Previsões 2020/21 – Jazz vai brigar por mando de quadra

Quem chegou

Derrick Favors (New Orleans Pelicans)
Shaquille Harrison (Chicago Bulls)
Yogi Ferrell (Sacramento Kings)
Udoka Azubuike (Draft, Universidade de Kansas)
Elijah Hughes (Draft, Universidade de Syracuse)
Trent Forrest (Não draftado, Universidade de Florida State)

Quem saiu

Emmanuel Mudiay (agente livre)
Tony Bradley (Philadelphia 76ers)
Ed Davis (Minnesota Timberwolves)
Nigel Williams-Goss (agente livre)
Rayjon Tucker (agente livre)

Elenco

10- Mike Conley: armador, 33 anos
– Yogi Ferrell: armador, 27 anos
3- Trent Forrest: armador, 22 anos
45- Donovan Mitchell: ala-armador, 24 anos
8- Shaquille Harrison: ala-armador, 27 anos
81- Miye Oni: ala-armador, 23 anos
23- Royce O’Neale: ala, 27 anos
2- Joe Ingles: ala, 33 anos
44- Bojan Bogdanovic: ala, 31 anos
51- Elijah Hughes: ala, 22 anos
31- Georges Niang: ala-pivô, 27 anos
16- Juwan Morgan: ala-pivô, 23 anos
5- Jarrell Brantley: ala-pivô, 24 anos
27- Rudy Gobert: pivô, 28 anos
15- Derrick Favors: pivô, 29 anos
20- Udoka Azubuike: pivô, 21 anos

Projetando o time

Titulares
Mike Conley
Donovan Mitchell
Royce O’Neale
Bojan Bogdanovic
Rudy Gobert

Principais reservas
Joe Ingles
Jordan Clarkson
Derrick Favors
Georges Niang

Técnico: Quin Snyder

O “cara” da franquia

Donovan Mitchell. A jovem estrela de 24 anos elevou o seu patamar na última temporada. Em sua terceira temporada na NBA, Mitchell alcançou os melhores números da carreira e foi selecionado pela primeira vez para o All-Star Game. Nos playoffs, o seu desempenho foi espetacular. O duelo com Jamal Murray na série contra o Denver Nuggets não vai sair tão cedo da memória dos fãs de basquete. Mitchell marcou 57 pontos no primeiro jogo e outros 51 na quarta partida. O Jazz caiu após abrir 3 a 1 no confronto e levar a virada, mas a impressão deixada pelo ala-armador foi a melhor possível. A confiança da franquia em Mitchell é total, tanto que, nesta offseason, o jogador assinou uma extensão contratual de cinco temporadas pelo valor máximo.

 

Fique de olho!

Bojan Bogdanovic. Principal contratação do Jazz na agência livre de 2019, Bogdanovic vinha fazendo a melhor temporada da carreira (20,2 pontos e 41,4% de aproveitamento nos arremessos do perímetro) e exercendo com eficiência o seu papel em quadra. Entretanto, em maio, o jogador croata de 31 anos passou por uma cirurgia no punho direito, que o tirou do restante da temporada, Sua ausência, aliás, foi muito sentida nos playoffs, quando o Jazz caiu na primeira rodada. Agora, em 2020/21, Bogdanovic está totalmente recuperado e pronto para ajudar o time de Utah desde o início da temporada.

 

O ponto de interrogação

Rudy Gobert. O pivô francês foi o personagem central de uma grande polêmica na última temporada, após ter sido o primeiro atleta da NBA a testar positivo para o novo coronavírus. Em meio à pandemia, Gobert teve um comportamento infantil e descuidado enquanto “debochava” das medidas impostas pela liga para o controle da doença. Por conta disso, ele teve um atrito com o companheiro de equipe, Donovan Mitchell, segundo jogador do Jazz a testar positivo para Covid-19, cujo contágio  provavelmente, foi um reflexo direto da conduta reprovável de Gobert. Posteriormente, o francês se desculpou e os dois se acertaram. Gobert está entrando no último ano de seu vínculo com a equipe, e, até o momento, não acertou a renovação com o Jazz. O problema é que o jogador já avisou que deseja assinar um contrato supermáximo, o que comprometeria 35% da folha salarial da equipe. Inicialmente, a franquia ofereceu o valor máximo (28% da folha), já recusado por Gobert. O pivô, duas vezes eleito o melhor defensor da NBA (2018 e 2019), poderá então receber um contrato parecido ao do astro grego Giannis Antetokounmpo. Os dois lados têm até a próxima terça-feira (22) para se acertarem.

O que esperar do Jazz em 2020/21?

O Utah Jazz manteve a base de 2019/20 e trouxe de volta um velho conhecido: o pivô Derrick Favors. Com todos saudáveis neste início de temporada, o técnico Quin Snyder tem à sua disposição um elenco qualificado e capaz de levar o time a uma das primeiras colocações na fortíssimas Conferência Oeste.

O quinteto titular formado por Conley, Mitchell, O’Neale, Bogdanovic e Gobert é um dos mais qualificados da liga. Clarkson, Ingles e Favors são as principais peças saindo do banco, o que mostra o poderio da rotação do time.

Desde a última temporada, Snyder mudou o estilo de jogo da equipe, passando a privilegiar formações mais baixas e um maior espaçamento de quadra. Em 2019/20, o Jazz foi o time de melhor aproveitamento nos arremessos do perímetro (38%). Com isso, houve uma queda natural na parte defensiva, carro-chefe da equipe nos anos anteriores. Em compensação, o ataque ficou mais fluido e o Jazz foi o oitavo melhor em eficiência ofensiva. A chegada de pontuadores natos como Bogdanovic e Clarkson foi fundamental para isso, e Mitchell definitivamente teve o seu jogo facilitado e maximizado.

A verdade é que o time de Utah ficou mais equilibrado, ganhando poder de fogo e encarando de igual para igual os principais times da conferência. As âncoras defensivas do garrafão – Gobert e Favors -, e o stopper do perímetro, O’Neale, estarão rodeados de ótimas opções de pontuação. Em 2020/21, o Jazz tem tudo para seguir entre os melhores do Oeste e brigar por mando de quadra nos playoffs, mesmo com o fortalecimento de outras equipes.

Projeção Jumper Brasil

Divisão Noroeste: 2º lugar
Conferência Oeste: 5º lugar

Siga o Jumper Brasil em suas redes sociais e discuta conosco o que de melhor acontece na NBA:

Instagram
Youtube
Twitter
Facebook