racismo e injustiça social. Os jogadores pararam nessa semana por conta de mais um caso de violência policial contra um homem negro nos EUA. Isso trouxe uma reflexão coletiva e separamos os comentários mais impactantes de atletas da liga sobre esse problema social global. Jogadores NBA racismo.

 

“O problema do racismo não é apenas político, mas humanitário e de senso comum. Isso deriva-se da falta de educação, da ignorância. Nós temos que quebrar esse ciclo vicioso e não passar mais esse problema para uma próxima geração” (Marc Gasol, pivô do Toronto Raptors)

 

“A injustiça social é maior do que o basquete. Como um homem afro-americano, que tem uma família negra lá fora, eu pergunto-me quando isso vai parar. Quando vamos nos sentir confortáveis, seguros? Isso é duro. Só quero que acabe” (Donovan Mitchell, ala-armador do Utah Jazz)

 

“Eu acredito em bons policiais. E só queremos nos proteger. Nós estamos sendo mortos. Enforcados. Levando tiros. É impressionante como insistimos em amar esse país e esse país não nos ama em retorno” (Doc Rivers, ex-armador e atual técnico do Los Angeles Clippers)

 

“Nós estamos com medo. Como afro-americanos, vivemos com medo cada dia. Cada homem, mulher e criança negra dos EUA está aterrorizado. Para ser sincero, a nossa sociedade está com sérios problemas” (LeBron James, ala do Los Angeles Lakers)

 

“Eu não vou ficar em silêncio. Provocar mudanças exige coragem e sacrifícios. Meus irmãos na NBA têm feito um grande trabalho para levar essa causa adiante. Então, todos, registrem-se para votar. Façam a diferença. Sejam ouvidos. Falem!” (Andre Drummond, pivô do Cleveland Cavaliers)

 

“Saber que os filhos de Jacob Blake ficarão traumatizadas pelo resto de suas vidas por verem o pai ser baleado sem nenhum motivo é inimaginável. Quantos pontos anotamos ou quantos jogos vencemos, não fazem a menor diferença diante disso” (Jayson Tatum, ala do Boston Celtics)

 

“Nós estamos aqui por um motivo: usar a nossa plataforma para enviar uma mensagem, criar caminhos e trazer uma mudança. Mas não sei… Às vezes, simplesmente parece que estamos parados. Que paramos e não vamos avançar” (Pascal Siakam, ala-pivô do Toronto Raptors)

 

“Nós viemos à ‘bolha’ da NBA para usar nossas vozes, mas, lá fora, ainda há homens negros desamados sendo alvejados nas ruas. É ridículo. É difícil estar confinado porque, por mais altas que falemos, acho que nossa presença seria muito mais sentida” (Lou Williams, armador do Los Angeles Clippers)

 

“Essas coisas simplesmente não podem continuar acontecendo. Não podem. Nós temos que lutar. Temos que lutar contra o racismo. É mais um dia triste para todos. Mais um dia triste. Mais um. Até quando?” (Chris Paul, armador do Oklahoma City Thunder)

 

“O mundo precisa mudar. Nossa polícia precisa mudar. Nós precisamos mudar. E não vejo nada até agora. Vidas continuam sendo tiradas enquanto falamos sem nenhuma consequência. Coisas como o que ocorreu com Jacob Blake partem o meu coração. Isso tem que mudar” (George Hill, armador do Milwaukee Bucks)

 

“É exaustivo ser negro nos EUA, especialmente quando se é famoso. Há sempre alguma coisa acontecendo, uma violência sendo cometida. Eu admiro nossos jogadores porque não é algo fácil. Nós estamos cansados disso o tempo inteiro” (Charles Barkley, ex-jogador da NBA e comentarista esportivo)