Previsões da temporada 2020/21 – O Warriors ainda está na luta pelo título? 

  

 

   

Vai e vem do mercado… 

QUEM CHEGA 

QUEM SAI 

Kent Bazemore (ala-armador, Kings)                      Ky Bowman (armador, sem time) 
Nico Mannion (armador, draft)  Jacob Evans (ala-armador, sem time) 
Kelly Oubre Jr. (ala-armador, Suns)  Zach Norvell (ala-armador, Bulls) 
Brad Wanamaker (armador, Celtics)  Omari Spellman (ala-pivô, Knicks) 
James Wiseman (pivô, draft)  Juan Toscano-Anderson (ala-armador, sem time)    

 

Elenco 

NÚMERO 

JOGADOR  POSIÇÃO 

IDADE 

30  Stephen Curry  Armador  32 
10  Brad Wanamaker       Armador  31 
Nico Mannion  Armador  19 
11  Klay Thompson  Ala-armador       30 
26  Kent Bazemore  Ala-armador  31 
15  Mychal Mulder  Ala-armador  26 
Damion Lee  Ala-armador  28 
Jordan Poole  Ala-armador  21 
22  Andrew Wiggins  Ala  25 
12  Kelly Oubre Jr.  Ala  25 
Eric Paschall  Ala  24 
23  Draymond Green  Ala-pivô  30 
32  Marquese Chriss  Ala-pivô  23 
Allen Smailagic  Ala-pivô  20 
33  James Wiseman  Pivô  19 
Kevon Looney  Pivô  24 

   

Prevendo o time 

Titulares: Stephen Curry, Kelly Oubre Jr., Andrew WigginsDraymond Green e James Wiseman
Principais reservas: Kevon Looney, Eric Paschall, Kent Bazemore e Brad Wanamaker
Técnico: Steve Kerr 

   

  

O “cara” da franquia 

O que ainda há a ser dito sobre Stephen Curry? Um dos melhores armadores de todos os tempos, ele mudou a história da liga com seu arremesso fora de comum e liderando uma das dinastias recentes da NBA. É razoável questionar como ele vai retornar aos 32 anos de idade, após campanha limitada por lesões e com uma temporada massacrante pela frente. Mas, enquanto estiver com a mão “calibrada” e sendo um dos atletas mais atentos à movimentação fora da bola na liga, o ex-MVP estará bem. Os craques são assim!  

  

Fique de olho! 

Houve muita expectativa, na temporada passada, em torno de Draymond Green ser o principal jogador do Warriors. Ele acabou sendo uma decepção porque, em síntese, não é esse tipo de atleta: o ala-pivô de 30 anos sempre foi o coadjuvante que “preenche as lacunas” e faz tudo o que a equipe precisa. Com Curry saudável e vários scorers ao seu redor (Oubre Jr., Wiggins), a forma como atua deve voltar a brilhar nas entrelinhas. O nome do jogo sempre foi versatilidade para Golden State – e Green é a personificação disso. 

   

O ponto de interrogação 

Com a trágica lesão de Klay Thompson, o Warriors busca um substituto para tudo o que ele fazia. Quem poderá entregar consistentes 35 minutos por jogo como segunda opção ofensiva da equipe? Quem poderá ser um arremessador letal que aterroriza defesas em movimento e/ou posicionado? E quem será o ótimo e versátil defensor capaz de marcar armadores e “cobrir” Curry? Andrew Wiggins, Kelly Oubre Jr. e Kent Bazemore possuem essas características isoladamente, mas, para Golden State ser candidato ao título, um deles terá que ser melhor do que imaginamos. 

   

O que esperar do Warriors na temporada? 

Depois de uma temporada absolutamente desastrosa, o Warriors projetava voltar direto para a disputa do título da NBA em 2021. É verdade que Kevin Durant foi embora, mas os retornos de Stephen Curry e Klay Thompson combinados com a chegada da segunda escolha do draft pareciam ser o bastante para reposicionar o time no topo. No entanto, todos os planos foram colocados em dúvida com a trágica nova lesão de Thompson. O otimismo deu lugar à incerteza. Nada soa mais encaminhado para Golden State 

A franquia até fez um bom trabalho no mercado, além de disposição em pagar as multas por exceder o teto salarial da liga, contratando possíveis substitutos. Oubre é um scorer em ascensão, mas passa longe de ser o arremessador de longa distância e ameaça sem a bola que Thompson representa. Já Bazemore é um especialista defensivo que não tem sua estatura e potencial versatilidade. O que nós estamos vendo, no final das contas, é que sempre será quase impossível substituir um astro com agentes livres. 

O Warriors encantou a NBA, nos últimos anos, com um ataque fluido e leve impulsionado por um sistema defensivo flexível, onde “trocava-se” todas as marcações possíveis. Esse ataque vai ser difícil de ser replicado sem Thompson movimentando-se sem a bola, mas o problema é maior: o elenco atual já não possui tão bons passadores e espaçadores de quadra quanto as melhores versões desse time. O técnico Steve Kerr deverá investir em uma ofensiva mais próxima dos tempos de Kevin Durant, quando isolations e armações mais rebuscadas se balanceavam. 

A versatilidade defensiva, por outro lado, pode até se manter devido a algumas peças interessantes que o elenco possui e trouxe. Draymond Green ainda está lá, como um dos defensores mais versáteis da história, agora fazendo dupla com os jovens e ágeis James Wiseman (segunda escolha do draft) e Kevon Looney (recuperado de lesões). Andrew Wiggins, Eric PaschallBazemore e Oubre formam um grupo de alas altos e potencialmente versáteis na marcação que poucas franquias podem dizer ter. 

A combinação do retorno de astros experientes e a chegada/consolidação de jovens talentosos faz com que o Warriors seja uma aposta firme para voltar aos playoffs, por mais que o elenco ainda soe fragilizado. Mas, sem Thompson, é simplesmente duro realmente acreditar que esse time tem o que é preciso para desafiar os melhores e retomar o trono da NBA – como o discurso interno dá a entender. 

  

Projeção Jumper Brasil 

Divisão Pacífico: 4o lugar
Conferência Oeste: 8o lugar 

  

Siga o Jumper Brasil em suas redes sociais e discuta conosco o que de melhor acontece na NBA:  

Instagram
Youtube
Twitter
Facebook