Paul Pierce, Chris Bosh e Ben Wallace são alguns dos ex-jogadores da NBA que estão entre os finalistas por um espaço no Hall da Fama. O Naismith Memorial anunciou os indicados pelo comitê de honra para a classe de 2021 do templo máximo do basquete nessa terça-feira, com uma relação de 14 lendas do esporte que incluem ex-atletas e treinadores(as) do basquete colegial, universitário e profissional. Outro destaque da lista é o lendário Bill Russell, agora reconhecido por seu trabalho como técnico.

“Embora nosso calendário de eventos do último ano tenha sido adaptado para ajustar-se à realidade de uma pandemia global, nós nunca abandonamos o nosso compromisso de renovar o lindo Hall da Fama reconhecendo os gigantes do basquete que merecem estar imortalizados aqui. Revelar os finalistas da classe desse ano é um grande passo rumo a reconhecer os homens e as mulheres que contribuíram enormemente para a modalidade que celebramos”, declarou o presidente do Naismith Memorial, Jerry Colangelo.

Além dos três ícones já citados, outros quatro ex-jogadores estão entre os finalistas do Hall da Fama: Tim Hardaway, Chris Webber, Marques Johnson e Michael Cooper. Rick Adelman faz companhia a Russell entre os ex-técnicos da NBA indicados. O treinador atual da Universidade de Villanova, Jay Wright, é o último finalista masculino. Quatro mulheres completam a lista: as ex-jogadoras Lauren Jackson e Yolanda Griffith, além das treinadoras Marianne Stanley e Leta Andrews (já aposentada).

O anúncio dos finalistas costuma acontecer em uma cerimônia especial durante o fim de semana do Jogo das Estrelas da NBA, mas, pela condensação das festividades devido à pandemia da COVID-19, a lista foi divulgada no programa “The Jump”, da ESPN norte-americana. Pierce foi um dos convidados da atração e emocionou-se ao comentar sobre a indicação para uma vaga entre os imortais da modalidade – logo no primeiro ano em que era elegível.

“O Hall da Fama é o ponto final. É o ponto final para qualquer jogador, para uma vida no basquete. Você entra na NBA, trabalha em seu jogo e vê o resultado de tudo isso agora. Mesmo tendo minha camisa aposentada pelo Boston Celtics, eu sabia que tinha mais um passo. É o fim de uma história, o caminho para a eternidade. Estou honrado por ser simplesmente citado, ser considerado um finalista. Trabalhei bastante duro para chegar aqui”, contou o ex-ala, que deverá estar entre os escolhidos pelo comitê.

O anúncio dos eleitos da classe de 2021 do Hall da Fama vai acontecer em 16 de maio e, além dos escolhidos dentro da lista de 14 nomes aqui citados, ainda serão confirmados os escolhidos pelos grupos de elegibilidade direta do Naismith Memorial. Existem cinco equipes especiais, independentes do comitê de honra, com o direito de selecionar um indivíduo e colocá-lo diretamente entre os eleitos: comitê internacional, dos veteranos, das veteranas, dos contribuintes do esporte e dos pioneiros afro-americanos.

No mesmo final de semana do anúncio dos eleitos de 2021, o Naismith Memorial vai realizar a cerimônia de introdução da turma do ano passado. O evento é aguardado por tratar-se de uma das classes mais “pesadas” da história do Hall da Fama, comandada pelos ídolos Tim Duncan, Kevin Garnett e Kobe Bryant.

Confira a lista completa de finalistas do comitê de honra do Hall da Fama em 2021, com um pequeno currículo de seus feitos no esporte:

Ben Wallace (ex-jogador): Quatro vezes all-star e eleito melhor defensor da NBA em quatro oportunidades. Liderou a liga em média de rebotes por dois anos, além de ter sido selecionado para um dos quintetos ideais da temporada em cinco oportunidades. Campeão da NBA e dono de camisa aposentada pelo Detroit Pistons.

Bill Russell (ex-treinador): Primeiro treinador negro da história da NBA, bicampeão da liga como técnico-jogador do Celtics na final da década de 1960. Venceu 341 partidas na carreira à beira das quadras, que também teve passagens pelo comando de Seattle Supersonics e Sacramento Kings. Eleito para o Hall da Fama como jogador em 1975.

