Por opção ou necessidade, o inevitável parece ter acontecido no New Orleans Pelicans: Zion Williamson é o novo armador do time. Os inúmeros desfalques fizeram com que os planos da franquia para o jovem astro fossem acelerados e a bola ficasse em suas mãos na vitória da equipe diante do Philadelphia 76ers, na última sexta-feira. Como o criador primário da escalação de Stan Van Gundy, ele quebrou o recorde da carreira ao distribuir oito assistências no duelo.

“Conduzir a bola e ser um armador é algo natural para mim. Eu sinto como se fosse uma habilidade natural em meu jogo. Jogo esse esporte desde os quatro anos de idade, então sinto que o basquete é intrínseco a mim. É evidente que ainda estou aprendendo e tenho muita coisa que posso aprimorar, mas certas coisas são simplesmente naturais para mim”, afirmou o craque de apenas de 20 anos, que ainda anotou 37 pontos e 15 rebotes no triunfo por 101 a 94.

Desde os tempos de prospecto, Williamson era reconhecido pela capacidade superior de passe para um ala-pivô com o seu condicionamento atlético. Esse recurso nunca passou despercebido pelo Pelicans, obviamente: a equipe trouxe Van Gundy com o pensamento de desenvolver o seu principal talento como um ballhandler e criador ofensivo primário. O experiente técnico viu, na ausência de jogadores como Lonzo Ball, a chance de colocá-lo na tão aguardada condição.

“Hoje, nós simplesmente decidimos que entregaríamos a bola nas mãos de Zion o tempo inteiro. Pelo menos, enquanto aguentasse. Foi a hora de analisar o que temos aqui. Ele teve a chance de armar o jogo do início ao fim e fazer jogadas para todo mundo. Jogou da maneira como esperamos que um craque jogue. Foi uma tremenda atuação de um tremendo jogador”, exaltou o treinador, comemorando o desempenho de altíssimo nível do comandado na nova função.

A tendência é que, com o retorno dos diversos desfalques do time – que, além de Ball, inclui o ala-armador Nickeil Alexander-Walker –, Williamson não tenha tanto controle sobre o ataque de Nova Orleans quanto aconteceu contra o Sixers. Por enquanto, essa partida parece ser muito mais uma sinalização positiva do que uma constante. Mas o técnico avisa: o plano é ter o ala-pivô cada vez mais aclimatado às responsabilidades atribuídas a um armador.

“Queremos que Zion ganhe mais experiência exercendo esse tipo de função porque acho que esse é o futuro do seu jogo. Realmente acredito em sua habilidade para comandar o jogo. Só precisa de mais rodagem ao longo do ano, receber mais oportunidades de atuar assim. Gostaríamos de dar-lhe mais chances daqui em diante e continuar a desenvolvê-lo nesse sentido”, apontou Van Gundy, vendo a atuação dessa sexta como um caminho sem volta para Williamson.