O Minnesota Timberwolves está simplesmente torcendo para que a parada do Jogo das Estrelas chegue logo. A equipe de pior recorde da temporada acabou de oficializar uma troca no comando técnico e alguns jogadores dizem que um afastamento das quadras, por menor que seja, seria ideal para “recarregar as baterias” rumo ao início de um novo trabalho. Para o veterano Ricky Rubio, porém, o cansaço mental do time não é o maior problema: o que preocupa é a ausência de avanços na reconstrução do Timberwolves.  

“Eu acho que existem alguns evidência de que a nossa reconstrução possa funcionar nos memos moldes do que o Philadelphia 76ers fez nos últimos anos: acreditar no processo, perder por uns três anos com times muito ruins até voltar a vencer. Mas eu não acredito nesse tipo de sistema. Precisamos construir bons hábitos desde o primeiro dia juntos e, sinceramente, não acho que estejamos fazendo isso da maneira correta no momento”, desabafou o experiente armador, em entrevista ao jornal Star Tribune. 

Timberwolves ganhou somente sete de 35 partidas disputadas até o momento, o que levou à demissão do treinador Ryan Saunders e à controversa chegada de Chris Finch. Na temporada, a franquia acumula o terceiro pior ataque (105.4 pontos por 100 posses de bola) e a sétima pior defesa em eficiência (113.2 pontos por 100 posses) da liga. Os números atestam que o rendimento está muito aquém do ideal, mas Rubio aponta que os problemas de evolução do time vão muito além do que pode ser quantificado. 

“Tem vezes em que sabemos as jogadas que os outros times vão fazer e, mesmo assim, não conseguimos pará-las. Isso é um sinal de que não estamos prontos para alcançar o próximo nível competitivo. Se você comete os mesmos erros lance após lance, não está aprendendo nada. Uma equipe jovem precisa aprender com suas falhas, mas com falhas diferentes. Hoje, nós simplesmente cometemos o mesmo erro o tempo inteiro”, criticou o armador, apontando uma espécie de “estagnação tática” dos jogadores. 

Rubio foi trazido pelo Timberwolves, entre outros motivos, para ser uma liderança e voz mais experiente em um grupo essencialmente jovem que já seria cobrado por resultados nessa temporada. Esse é um dos pontos em que, na verdade, o próprio jogador acredita não estar fazendo um grande trabalho. O atleta espanhol admite que está frustrado com o que vê de si próprio, inclusive, e o sentimento é potencializado pela continuação da rotina de derrotas mesmo com a chegada do novo treinador. 

“Há muitas coisas que ainda precisamos descobrir e corrigir para encontrarmos um rumo e efetivamente melhorarmos. É necessário iniciar em algum momento, por alguma coisa, e esperamos que isso ocorra nos próximos dias. Temos que competir e mais e em todos os jogos. Karl-Anthony [Towns]Anthony [Edwards] e eu devemos assumir a frente e liderar, mas, no fim das contas, todos precisam fazer um trabalho melhor”, cobrou o veterano, que possui médias de 7.6 pontos e 6.3 assistências na campanha. 

E não é só Rubio quem se incomoda com a aparente falta de avanço da reconstrução do Timberwolves, em termos de qualidade do basquete e resultados. Até um jovem atleta, recém-chegado ao time, fica inquieto com essa situação. “Eu tento competir quão duro quanto posso, fazer o máximo que consigo, mas nunca parece ser o bastante. Temos que descobrir como dar aquele gás extra, encorajar uns aos outros a continuar lutando. Acho que não atingimos isso ainda”, lamentou o novato Anthony Edwards.