Chris Bosh (ex-jogador): Escolhido 11 vezes para o Jogo das Estrelas e bicampeão da NBA como titular do Miami Heat, onde possui camisa aposentada (#1). Conquistou o título nacional colegial invicto pela Lincoln High e medalha de ouro oímpica em Pequim-2008. Teve médias de 19.2 pontos e 8.5 rebotes em quase 900 jogos profissionais.

Chris Webber (ex-jogador): Cinco vezes escolhido para o Jogo das Estrelas e um dos quintetos ideais da liga. Eleito calouro do ano da NBA em 1994 e viria a liderar a liga em rebotes cinco anos mais tarde. Camisa aposentada pelo Sacramento Kings. Teve médias de 20.7 pontos, 9.8 rebotes e 4.2 assistências em 831 jogos.

Jay Wright (treinador): Duas vezes selecionado melhor treinador da temporada da NCAA, Wright é o atual comandante da Universidade de Villanova e liderou o programa a dois títulos nacionais nos últimos cinco anos. Primeiro técnico da história do basquete universitário a comandar um time a quatro campanhas consecutivas de 30 vitórias.

Lauren Jackson (ex-jogadora): Maior jogadora do basquete australiano, ela é uma sete vezes all-star da WNBA que conquistou ainda três prêmios de MVP da liga, um troféu de melhor defensora e dois títulos com o Seattle Storm. Dona de três medalhas de prata olímpicas. Foi eleita uma das 20 melhores jogadoras da história da WNBA, em 2016.

Leta Andrews (ex-treinadora): Ex-treinadora do basquete colegial feminino por mais de 50 anos e técnica com maior número de vitórias na história do circuito de high schools de ambos os sexos. Já é integrante dos Hall da Fama do basquete feminino e colegial norte-americano.

Marianne Stanley (treinadora): Atual técnica do Indiana Fever (WNBA), Stanley tem uma carreira de 40 anos no basquete. Ela foi campeã universitária no comando de Old Dominion em 1985 e tem mais de 400 vitórias na NCAA. Trabalha com profissionais desde 2000 e levou o prêmio de melhor treinadora da temporada da WNBA em 2002.

Marques Johnson (ex-jogador): Ex-ala selecionado para cinco Jogos das Estrelas e três quintetos ideais da temporada da NBA. Foi campeão universitário por UCLA e, dois anos depois, levou o prêmio de melhor jogador do basquete universitário. Teve médias de 20.1 pontos e 7.0 rebotes em quase 700 jogos na liga profissional. Camisa aposentada pelo Bucks (#8).

Michael Cooper (ex-jogador): Ídolo em Los Angeles, Cooper foi o especialista defensivo do lendário Lakers do Showtime. Pentacampeão da NBA na década de 1980, além de ter sido eleito melhor defensor da liga em 1987. Selecionado para um dos dois quintetos ideais de defesa da competição em oito oportunidades.

Paul Pierce (ex-jogador): Um dos maiores jogadores da história do Celtics, Pierce tem dez convocações para o Jogo das Estrelas e quatro seleções para um dos times ideais da liga em 19 anos de carreira. Foi campeão da NBA com Boston em 2008, sendo escolhido MVP das finais na oportunidade. É o 19o maior pontuador da história da liga, com quase 27.000 pontos anotados. Possui camisas aposentadas pelo Celtics e Universidade de Kansas (#34).

Rick Adelman (ex-treinador): Ex-técnico com mais de três décadas de carreira na NBA e um dos nove profissionais com mais de 1.000 vitórias à beira das quadras na liga. Seus times chegaram aos playoffs em 16 oportunidades, tiveram 13 temporadas com 50 ou mais vitórias e fizeram duas aparições nas finais (Blazers, 1990 e 1992).

Tim Hardaway (ex-jogador): Cinco vezes selecionado para o Jogo das Estrelas e membro de um dos quintetos ideais da liga em cinco oportunidades. Campeão olímpico em 2000 e camisa aposentada pelo Miami Heat (#10). Médias de 17.7 pontos e 8.2 assistências em 867 jogos na NBA.

Yolanda Griffith (ex-jogadora): Lenda da WNBA eleita para sete Jogos das Estrelas e campeã em 2005, pelo Sacramento Monarchs. Foi vencedora dos prêmios de MVP e melhor defensora da liga na carreira, além de ter sido reconhecida como uma das 20 maiores jogadoras da história da WNBA. Bicampeã olímpica com a seleção norte-americana.