Moses Moody

Idade: 19 anos
País: Estados Unidos
Universidade: Arkansas
Experiência: freshman (primeiro ano universitário)
Posições: ala-armador/ala
Altura: 6’6″ (1,98m)
Envergadura: 7’1″ (2,16m)
Peso: 93 kg

Médias na última temporada: 16.8 pontos, 5.8 rebotes, 1.6 assistência, 1.0 roubo de bola, 0.7 toco, 1.6 desperdício de bola, 42.7% de aproveitamento nos arremessos de quadra, 35.8% de aproveitamento nas bolas de três pontos, 81.2% de aproveitamento nos lances livres, 33.8 minutos por jogo

Pontos fortes

  • dotado de uma envergadura invejável, Moses Moody é um protótipo de ala muito valioso sem a bola nas mãos, que impacta o jogo nos dois lados da quadra
  • ótimo arremessador de média e longa distância; exibe uma ótima mecânica de arremesso (alta e compacta), eficiente nos arremessos após o drible (sabe atacar closeouts) e saindo de corta-luzes, excelente nas situações de catch and shoot, se movimenta e se posiciona muito bem em quadra para ficar em boa condição de arremesso, cerca de 42% dos seus arremessos tentados foram do perímetro
  • elogiável tomada de decisões; apesar de não ser um playmaker, é um passador seguro, não força jogadas, tem uma boa seleção de arremessos, sabe se posicionar na defesa, simplesmente não tenta fazer o que não sabe
  • sólido e inteligente defensor; possui um entendimento avançado das rotações e coberturas defensivas, contesta arremessos, é disruptivo, exibe um notável trabalho de pés e utiliza bem sua envergadura para conter o adversário
  • bom reboteiro para a posição; dono de posicionamento e instintos apurados
  • mesmo sendo um dos prospectos mais jovens da classe, já demonstra um bom entendimento do jogo
  • Moody tem potencial para ser um sólido 3-and-D na NBA, um role player muito útil que sabe bem o seu papel em quadra, jogou ao lado de Cade Cunningham e Scottie Barnes no basquete colegial, e atuou em um dos times mais fortes do College na última temporada

Pontos fracos

  • não tem atributos físico-atléticos de elite; o que poderá lhe trazer dificuldades no nível profissional, especialmente na marcação individual de adversários mais velozes e/ou fortes
  • poderia ser mais agressivo nas infiltrações; não possui muita explosão no primeiro passo, prefere o floater ao invés de ser agressivo e tentar uma bandeja, tem dificuldade na mudança de direções, foge do jogo mais físico (apesar disso, teve uma média de quase seis lances livres por jogo – muito por conta de faltas recebidas no ato do arremesso)
  • quando o arremesso não está caindo, tem bastante dificuldade de contribuir com o ataque de sua equipe, o que pode transparecer que é passivo em quadra
  • dificuldade de criar jogadas para os companheiros; precisa ser um passador mais assertivo, especialmente quando está em movimento
  • deixa a desejar na criação do próprio arremesso; seu controle de bola é apenas mediano, quase nunca trabalha em jogadas de pick-and-roll, raramente tenta jogadas em isolation (dificuldade de criar separação para o marcador), é essencialmente um jogador que recebe a bola e arremessa

Comparação: Mikal Bridges (Phoenix Suns) com menos agilidade

Projeção: entre as escolhas 9 e 18

Confira alguns lances de Moses Moody