Confira a previsão que o Jumper Brasil preparou sobre Brooklyn Nets e Milwaukee Bucks, que iniciam o confronto de segunda rodada dos playoffs da conferência Leste nesse sábado. 

  

  

Brooklyn Nets (2º) x (3º) Milwaukee Bucks 

  

Confrontos na temporada  

Nets 1 x 2 Bucks 

18/01 – Brooklyn Nets 125 x 123 Milwaukee Bucks 
02/05 – Milwaukee Bucks 117 x 114 Brooklyn Nets
04/05 – Milwaukee Bucks 124 x 118 Brooklyn Nets 

  

Datas do confronto 

05/06 – Brooklyn Nets x Milwaukee Bucks – 20h30 
07/06 – Brooklyn Nets x Milwaukee Bucks – 20h30 
10/06 – Milwaukee Bucks x Brooklyn Nets – A definir
13/06 – Milwaukee Bucks x Brooklyn Nets – 16h
15/06 – Brooklyn Nets x Milwaukee Bucks – A definir* 
17/06 – Milwaukee Bucks x Brooklyn Nets – A definir* 
19/06 – Brooklyn Nets x Milwaukee Bucks – A definir* 

*Se necessário
S/D – Sem data definida
Horários de Brasília 

  

 

  

Brooklyn Nets (48-24) 

 

O Nets é a grande atração da temporada: se não bastasse poder contar finalmente com Kevin Durant e Kyrie Irving juntos, o time nova-iorquino ainda fechou uma troca para adquirir James Harden com 20 jogos de campanha e formar o “Big Three” de Brooklyn. O trio de craques não esteve reunido em quadra, no entanto, nem em dez jogos dessa campanha. E, para ter uma ideia, isso já foi o bastante para que a equipe garantisse o segundo melhor recorde do Leste. 

Ou seja, dá para dizer que estamos assistindo à estreia da trinca de astros da franquia nos playoffs: é a primeira vez que jogam cinco partidas consecutivas juntos. A vitória tranquila na série contra o Boston Celtics foi um bom sinal, mas também um resultado amplamente esperado que não mostrou nada particularmente novo sobre esse time. A defesa só funcionou, de fato, em uma partida (jogo 2), enquanto o ataque foi o mais eficiente dos playoffs até o momento. 

Se Jayson Tatum já foi um desafio pontual para o Nets, agora os nova-iorquinos têm um adversário que traz real perigo de eliminação na série que todos já estão ansiosos para assistir. O Celtics foi um bom aquecimento. Chegou o momento do “Big Three” mostrar a sua grandeza. 

Time titular: Blake Griffin / Kevin Durant / Joe Harris / James Harden / Kyrie Irving  

  

 

  

Milwaukee Bucks (46-26) 

 

O Bucks encerrou a última temporada com a certeza de que, embora tivesse acumulado o melhor recorde da liga por dois anos seguidos, muita coisa precisava mudar. A equipe que muito bem funcionava em campanha regular havia sido exposta nos playoffs – pelo Miami Heat, especialmente, na “bolha”. A permanência de Mike Budenholzer não soava promissora, mas a chegada de Jrue Holiday e a reformulação do elenco de chutadores foi o que necessitavam para dar o próximo passo. 

A comprovação da mudança aconteceu na primeira rodada dos playoffs: em uma nova série contra o Heat, exorcizaram seus demônios em uma “varrida” redentora sobre o algoz de 2020. Mais do que isso, a vitória foi a prova de que muitas das alternativas e testes feitos pelo treinador ao longo da temporada baseados na eliminação na “bolha” são úteis – o uso do astro Giannis Antetokounmpo com mais frequência em ações sem a bola e uma defesa mais adepta a trocas de marcação, por exemplo. 

Agora, o time do Wisconsin chega à série que todos mais aguardam nas semifinais de conferência: o duelo contra o poderoso Brooklyn Nets, colocando sua defesa à prova contra os craques Kevin Durant, James Harden e Kyrie Irving. O Bucks está vingado após a “varrida” contra o Heat, mas não satisfeito. 

Time titular: Brook Lopez / Giannis Antetokounmpo / Khris Middleton / Pat Connaughton / Jrue Holiday 

  

 

  

Análise do confronto 

Nets e Bucks é a série que todos queriam ver nas semifinais de conferência desde que o chaveamento dos playoffs foi definido, incluindo dois dos três favoritos do Leste. O time do Wisconsin ganhou duas das três partidas disputadas na temporada regular – os dois jogos mais recentes, em maio –, mas isso tende a dizer muito menos do que o possível porque os nova-iorquinos não jogaram nenhum desses compromissos com os seus três astros juntos – um deles sempre era desfalque. 

