O declínio de sensação e esperança para decepção foi bem rápido para Kevin Knox no New York Knicks. Depois de uma campanha de estreia elogiada, o atleta de 20 anos perdeu muito espaço na atual temporada e viu sua média de pontos cair pela metade, prejudicado pelos menos de 36% de conversão nos arremessos de quadra. Os indícios técnicos não são nada otimistas, mas o ex-treinador do ala no basquete universitário garante que não é hora da equipe nova-iorquina desistir do jovem.

 “Alguns jogadores são ainda mais jovens do que sua idade cronológica – e Kevin é um deles. Ele era o atleta mais novo do seu draft e vai levar certo tempo para que desenvolva seu potencial. O que você não quer é ver um time abrindo mão de um garoto talentoso muito cedo e, em pouco tempo, estar lamentando. Pensando que deveriam ter esperado mais, não ter largado mão agora”, disse o comandante da Universidade de Kentucky, John Calipari, em entrevista à rede Sports NY.

Especialista em jovens talentos, Calipari crê que jogadores com biofísico e estilo de jogo de Knox realmente demoram mais para desenvolver-se. “Atletas habilidosos e altos só precisam de tempo, mas o jogo vem naturalmente para eles. Kevin possui braços longos, noção de basquete e o arremesso melhora ao longo da carreira. No final das contas, você simplesmente não quer desistir de um menino com recursos e potencial assim”, avaliou o experiente técnico.

Knox, que chegou à NBA com a perspectiva de ser um grande arremessador, vem decepcionando nesse quesito como profissional: após acertar pouco mais de 34% das tentativas de longa distância como calouro, o nono escolhido do draft de 2018 vinha convertendo apenas 32.7% dos tiros de três pontos na temporada paralisada.