Quem já teve o prazer de assistir ao documentário de Tony Parker na Netflix pode sentir o gostinho do principal projeto do ex-jogador após deixar as quadras: o ASVEL Lyon-Villeurbanne. A equipe francesa é uma das mais populares do país e tem a lenda do San Antonio Spurs como proprietário majoritário e presidente. Nesta semana estivemos in loco para acompanhar a reta final da segunda temporada do time na Euroliga. E com outro personagem fundamental da família Parker.

Diante de três mil ensandecidos torcedores do Maccabi Tel Aviv, na Menora Mivtachim Arena, o ASVEL – treinado por ninguém menos que TJ Parker, irmão de Tony – não se deixou levar pela pressão e assinalou uma bela vitória por 74 a 67. Foi também um triunfo histórico, já que desde 1996 os israelenses não pediam em casa para um time francês. O jogo, válido originalmente pela 30ª rodada, havia sido suspenso na data inicial em virtude do fechamento do espaço aéreo pela crise do coronavírus. Por conta disso, as duas equipes entraram em quadra sem muita pressão, já que – na 13ª e 14ª posições – não podem mais alcançar os playoffs a uma rodada para terminar a fase regular. Melhor para os franceses, cujos objetivos são outros.

Foto: Rodrigo Salomão

A pretensão do ASVEL ao iniciar a temporada era fazer um papel mais digno que o do ano anterior, seu ano de estreia. Bem diferente de seus adversários de Tel Aviv, que eram cotados para mando de quadra nos playoffs (como já havia garantido em 2019-20, antes do encerramento precoce da competição) e sequer flertaram com o oitavo lugar na reta final. Mérito do seu técnico?

O mais importante é a guerra, não essa batalha apenas. O importante é melhorar a cada temporada. No ano passado vencemos 10 jogos e neste ano já temos 13 em 37, jogamos bem e de igual pra igual com outros gigantes. Estamos construindo um time e queremos formar uma equipe que lutará pelos 8 primeiros lugares“, resumiu o treinador após o duelo.

Aqui vai um importante contexto. Aos 36 anos, TJ Parker é o técnico mais jovem da competição. Antes de ser efetivado pelo irmão, era o assistente de Zvezdan Mitrovic, que deixou o clube por “má conduta”. Chegou a jogar profissionalmente na Europa depois de atuar na Northwestern College, ao norte de Chicago, e até se inscreveu no Draft de 2005, mas não chegou perto do sucesso de Tony. Ainda assim, jamais abandonou o basquete:

Confio nos meus instintos. TJ está pronto, é a hora certa“, afirmou Tony depois do anúncio, em junho de 2020.

Fato é que, pela melhora progressiva e pelos feitos já históricos, é possível perceber que os instintos do ídolo francês mais uma vez estavam certos. Uma campanha que pode consolidar a iminente posição de participante fixo da Euroliga. Desejo este que deve se tornar realidade devido aos esforços de Tony Parker e sua rede de apoio. Os torcedores não têm do que reclamar.