Independentemente disso, parece seguro dizer que Milwaukee estará em total comando do garrafão nessa série. Trata-se de uma das equipes que mais contabilizaram rebotes durante a temporada regular, vindo de dominar o Heat na área pintada, enquanto esse Brooklyn foi um dos piores times da competição em rebotes defensivos e sempre teve um elenco anêmico em termos de pivôs. Não me parece que exista alguma alternativa que evite esse fator, sinceramente. 

Perder o garrafão seria um beijo da morte para muitas equipes contra o Bucks – como ocorreu, na verdade, para Miami –, mas o Nets é um monstro diferente. Eles têm um arsenal tão diverso com seus três astros (incluindo pullups da linha de três, criação de arremessos em média distância e capacidade de infiltração) que simplesmente podem manter um dos ataques mais produtivos da liga com pouca necessidade de entrar na área pintada. 

 

É provável que esses dois times tenham uma predileção por um jogo mais rápido: o Bucks teve o segundo maior ritmo da temporada, enquanto o Nets teve o 11o maior número de posses de bola por partida e terá interesse em um jogo de maior volume para alimentar seus astros – como aconteceu em seus melhores momentos na série contra o Celtics. Ambos tiveram índices muito próximos de taxa de erros de ataque, então não há maior predisposição de permitir a “correria”. 

A julgar pelos confrontos da temporada regular, Holiday seria o marcador natural de Harden – foi o jogador do Bucks mais eficiente, de longe, marcando o “Barba” – e o trabalho de parar Durant ficaria entre Antetokounmpo e Khris Middleton. O defensor teórico para Irving seria Donte DiVincenzo, mas, com a sua ausência por lesão, a expectativa é que Pat Connaughton assuma a posição e a tarefa. É a alternativa que menos traz perda defensiva ao time, mas também sem inspiração ofensiva. Em ótima fase, Bryn Forbes seria o substituto ideal. O problema é que ele tende a ser “caçado” na defesa a la National Geographic por Irving e Harden.

Mas esse encaixe não é, provavelmente, a melhor opção para o Bucks: a tendência é que o time queira trocar marcação na defesa para minimizar os espaços do trio sem precisar “dobrar”. Milwaukee possui essa capacidade caso substitua Brook Lopez por uma formação mais ágil, com Antetokounmpo ou o reserva P.J. Tucker assumindo a posição, trazendo um quinteto defensivamente versátil ao extremo para a quadra. Não sei se há melhor recurso para tentar parar o poder de fogo de Brooklyn.   

  

O Nets não tem alternativas defensivas para anular todos os astros adversários, então sua missão deve girar especialmente em com utilizar os seus recursos defensivos para parar o duas vezes MVP Antetokounmpo. O time sofreu quase 40 pontos por jogo do grego nos duelos da temporada regular, mas a estratégia defensiva foi bem sucedida: ele tentou quase metade de seus arremessos fora do garrafão, incluindo média perto de nove tiros de três pontos. Tirá-lo da área pintada é o que todos querem mesmo. 

Essa estratégia foi implementada com o uso de atletas como Durant, Jeff Green (que está lesionado) e Blake Griffin na marcação de Antetokounmpo. O expediente deve seguir o mesmo: defensores oferecendo um pouco de espaço, mais interessados em fechar o garrafão do que propriamente “dar combate” no perímetro. Incentivá-lo a arremessar do que invadir o garrafão é a ordem, em resumo, apostando que esses resultados absurdos da temporada regular não serão regulares. 

Por isso, eu imagino que uma mudança no quinteto titular do Nets que enfrentou o Celtics é possível: Blake Griffin ser colocado no banco de reservas para bater de frente com as formações mais leves do Bucks, enquanto alguém como Nicolas Claxton e (mais provável) DeAndre Jordan começa os jogos para bater de frente com Brook Lopez nos primeiros minutos de ação. Não ficaria surpreso ainda de vermos formações super leves usadas durante a série, com Durant como atleta mais alto e Bruce Brown no perímetro. 

 

Bucks e Nets são equipes mais semelhantes do que parecem e acho que entram nessa série planejando fazer jogos até que relativamente semelhantes (ritmo rápido, impedir infiltrações, trocar marcação quando possível, enorme poderio da linha de três pontos). Os nova-iorquinos têm a vantagem de mando de quadra e talento no elenco, enquanto os comandados de Mike Budenholzer soa ser uma equipe mais entrosada e defensivamente muito mais capaz.  

Há um motivo para ser uma série tão aguardada: é difícil imaginar o que vai acontecer aqui, mas podemos ver um duelo de muitos jogos entre esses times. É a típica série em que você não vence, mas sim sobrevive. 

  

Palpites Jumper 
Editor                                             Palpite                    
Gustavo Freitas  BUCKS EM 6 
Gustavo Lima  NETS EM 7 
Ricardo Stabolito Junior  BUCKS EM 6 
Vinicius Donato  BUCKS EM 7