Um clichê recente da NBA é a história do “desaparecimento” dos jogadores de garrafão clássicos do jogo, com uma nova geração de atletas apresentando habilidades que não eram assim tão comuns em outros instantes da história. No entanto, obviamente, nem todos são assim. Joel Embiid é um dos astros com estilo que ainda lembram a versão mais tradicional do pivô no basquete, a ponto do treinador Scott Brooks acompanhá-lo em quadra e recordar-se dos tempos em que atuava com a lenda Hakeem Olajuwon.

“Joel é tão bom quanto pode ser um jogador de garrafão. Fui afortunado por jogar ao lado de Hakeem por três temporadas e Joel tem feito coisas que não via desde então. Após sete temporadas, ele já encarou tudo o que é possível em termos de esquemas defensivos. É habilidoso, atlético e extremamente inteligente. Trata-se do pivô mais técnico que nós vimos na NBA desde Hakeem”, sentenciou o técnico do Washington Wizards, que foi armador do Houston Rockets entre 1992 e 1995.

Brooks tem visto a habilidade de Embiid muito de perto na última semana, encarando o Philadelphia 76ers na primeira rodada dos playoffs do Leste. Como esperado, o Wizards perdeu os três primeiros jogos da série e está próximo de ser eliminado pela equipe de melhor recorde da conferência. Nessas partidas, o craque camaronês registra médias de 29.3 pontos (com sensacionais 66.9% de aproveitamento nos arremessos de quadra) e 7.0 rebotes em apenas 28 minutos de ação por noite.

“Definitivamente, Joel não recebe o crédito devido por ser um defensor espetacular. Lê tudo o que acontece dentro de quadra, entende o timing para as ajudas e sabe quando pressionar o pick-and-roll. É algo simplesmente natural para esse cara. Já tem grande experiência vinda de algumas derrotas duras em playoffs passados também. É um dos melhores jogadores que vejo em muito tempo nessa liga”, seguiu exaltando o ex-atleta, vencedor do prêmio de melhor treinador da liga em 2010.

A eliminação do Wizards parece apenas uma questão de tempo e, para Brooks, Embiid tem tudo para repetir a façanha de Olajuwon na década de 1990: dominar as partidas no garrafão liderando seu time rumo a um título da NBA. “Joel faz com que paguemos por nossos erros no ataque enquanto comanda as ações na defesa. Desde Hakeem, eu realmente nunca tinha visto um pivô com a versatilidade para dominar o jogo nos dois lados da quadra como esse cara”, finalizou o técnico.