O Boston Celtics foi a primeira equipe classificada para os playoffs por meio do play-in do Leste nesse ano, com uma vitória categórica sobre o Washington Wizards na partida que valeu a sétima posição da conferência. E, em parte, o resultado deveu-se à atuação sensacional de um atleta. Jayson Tatum assumiu a responsabilidade e liderou o triunfo do Celtics marcando 50 pontos, em uma performance que o técnico adversário acredita ter sido o prenúncio de um futuro MVP de temporada na NBA.

“Jayson acertou arremessos difíceis e viveu na linha dos lances livres – sozinho, cobrou quase mais do que o nosso time inteiro. Nós tentamos algumas alternativas, dobramos marcação, mas eles movimentaram a bola e encontraram os jogadores livres para três pontos. Ele é simplesmente um grande jogador. Não só um grande jovem talento, mas um grande jogador mesmo. Esse garoto será o MVP da liga muito em breve”, exaltou o treinador Scott Brooks, em entrevista depois da derrota por 118 a 100.

Tatum converteu 14 de 32 arremessos de quadra na vitória, além de carregar jogadores do Wizards de faltas e acertar os 17 lances livres cobrados na noite. Ele também pegou oito rebotes e distribuiu quatro assistências, com o Celtics derrotando o Wizards por 25 pontos de diferença nos 41 minutos em que esteve em ação. Para vários fãs, nas redes sociais, o desempenho em um momento decisivo foi a comprovação definitiva do jovem ala como um superastro da liga – algo que não poderia significar menos para o astro.

“Vocês acham que eu sou um superastro? Não sei o que dizer. Acredito que uma atuação como essa ajuda, mas não fico realmente atento a discussões como essa. Afinal, o que isso significa? Tem algum padrão? O que importa é que ganhei o respeito dessa liga ao longo dos anos. Conquistei o respeito dos meus colegas, adversários e treinadores. Eu acredito em mim mesmo e isso é tudo o que importa, no final das contas”, cravou o jogador de 23 anos, minimizando o status recebido pelos torcedores.

A partida ainda teve um significado pessoal para Tatum, ao colocá-lo em um confronto decisivo contra um de seus mentores no basquete: Bradley Beal. Os dois atletas são originários de Saint Louis, ótimos amigos e o astro do Wizards nunca escondeu ser um dos grandes fãs do líder de Boston. Como alguém que viu o jovem talento aprimorar todo o seu repertório, o segundo maior pontuador da temporada tinha consciência de que um desastre poderia estar por vir para o seu time.

“O que aconteceu aqui não me surpreende: Jayson é um talento especial que já conheço há muito tempo. E digo isso há anos, desde que ele usava fraldas. Não importava quem colocássemos em sua marcação hoje, porque a tarefa é complicada: esse garoto é alto, forte e pode criar o próprio arremesso. É um pontuador dos mais versáteis, que precisa ser respeitado por tudo o que pode fazer em quadra e cada um dos seus movimentos”, reverenciou o ala-armador, que foi o cestinha do Wizards com 22 pontos.

Tatum e o Celtics, agora, precisam olhar para a frente e encarar o “prêmio” conquistado por terem passado pelo play-in: a ingrata série de primeira rodada de playoffs contra o poderoso Brooklyn Nets. Será duro encontrar qualquer analista ou torcedor que coloque as suas fichas no time de Boston, após uma temporada declaradamente decepcionante. O craque, porém, garante que o vestiário está pronto para desafiar os prognósticos e fazer valer a oportunidade de ficar frente a frente com o segundo colocado do Leste.

“É óbvio que vai ser uma missão complicada – em especial, sem Jaylen Brown. Todos já sabem o quão bom esse time de Brooklyn é, mas eu estou empolgado com a chance de estar novamente nos playoffs. É o quarto ano consecutivo que classificamos e nunca vai ser algo simples de ser alcançado. Será duro, não é um confronto ideal, mas existe enorme confiança mútua dentro desse vestiário. Ainda acreditamos em nós mesmos”, finalizou o jovem craque, preparado para jogar sem margem para erro.

ENQUETE