Grandes temporadas já são uma constante na carreira de Damian Lillard – e, como esperado, a tradição continua nesse ano. O armador vem comandando um Portland Trail Blazers bastante desfalcado à quarta colocação do Oeste, com sete vitórias nas últimas oito partidas. Os resultados credenciam Lillard mais uma vez para disputar o prêmio de MVP da NBA e, mais importante, ele realmente se vê nesse patamar.  

“Eu acho que a minha performance nessa temporada é o que você espera de um MVP. E, obviamente, eu vejo-me no topo da liga. Sou um dos melhores jogadores da NBA atual. Estou no patamar de um MVP da NBA e a forma como o nosso time vem jogando, diante das circunstâncias que o time vive, faz essa constatação ainda mais óbvia para mim”, afirmou o astro de 30 anos, em longa entrevista ao site The Athletic. 

As circunstâncias citadas por Lillard são uma parte importante da campanha do Blazers até agora. A franquia perdeu dois de seus titulares mais importantes, C.J. McCollum e Jusuf Nurkic, para longo período dentro da temporada, o que criou a expectativa de queda natural na classificação. Desde então, o veterano uniu-se a Carmelo Anthony, Robert Covington e um grupo de jovens talentos para contrariar os analistas. 

“Os melhores jogadores ganham o MVP e acredito que isso torne-se ainda mais evidente para atletas que carregam situações difíceis, que são mais responsáveis pelas vitórias e derrotas do time. Sem C.J. e Jusuf, a minha responsabilidade aumentou. Minha atenção aumentou e a margem de erro diminuiu. Esse é o cenário que forma um MVP”, apontou o veterano, grande ídolo da equipe do Oregon nos últimos anos. 

Como sempre, o desempenho de Lillard tem sido especialmente chamativo nos instantes decisivos dos jogos: ele acertou 18 em 31 arremessos no chamado clutch time (minutos finais de jogos com diferença de até cinco pontos) e o Blazers venceu seus rivais por um somatório de 29 pontos no período em que ele esteve em quadra. O armador sabe que, apesar da qualidade do elenco, ele é quem precisa aparecer no “Dame Time”.  

“É claro que nem tudo sou eu, longe disso. Mas sei que, às vezes, há instantes que você precisa reconhecer que as suas ações são o que, primordialmente, impactarão a vitória ou derrota do seu time. E acho que nunca estive tão apurado quanto a isso. Realmente sinto que essa é a melhor temporada da minha carreira até agora”, afirmou o craque, indicando viver o seu melhor momento técnico em uma década na NBA. 

Em 26 partidas disputadas na temporada, Lillard acumula médias de 29.3 pontos (com 38% de aproveitamento nos arremessos de quadra), 4.4 rebotes e 7.4 assistências em quase 36 minutos de ação. Mas, independentemente dos números, ele aposta que sua melhor qualidade nessa campanha tem sido desenvolver noção mais ampla de liderança no dia-a-dia, enquanto tenta superar as ausências importantes do time.  

“Descobri ao longo da carreira que, quando os companheiros sentem um real carinho e confiança da sua parte, você consegue mais deles. Eles jogam mais duro e com mais autoestima. Uma evolução minha nessa temporada tem sido a capacidade de manter nosso time entrosado e focado em vencer. Tal senso de liderança inclusiva está muito além dos números”, concluiu Lillard, sentindo ser um melhor líder e mais candidato a MVP do que nunca nesse ano.