Jamal Crawford viu muita coisa acontecer e muitos jogadores aparecerem na NBA: ele construiu uma carreira de duas décadas e mais de 1.300 jogos disputados no basquete profissional após ter sido escolhido na loteria do draft de 2000. O armador acompanhou craques como LeBron JamesShaquille O’Neal, Steve Nash, Tim Duncan e Michael Jordan em ação, enfrentando-os a cada noite. Mas, entre todos, o melhor jogador que Crawford acredita ter encarado na carreira foi o saudoso Kobe Bryant. 

“Kobe foi o melhor jogador que enfrentei em minha carreira. Foi, certamente, o melhor contra quem atuei. Era como se ele entrasse em quadra e colocasse medo em você, no ginásio inteiro, em cada torcedor. Como acontecia com Michael Jordan. Eles foram bem parecidos enquanto competidores. Então, não me surpreende que fossem amigos. Sinto que quem não teve a chance de enfrentar Michael, pode enfrentá-lo por meio de Kobe”, contou o jogador de 40 anos, em entrevista ao podcast Legends of Sports. 

Crawford teve a sorte de ter virado, no meio do caminho, amigo do melhor jogador que enfrentou: ele desenvolveu uma relação próxima com Kobe, a ponto de ter conseguido informações importantes sobre o lendário espírito competitivo e obsessão pelas vitórias do finado ídolo do Los Angeles Lakers. O três vezes ganhador do prêmio de reserva do ano na NBA revelou, inclusive, que um dos “conselheiros” do novo membro do Hall da Fama era o rei do pop, Michael Jackson. 

“Ele era inacreditável porque, embora não tivesse fraquezas em seu jogo, sempre estava tentando melhorar. Kobe me contava, por exemplo, que tinha conversas com o Michael Jackson de vez em quando. Eu não entendia na época, mas ele explicou que só estava buscando dicas sobre ser ótimo, ser o melhor, ser o maior. Queria saber como ser tão meticuloso, estar atento a diferentes detalhes”, confidenciou o cestinha, que tem 14.6 pontos de média ao longo da carreira na NBA. 

Muitos adjetivos já foram usados para definir Kobe, dos mais elogiosos aos críticos. Mas, com o seu conhecimento do ídolo dentro e fora das quadras, ele acredita ter encontrado a forma perfeita de defini-lo. “Kobe está no topo da lista pela mentalidade com que encarava cada jogo. Tinha uma combinação de habilidade, ética de trabalho e completa ausência de medo, totalmente fora de padrão. Inacreditável. Se houve uma coisa que Kobe era, é destemido”, concluiu o experiente armador.